O QUE O PRÊMIO SHELL NÃO MOSTROU

O que a cobertura da cerimônia e da festa de entrega do Prêmio Shell de Teatro, no Teatro Tom Jobim, não mostrou foi o momento ternurinha dos bastidores da escolha dos vencedores do prêmio, quando houve um surprise party de despedida do jurado mais antigo, Sérgio Fonta, 14 anos de dedicação absoluta, que, pelo regimento interno, deixa o júri, podendo retornar daqui a dois anos.

A festinha foi providenciada pela diretora do júri, Leíse Duarte, logo após o encerramento da reunião em que foram decididos os nomes vencedores.

De quebra, Fonta ganhou de presente uma cesta gourmet com importados – champagne, queijos e outras tentações – todos muito bem harmonizados, tanto quanto foi harmoniosa a convivência de que eles desfrutaram durante todos esses 14 anos.

sergio fonta shellNa foto, Macksen Luiz, Bia Junqueira, Sergio Fonta com sua cesta de gostosuras que falam francês, Ana Achcar, João Madeira e a representante da Shell, diretora do júri, Leíse Duarte.

Agora, o imortal da Academia Brasileira de Arte Sergio Fonta viaja pelo interior do estado com a peça O mercador de Veneza, de Shakespeare, interpretando o Shylock (papel que Al Pacino fez no cinema). Na segunda-feira, o ator Fonta fará a leitura de Mac e Bela, de Maria Helena Kühner, na Casa da Gávea.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *