Projeto Novo Brasil segue firme em seu propósito de voltar ao tempo colonial

DEZOITO entidades representativas de diversos segmentos da indústria audiovisual do Brasil lançaram um manifesto de surpresa e preocupação com a notícia veiculada na sexta-feira sobre a morte do Departamento de Economia da Cultura do BNDES, comunicada aos funcionários pelo presidente do banco, sr. Dyogo Oliveira… ELAS ESTRANHAM que a presidência do banco, ao extinguir o departamento de cultura, demonstre desconhecer que a empresa de consultoria PricewaterhouseCoopers coloca a indústria do entretenimento e lazer cultural entre as três maiores cifras de negócios do mundo – quase US$ 2 trilhões… LEMBRAM QUE a cultura brasileira, mesmo nesse quadro gravíssimo de crise econômica, é um dos setores mais dinâmicos da economia nacional, está em franca expansão, gera quase 1 milhão de empregos e sua participação no PIB é de 1,2% a 2,6%. Sem esquecer sua dimensão simbólica… OS SIGNATÁRIOS concluem, expressando sua confiança de que o BNDES esclarecerá essa notícia e que o Departamento da Economia da Cultura do banco continuará promovendo o desenvolvimento da indústria… EM SUA RESPOSTA, o sr. Dyogo Oliveira só fez acentuar a impressão de desinformação sobre esses fatos, confundindo política de Patrimônio Histórico com política de financiamento à Industria Criativa Cultural… O QUE ISSO SIGNIFICA? Que o BNDES está apenas sendo coerente com o Projeto Novo Brasil – vamos chamá-lo assim – que desmonta o país e aniquila qualquer possibilidade de desenvolvimento intelectual do povo brasileiro, e faz estagnar toda iniciativa que promova a inclusão social… UMA ANIQUILAÇÃO de terra arrasada, um retrocesso, não ao tempo do Governo Getúlio Vargas, com essa “releitura” grosseira de suas CLT, mas à própria Abolição da Escravatura, pois torna os pobres, negros na maioria, reféns do capital e totalmente escravizados pela ausência de instrumentos que promovam alguma justiça social… ESSE PROCESSO vem se desenvolvendo desde o início deste governo, quando foi anunciada a extinção do Ministério da Cultura, ato que só foi revertido após forte posicionamento da classe artística brasileira, em uníssono, ocupando instalações do ministério e exigindo respeito para o setor. Assim, o MinC foi mantido, aos barrancos e trancos, com o atual orçamento pífio… CONCOMITANTE A ISSO, lançaram, logo nas semanas pós impeachment, e aprovaram, uma reforma do ensino básico, em que inicialmente só eram obrigatórios o português e a matemática!… OS ESTUDANTES REAGIRAM, ocuparam escolas públicas, e a nova grade curricular passou a incluir inglês (antes podia-se escolher entre ele e o idioma espanhol, agora, não mais), filosofia, sociologia, artes e educação física, com o foco maior de preparar para o ensino técnico… SEM DISCUTIR com a sociedade, com um conteúdo didático prejudicado, para a revolta e o protesto da sociedade civil, pais, alunos e professores, que pediram a rejeição da Medida Provisória, enquanto antigos ministros da Educação previram, com essa reforma, um grande risco de se ampliarem as desigualdades de oportunidades… DEPOIS, VEIO o corte drástico de recursos para toda e qualquer pesquisa científica. Veio a campanha contra as universidades públicas, reduzindo-se drasticamente seus recursos, e até criminalizando reitores… AGORA, O BNDES, tido c omo “a mãe da cultura brasileira”, tradicional impulsionador da nossa indústria criativa, sai de campo e deixa o setor desguarnecido de patrocínios e financiamentos… FAZ REFLETIR que o que se pretende são novas gerações de brasileiros com nível raso de informação, sem interesses culturais abrangentes, reduzidas à perspectiva de um futuro ensino técnico, quando muito… NADA A ESTRANHAR. Apenas estão sendo sinceros em seus objetivos de desconstruir o Brasil, pois é sabido que “a cultura constrói uma Nação”. Sem cultura, sem ciência e com uma instrução incipiente, o que esperar do Brasil?… ELEMENTAR: UM PAÍS com poucas cabeças pensantes, país vassalo, sem deter patentes, 100% dependente do conhecimento importado… UM BRASIL consumidor da produção cultural estrangeira. Com o setor de audiovisual totalmente dominado por produções em inglês (daí a serventia de falar o idioma?)… E VOLTANDO AO BNDES, colocar na mesma “caixinha” as suas políticas para a preservação do Patrimônio Cultural e as de uma pujante indústria criativa é, perdoe-me dizer, falta de cultura. Ou ojeriza a ela…

 

 

 

“Se não cumprir a determinação do Comitê dos Direitos da ONU, O Brasil será relegado à condição de pária internacional”

Hildegard Angel – Jornal do Brasil – 18/08/2018

ASSIM SE EXPRESSOU ontem o ex-ministro das Relações Exteriores do Brasil por nove anos e meio, servindo a três presidentes, embaixador Celso Amorim. A afirmação foi endossada pelo diplomata Paulo Sérgio Pinheiro, ex-ministro dos
Direitos Humanos de Fernando Henrique Cardoso, professor de Ciências Políticas da USP, durante a coletiva realizada ontem, com os advogados do ex-presidente, Valeska Teixeira e Cristiano Zanin… O MAIS FORTE foi quando o ex-ministro explicou que,
caso não se cumpra a resolução do Comitê De Direitos Humanos da ONU, o país passará a ser um “pária internacional”, significando que, “progressivamente, sua voz vai parar de ser ouvida, o Brasil poderá deixar de ser chamado para as reuniões da ONU, não votar em decisões e seus pleitos não serem atendidos”. Enfim, um marginal em todas as esferas, diplomática, política, comercial etc. Bem como as nossas próximas eleições serão questionadas internacionalmente, não  sendo reconhecidas…

TUDO ISSO dito com serenidade e firmeza. Foi uma coletiva espetacular, emocionante. Os repórteres da mídia grande, transtornados, insistiam e argumentavam, esperando ouvir o que seus editores querem escutar: que o
tratado não é uma Decisão, é uma Recomendação. Não ouviram… O QUE A ONU emitiu foi uma Determinação, uma virada de mesa nas eleições brasileiras… O BRASIL SUBSCREVEU esse Tratado Internacional vinculante a todos os nossos poderes
e órgãos públicos, aceitou sua jurisdição, e ele foi internalizado, cumprindo-se todos os trâmites do nosso Legislativo. Com o decreto aprovado, tornou-se lei no Brasil… DADO O conhecimento da resolução da ONU ao Itamaraty, não cabe ao Brasil outra coisa senão cumpri-la, envolvendo todos os poderes e órgãos estatais…

EIS QUE UMA repórter lê nota distribuída pelo nosso Ministério das Relações Exteriores, minimizando a importância da resolução. Seria apenas uma “Recomendação”… TANTO AMORIM quanto Pinheiro ficam estupefatos. Celso tinha
nas mãos a notícia publicada ontem pelo New York Times, e a lê: “Lula do Brasil deve ter seus direitos políticos, diz o Comitê de Direitos Humanos da ONU. Ele determinou ao governo brasileiro que permita que Lula, que está na prisão, exerça plenamente
seus direitos políticos”… SOBRE A NOTA do Itamaraty, Amorim, que foi duas vezes nossos embaixador em Genebra, comenta: “Ela é lamentável, constrangedora, porque demonstra que nossos diplomatas em Genebra desconhecem o tratado, não leram! A nota do Itamaraty é um sofisma. A resolução não recomenda ao Judiciário decidir. É para fazer cumprir. Não pode ocorrer dano ao presidente Lula, impedindo que ele concorra à eleição”… REZA O DOCUMENTO da ONU que Lula deve cumprir amplamente a agenda de candidato, comparecer aos debates na TV, dar entrevistas à imprensa, participar de comícios, encontrar- se e se reunir com os membros de seu partido…

DE ACORDO com os diplomatas, não há a hipótese do descumprimento da decisão. Quando se descumpre um tratado desses, está se negando princípios básicos do Direito Internacional. “Pactos têm que ser cumpridos”, disse o ex-Chanceler, “senão é lei da Selva, é fazer como os Talibãs”… DA COLETIVA, participou via Skype o advogado britânico Geoffrey Robertson, dos maiores especialistas no mundo em Direitos Humanos, e que acompanha esse processo desde julho de 2016 . Estava entusiasmado: “É um grande dia para a Democracia. Uma decisão muito importante. É
muito raro o Comitê expedir uma ordem antes do caso ser finalizado. A ONU só usou desse recurso para pessoas torturadas ou executadas. Na democracia, é intolerável que se negue a presunção de inocência”… É ASSERTIVO: “A Procuradora Geral
tem que expedir amanhã a decisão permitindo a Lula concorrer na mesma posição de seus oponentes, e não ser desqualificado. E também ser eleito”, disse… FINALIZOU BONITO: “A Democracia é frágil. Quando ela está em perigo, a ONU e a comunidade internacional se preocupam. Este é um exemplo muito importante e esta é uma decisão bem-vinda por todos. Para o bom resultado para o povo brasileiro e para a governança
democrática, o Brasil deverá aceitar suas obrigações internacionais”…

DESDE JULHO DE 2016, a Comissão de Direitos Humanos da ONU recebe relatórios dos advogados de Lula sobre as ocorrências de seu processo, passo a passo. Assim,
acompanharam sua prisão coercitiva, as gravações divulgadas de conversas privadas, inclusive a conversa com a presidenta Dilma, o levantamento do sigilo de conversas de Lula com seus advogados e – o que mais impressionou ao Comitê e aos juristas estrangeiros – a sucessão de fatos do último dia 8 de julho em Curitiba, que levaram ao não cumprimento do Habeas Corpus concedido… DECLAROU O JURISTA Pedro Serrano ao blog Tijolaço: “Segundo a nossa Constituição, tratados internacionais sobre direitos fundamentais e políticos que o Brasil assina aqui são lei acima das leis comuns. É uma decisão contundente”… PARA O diplomata Paulo Sérgio Pinheiro, “mesmo que a grande imprensa insista e repita que essa decisão da ONU não tem valor, ela tem sim”… ESSE ATO, explicaram, nada tem a ver com Ficha Limpa. Tem a ver com Direitos Humanos. A avaliação da ONU é de que, na falta um julgamento justo a Lula, ele tem por isso que participar das eleições…

ESTA NÃO é a primeira Decisão tomada pela ONU quanto ao assunto. No dia 22 maio passado, o mesmo comitê enviou outra, em que fez saber ao Brasil, “sem prejuízo da decisão”, que será incompatível nós realizarmos qualquer ação que frustre os seus comunicados referentes ao processo, que ela acompanha desde julho de 2016… NA OCASIÃO, RECOMENDOU “que não seja emitida qualquer nota que possa dar a entender que a determinação do comitê é frívola ou fútil”… EXATAMENTE a nota que, ontem, o nosso Ministério das Relações Exteriores distribuiu… QUANTO AO julgamento do mérito das violações praticadas ao longo do processo contra/Lula, estas ainda estão sendo examinadas pelo Comitê. Aguardemos uma terceira Decisão. O preço da Democracia é a eterna vigilância…

Um ronco surdo começa a incomodar os ouvidos que escutam…

De Hildegard Angel

Jornal do Brasil  12/08/2018

HOJE, SEGUNDO informes da Marinha do Brasil, teremos uma grande ressaca na orla do Rio, com ventos alcançando 2,5 metros de altura. Para os banhistas, a grande maioria dos cariocas, uma péssima notícia. Para os surfistas, minoria, ouro sobre azul. Talvez a maioria não se aperceba, mas o Brasil vive monumental ressaca institucional, que pode ser do gosto de uma minoria de ungidos pelos privilégios, mas que afeta em cheio a população do país. Uma calamidade nacional! Ela prospera sob os narizes dos brasileiros, sem que eles se apercebam. Ou não querem perceber. Urge que seja debelada o quanto antes, pois compromete nosso presente e o futuro dos nossos… Trata-se do colapso da Democracia brasileira, que vem ocorrendo desde o pré-impeachment…

NO CONGRESSO, COM a impensável e imoral “pauta bomba” do ex-deputado Eduardo Cunha, que, na liderança de uma Câmara mercenária, cumpriu o papel de inviabilizar e fragilizar um governo no início de seu segundo mandato. No Judiciário, em conjunto com o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, na condução de uma operação que parece ter lado. O que nos preocupa é a análise que se faz, repetidamente, de uma Justiça sem venda nos olhos, de um martelo da Lei com cor partidária, que escolhe a quem condena e a quem sequer investiga ou julga, em que o dolo é mero detalhe. O terceiro vértice desse “Triângulo das Bermudas” em que submerge nossa Democracia é a mídia corporativa, formada por algumas empresas familiares, no domínio da opinião pública segundo seus caprichos pessoais e os interesses do mercado. Uma abdução sistemática, empenho notável e continuado para manter sob seu controle as mentes da nação, impingindo verdades embaladas em versões fantasiosas, contaminando o pensamento, promovendo a desarmonia nacional, criminalizando a vida republicana de modo perverso e inconsequente…

SABEMOS O CUSTO de uma ruptura constitucional, como a ocorrida por ocasião deste último golpe de Estado, que defenestrou uma legítima representante do povo por atos de gestão apenas questionáveis, mas não criminosos, que os governantes anteriores também praticaram. Bastou afastá-la para sacralizarem as antes demoníacas “pedaladas”, tornando-as legais. Não se preocuparam sequer em disfarçar. O objetivo principal ainda estava por ser alcançado: inviabilizar o retorno do ex-presidente Lula ao Palácio do Planalto, o que seriam favas contadas dada a admiração que lhe demonstra a vasta maioria do povo, e estão aí as pesquisas para confirmar…

ESSE AMOR de que Lula desfruta não advém de notícias manipuladas ou de propaganda elogiosa massiva pelos grandes grupos de comunicação. Este domínio da opinião pública quem o tem é quem não está ao lado das causas sociais, da soberania, da grande causa do povo. Assim, chegamos ao clímax, ao ápice do desespero, quando, a três dias do prazo final de inscrição das chapas, Lula da Silva se mantém “prisioneiro político”, segundo a grande mídia internacional, as instituições de direitos humanos mais respeitadas do planeta, e centenas de juristas ilustres de todo o mundo, preocupados com a atuação de nosso Judiciário nessa questão…
Movimentos, abaixo assinados, manifestos, flash mobs e eventos vários se multiplicam às dezenas, centenas, aos milhares, pedindo pela legalidade democrática em nosso país. Porém, como se sob o efeito de algum gás paralisante, nossos poderes permanecem impassíveis, surdos ao povo a que deveriam servir, às leis que juraram obedecer, aos princípios éticos básicos profissionais…

QUE PODER será este que faz congelarem diante dos fatos aqueles homens e mulheres, tantos deles antes alvo de nossa confiança e de nossas admirações, e que agora se comportam como vassalos? Que poder maior? O dito “Império”? O mercado? O preconceito de classe? Ou todos eles juntos?… Aos desesperados, só restam
medidas extremas. Em Brasília, desde o último dia 31/7, sete militantes da Via Campesina, do Levante Popular da Juventude e da Central dos Movimentos Populares estão em greve de fome, cobrando justiça ao Supremo Tribunal Federal. Já hoiuve hospitalizações, mas os militantes da fome se recusam a interromper o jejum, enquanto não alcançarem seu objetivo. São os “bonzos brasileiros” do Terceiro Milênio, a exemplo daqueles de Saigon nos anos 60, submetendo-se a uma morte talvez mais sofrida, porque mais lenta do que pelo fogo, em que a obstinação confirma seu heroísmo, o martírio e o compromisso com nosso Brasil. Entre eles, um frei recorre à própria fome, “para não ter mais que enterrar crianças que morreram de fome”. O sacerdote franciscano fala de sua experiência nos anos anteriores à Bolsa Família, quando morrer por falta de comida era corriqueiro no Nordeste. Esse tempo ruim, que havia passado, agora retorna à região, como um vaticínio…

MAS VOCÊS veem as televisões falarem sobre isso? A mídia se manifesta? Temos sete bonzos brasileiros em uma autoimolação pela fome, em Brasília, e o noticiário os ignora. O noticiário brasileiro, pois o do resto do mundo se manifesta escandalizado. Quem acompanha a mídia estrangeira sabe do que falo. Desde ontem, às 6h30 da manhã, mais de cinco mil trabalhadores rurais de vários movimentos organizados, dos quais o mais conhecido é o MST, saíram em marcha de três pontos diferentes rumo a Brasília, onde chegarão no dia 15, para exigir do Tribunal Superior Eleitoral a inscrição da chapa de Lula, permitindo ao povo votar em quem acredita. A Marcha Nacional Lula Livre só merece da mídia hegemônica o silêncio, o que também é um escândalo. Esta parte da cidadania do Brasil não existe para ela, é invisível, não há interesse em mostrar. São três colunas, cada uma com mais de 1.500 defensores dessa causa, que percorrerão de 50 a 90 km, a partir de Formosa, Luziânia e Engenho das Lages.
“Estamos passando por um momento crítico em que há uma prisão arbitrária do presidente Lula, há mais de 120 dias. Estamos imersos em uma crise política e nos aproximando das eleições presidenciais e a Marcha é um momento para dialogar com a população brasileira sobre o que está acontecendo no nosso país”. Quem fala não é um analista político, é um camponês Sem Terra do Paraná, Ceres Hadich…

O QUE EU quero dizer, meus amigos, é que a tendência, ao longo desse percurso de cidade em cidade, é de a peregrinação engrossar. É de que essas pessoas de pés e mãos calejados, ao passarem com suas bandeiras tremulando, os rostos marcados pela luta cotidiana, impressionem a muitos mais, movidos pela fé de que a união de muitas vozes poderá romper a blindagem dos ouvidos de Brasília. À medida em que cresce essa onda indignada, crescem as desavenças sociais, aumenta o rancor da cidadania anônima, aquela que tem a apoiá-la apenas a força de sua convicção… E isso não é bom para a sociedade como um todo. Os potes de mágoa transbordam. A paciência não é eterna. Um ronco surdo e crescente de insatisfação começa a incomodar os ouvidos de quem escuta…

O povo quer saber dos ministros do STE: vale tudo?

POBRE DO PAÍS cujos candidatos, na grande maioria, parecem ser despreparados para o compromisso que pretendem abraçar, neste momento de extrema crise que o país atravessa… PORÉM, OS QUE os apresentam nas entrevistas à população são muito piores… A LEI ELEITORAL não permite a antecipação de campanhas políticas, mas as entrevistas que estão sendo feitas não são nada mais do que campanhas individuais, realizadas pelos segmentos da comunicação com o aparente foco de prejudicar possíveis candidatos, que ainda podem ser candidatos. Tais entrevistadores têm o ostensivo costume de rotular como criminosos e de antecipar julgamentos, induzir decisões judiciais, incitar a povo contra candidatos, que podem inclusive estar sofrendo injustiças, por não terem ainda sido concluídos todos os trânsitos legais de seus processos… FICA ATÉ desrespeitoso com o Judiciário. Pois aparentemente tais jornalistas querem interferir em seu próximo julgamento, dando a impressão de que entendem mais de leis do que os juízes togados…  É TRISTE TESTEMUNHAR. Faz pensar que os inquiridores estejam ali preocupados, não com a causa da democracia, mas com a manutenção do privilégio de serem empregados por aqueles que sempre ganharam com as ditaduras… CAUSA AINDA ESPÉCIE que as duas plataformas da comunicação, que, no momento,  se apresentam para dar voz – a seu jeito – aos candidatos,  sejam claramente as duas mais comprometidas com a oposição aos candidatos ausentes, que ainda podem ter a Justiça a seu favor… PIOR, NESSA “antecipação de campanha”, conferem a “seus candidatos” tempos bem superiores ao tempo com que a Justiça do país os contempla oficialmente no Horário Eleitoral determinado… O POVO QUER saber dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral: isso pode? É assim mesmo? Vale tudo?… (Jornal do Brasil)

A fonte da eterna juventude de Lourdes Catão

OS QUE CHEGAVAM para celebrar o aniversário do amigo Márcio Roiter, o Monsieur Art-déco, eram logo convidados a conhecer o jardim do Edifício Biarritz, paisagismo realizado pela anfitriã do jantar, Lourdes Catão, com a máscara do Deus Baco num muro de ladrilhos e uma fonte luminosa central, que irradia vibrações de beleza para todos que a contemplam… O QUE HAVERÁ naquela água da fonte do Biarritz, que a faz tão energética?… NO VIÇO DOURADO de seus 92 anos, os cabelos louros caindo como seda sobre os ombros, a luz de Lourdes Catão ofusca a dos refletores da fonte. Que mistério será esse?… DIZ A LENDA que quem bebe da Fonte da Juventude fica sempre jovem e alcança a imortalidade… NA MITOLOGIA GREGA, a fonte da juventude brota no Monte Olimpo e atravessava, como rio, a Terra. Alexandre o Grande andou procurando esse rio da juventude, depois de ter lido um conto hebraico… NA IDADE MÉDIA, o espanhol Ponce de Leon procurou, procurou, e disse que encontrou a fonte da juventude e da imortalidade lá na Flórida. Mas não deve ter bebido a água, pois morreu logo em seguida… TALVEZ POR ESSA fama o estado da Flórida seja o paraíso dos idosos americanos. Que se saiba, nenhum deles alcançou a imortalidade. Nem tenho lembrança de qualquer senhora de 92 anos da Flórida com o pique e a beleza de Lourdes Catão… MEUS AMORES, quem descobriu a fonte mágica rejuvenescedora foi Lourdes Catão, e ela jorra logo ali, na Praia do Flamengo, na joia da arquitetura Art Déco, o Edifício Biarritz!… AFINAL, ANTES de Lourdes, viveram lá Lúcia e Harry Stone, e que pique tinha aquele casal, meu deus, sempre frequentando e recebendo, recebendo e frequentando!… EU, SE fosse o condomínio, engarrafava a Água Biarritz da Eterna Juventude, e vendia a peso de ouro. Com uma foto da Lourdes no invólucro…  NO JANTAR do Roiter, o que jorrou não foi água milagrosa, foi o bom Champagne, regando o foie gras e o menu by Rose, todo preparado em casa. Quanto requinte!… NA SOBREMESA, o bolo de coco, os docinhos de aniversário feito pela nora, Salete, que vive com Lourdes… O BOLO DE aniversário trazia no topo da glace o símbolo do Instituto Art Déco, dois tucanos, no tom “verde Edifício Itaoca”, e toda a cobertura “cor de laranja Vicente do Rego Monteiro”, conforme pedidos do especialista no estilo e presidente do instituto, o aniversariante Roiter, à doceira Regina Rodrigues…

Lourdes e Marcio Roiter, enorme afinidade no gosto e até nas coincidências. A mãe de Márcio, que era artista, também se chamava Lourdes, e nasceu exatamente na mesma data de sua xará.

Mary e Charles Antell, Márcio e Verinha Bocayuva, sua best young friend

Lourdes com Salete, primeira mulher de seu filho saudoso, Antonio, que agora vive com ela no Biarritz, e lhe faz afetuosa companhia. Família, queridos.

Vera Bocayuva, Charles Antell e Mary Zaide, Jota Mape, Paulo Knauss, diretor do Museu Histórico Nacional, Marcio entre Lourdes e esta colunista, atrás, Andréa Pittigliani e Isaac Berensztejn, Nubia Melhem e Francis Bogossian.

O bolo de Regina Rodrigues com a logo do Instituto Art-Déco no topo

Nubia Melhem, pesquisadora das memórias de Lourdes

Amigas

Vanity Fair style

Leia a coluna completa no JORNAL DO BRASIL m.jb.com.br

Fotos Sebastião Marinho

Mario Priolli, longe do Rio, distante dos amigos, no exílio forçado de Cabo Frio

Mario Priolli, num dos seus momentos de grande felicidade, ao lado de uma das divas que lotavam o canecão em longas e apoteóticas temporadas, Maria Bethânia, e de sua Maria de Fátima, com quem foi viveu um casamento em que todo dia era uma festa

NÓS VOLTÁVAMOS de Cabo Frio, onde fomos visitar nosso amigo Mario Priolli. Éramos Gisella Amaral, Renato Garavaglia e eu… FOMOS, DESAFIANDO a vontade de Mario, que não queria, de forma alguma, ser visitado Assim como não queria que soubessem onde ele estava… HAVIA CORTADO todos os seus laços com o Rio de
Janeiro, e ele, o pródigo, o generoso, o sempre mão aberta, o dos largos gestos, o provedor, não queria que o vissem, nem mesmo os amigos da estima verdadeira,
numa situação difícil… BATEMOS PALMAS no portão da casa onde ele se hospedava, e deixamos recado que o esperávamos no hotel em frente. E lá veio algum tempo
depois o mesmo Mário, banho tomado, cabelos penteados pra trás, perfumado, camisa bem passada, acompanhado do primo, Arthur Priolli… SENTARAM-SE CONOSCO, almoçamos, conversamos, rimos, lembramos histórias. Isso lhe fez bem. E voltamos com a promessa de que, na primeira oportunidade, ele aceitaria um convite para vir ao Rio rever os amigos todos… O QUE ACABOU acontecendo em setembro do ano passado, no jantar do aniversário de sua comadre, madrinha do filho, Rafael… BEM, OS COMPADRES de Mario somos Francis e eu, daí que, nesse jantar, pedi ao Mario que me contasse, francamente, a razão do fim do Canecão… ELE ME DISSE: “Havia um projeto de interesse do então reitor da UFRJ, com o Governo do Estado e o empresário Eike Batista, de construir um grande empreendimento naquele local. Eles
vieram conversar comigo. Disseram que o Canecão poderia continuar, mas seria no subsolo. Eu concordei, mas disse que era importante que o Canecão tivesse direito a manter o espaço do letreiro da fachada, pois era o letreiro que vendia todos os espetáculos. Eles recusaram. Eu não abri mão. Aí, o reitor iniciou aquele processo para despejar o Canecão. Quando vi que ele estava irredutível, tentei várias vezes fazer um acordo, mas ele não quis conversa. Eles queriam despejar o Canecão para construir o empreendimento deles”… O REITOR morreu antes de conseguir realizar seu projeto. E
o Canecão morreu em pé, desmanchando aos poucos, destelhando, caindo aos pedaços, tornando-se um ninho de ratazanas… E ASSIM se foram 40 anos de História da Música Popular Brasileira… E ASSIM se extinguiu, por força dos podres poderes, a memória da cultura nacional. E assim o Rio de Janeiro perdeu um dos pontos fortes de
seu roteiro cultural, artístico e turístico… NENHUMA DAS casas de espetáculo que surgiram depois do Canecão conseguiu preencher seu espaço. O público concorda com isso. A imprensa endossa. Os artistas assinam embaixo… MARIO PRIOLI tinha uma memória excepcional. Estar com ele era sempre um deleite, porque ele revelava os bastidores da vida artística, peculiaridades e causos únicos, envolvendo os grandes personagens do show business… ERA UMA pessoa sedutora e era difícil não gostar dele… TINHA AMIGOS no mundo artístico, no meio empresarial, nos redutos sociais mais fechados, ninguém resistia ao charme do Mario… FICOU LONGO tempo solteiro e não estava feliz. Os amigos resolveram que ele precisava se casar. Mas para o Mario teria que ser uma mulher realmente especial. Lembramos de Maria de Fátima Monteiro. A Maria de Fátima “capa da Manchete”. A mulher mais bonita do Brasil. E além de tudo inteligente, espirituosa, bom caráter e de origem italiana, como ele… FÁTIMA TINHA terminado um romance recentemente. Então combinamos, Ruth de Almeida Prado, Ibrahim Sued e eu: o Ibrahim daria uma festa em minha homenagem no Special. Eu faria os convites, Maria de Fátima e Mario Priolli, meus amigos, não recusariam. Nem ele nem ela poderiam saber. Assim foi feito… APRESENTADOS NA festa, não mais se separaram, eram almas gêmeas. Tiveram um filho muito esperado e
querido, o Marinho… MARIO E FÁTIMA viviam uma vida às avessas. Dormiam de dia e, à noite, estavam despertos, recebendo em sua mesa longa do Canecão as
personalidades mais importantes, poderosas e conhecidas do Brasil e do mundo, e depois esticavam no Concorde, no Special, no Régine’s, no Hippo… O CANECÃO estava no seu auge. Elis Regina, Maysa Matarazzo, Tom Jobim, Vinicius, Chico Buarque, o MPB-4, Quarteto em Cy, Rita Lee, Mutantes, os baianos todos, todos os mais importantes estrangeiros e longas temporadas de Roberto Carlos… MAS, COMO todo conto de fadas, este teve um fim… FOI SOFRIDO para todos, o Mario, a Fátima, Marinho e todos os amigos, que conviviam com eles, que os acompanhavam nas
madrugadas, que jantavam com eles no Concorde e rolavam de rir com as sacadas de Fátima – que mulhe inteligente!… BEM QUE se tentou impedir essa separação, mas estava escrito nas estrelas e na determinação de Fátima. Caprichos de mulher linda. Uma pena… MARIO REFEZ sua vida, e sua grande alegria foi o nascimento de Rafael, que o acompanhava em Cabo Frio, quando ele morreu… MARIO MORREU pobre no bolso, mas com um patrimônio espetacular, uma área imensa em São Paulo, praia paradisíaca e uma encosta em área preservada, onde havia um projeto imobiliário de
condomínio fechado, que chegou a nos mostrar… LONGE DOS AMIGOS e da grande vida que ele soube tão bem orquestrar para ele e todos os que o cercavam… FOI GENEROSO com todos, mas o fim de vida não foi nada generoso com ele. Muitomenos, ele recebeu o reconhecimento e o apoio que merecia e deveria ter tido do meio artístico e da mídia cultural, na defesa do Canecão, contra a truculência e a arbitrariedade de seu fechamento… VÁRIAS VERSÕES foram divulgadas, nem
sempre correspondendo à realidade. Fake News que serviam ao interesse dos grandes investidores. Perguntem ao Ricardo Cravo Albin, seu sempre grande defensor, e por isso ele era grato… PRIOLLI NUNCA cobrou nem se queixou de ninguém. Ao contrário, silenciou, se afastou. Porém, os fatos que envolvem seu afastamento do Rio de Janeiro, seu “exílio” em Cabo Frio, são tristes, vergonhosos até… PORÉM, E definitivamente, ele não merecia tanta insensibilidade de tantos. Os mesmos que ele recebia em sua casa de espetáculos com a categoria do grande cavalheiro que sempre foi… VÁ EM PAZ, meu compadre. Agora, você está de novo liberado para tomar seu uisquinho, numa mesa do Canecão do Céu, com Vinícius, Tom, Miele, Bôscoli, Aluízio de Oliveira, Maysa e todos os seus amigos, que partiram na frente, abrindo caminho para o grande empresário do entretenimento, um homem que sabia viver à larga, e
nessa largueza incluía todos os que o cercavam… MARIO FOI um vitorioso, empresário extremamente bem sucedido, empurrado no fim da vida para um tempo de
fracasso, pela confiança que depositou em quem não devia… E QUE REZEMOS todas o terço para Nossa Senhora nos proteger das más companhias. Amém!…

 

A execução de Marielle não foi só crime de gênero ou crime racial, as nove balas atingiram a nossa Democracia

O momento é da maior gravidade. Abrem-se as cortinas da tragédia anunciada. Não podemos restringir a execução de Marielle a mais um crime de gênero ou mais um crime racial. Sua dimensão é ainda mais abrangente. Foi sobretudo um crime político, de cerceamento de opinião. Um tiro fatal na liberdade, nove balas UZZ-18 em nossa agonizante Democracia.

O tiro no Calabouço, em 1968, levou embora o secundarista Edson Luís, mas despertou a massa humana, que desde 1964 se mantinha passiva observadora dos fatos. Nessa era da internet, tudo acontece em maior velocidade. Do golpe de 2016 ao despertar das multidões entorpecidas e da consciência nacional, neste 15 de março de 2018.

As panelas emudecidas e as camisetas da Seleção não quiseram compactuar com o sangue dessa cilada grotesca. Entenderam o quanto foram e têm sido manipuladas em nome de interesses que não são os do povo. As balas que mataram Marielle foram vendidas para a PF de Brasília. Houve uma conspiração muito bem planejada, envolvendo dois carros, um deles clonados.

Executaram Marielle para calar sua militância. Assim como executaram minha mãe, Zuzu Angel, para emudecer suas denúncias e a exposição enlutada de sua dor, com a perda do filho torturado e morto pela ditadura. Da mesma forma como se deu com Marielle, minha mãe foi seguida em seu trajeto, pelo veículo de seus executores, até o local pretendido para a eliminação. Tudo de acordo com os manuais técnicos da maldade. Duas décadas depois, as investigações dos Conselhos de Desaparecidos e Comissões da Verdade jogaram luz sobre o que se tentou fazer passar por “acidente”, e esclareceram que houve uma emboscada para exterminar Zuzu. Bem como, inicialmente, quiseram fazer a execução de Marielle passar por mais um assalto entre tantos na cidade. Não colou.

O efeito dessa campanha desmoralizadora logo se fez sentir. Hoje, em minha hidroginástica frequentada por pacatas senhoras do bairro, uma delas, enfurecida, bradava contra os “direitos humanos” que Marielle defendia. Na campanha em circulação, eles maliciosamente a comparam a uma médica não militante, que morreu num assalto e não teve as mesmas glórias na morte. Propaganda cheia de obviedades, para atingir mentes desprevenidas.

E de repente me vi, não mais na piscina azul da academia, porém numa piscina de sangue. O sangue que o pensamento fascista já verteu no Brasil e poderá fazer ainda jorrar muito mais. O sangue de minha mãe, em 1976. O sangue de Stuart, de Sônia, de Maria Helena, de Vlado, de Rubens Paiva e muitas centenas, nos Anos de Chumbo. O sangue de Marielle neste 2018. O sangue de Anderson Gomes, a vítima errada na hora inadequada. O sangue de muitos outros que precisarão ser emudecidos.

A Democracia está sangrando por Marielle, por Anderson, por nossos filhos, por todos aqueles que não se calam.

Minha coluna do Jornal do Brasil desta terça-feira, dia 27 de fevereiro de 2018

***

Enquanto a Cultura do RJ tropeça, a Secretaria de Cultura de Caxias encomendou reformas dos teatros Raul Cortez e Armando de Mello e a reativação do Teatro Procópio Ferreira. Viva Caxias!

***

Arquiteto José Dias concluiu e entregou ao reitor da UFRJ o projeto do Centro Cultural Minerva, no local do Canecão. Tem teatro, galeria de arte, cinema, restaurante café com vistão e painel restaurado de Ziraldo para visitação pública.

Maitê, A Mulher de Bath e mulher do Amir Haddad, juntos formam grande parceria (Foto Divulgação) 

Maitê Proença Repete Tônia Carrero E Dá Grande Salto Reinventando-se Como Atriz de Alto Teatro

Como se fosse uma predestinação, Maitê Proença, a mais bela de sua geração de atrizes, repete a história de Tônia Carrero, a mais bela em seu tempo de juventude, e também de meia idade, na cena brasileira.

Despedida da Rede Globo (o que faz questão de enfatizar, a cada ocasião que tem), Maitê decidiu se reinventar como atriz, começar do zero, entregando-se a um diretor que lhe arrancasse a alma e os sentimentos, descaracterizando-a da cosmética, que costuma encobrir e até mascarar a anima do intérprete, após tantas décadas de gravações de novela.

Tônia fez o mesmo. Após 20 anos de comédias ligeiras e vaudevilles glamourosos, que criaram a falsa ideia de que seria apenas uma atriz bonita, ela se entregou nas mãos do diretor Fauzi Arap e interpretou a prostituta Neusa Sueli, na peça de Plínio Marcos, “Navalha na carne”. Isso a entronizou no primeiro time de nossas grandes intérpretes. Tônia foi carne viva, esparramando no palco drama, sofrimento e sinceridade, decadência ao mais baixo extrato das possibilidades, esquecendo-se de sua beleza. As plateias iam ao delírio, ao vê-la assim descomposta e tão belamente atriz. O espetáculo era de tal forma intenso que acabou proibido pela censura e só foi liberado 13 anos depois.

De São Paulo me chegam os ecos do desempenho de Maitê. Ouço que, liberta da televisão, ela deu um salto na carreira, vivendo “A mulher de Bath”, um dos “Contos da Cantuária”, de Geoffrey Chaucer, autor cem anos precursor de Shakespeare.

Trata-se de um monólogo, que ela levou um ano para conseguir encarar, tamanhas as minúcias e peculiaridades do tema, abordando as fragilidades e fortalezas da mulher. Amir Haddad fez um trabalho paciente, carinhoso e firme com a atriz, que agora nada de braçada no texto, com andamento de cordel, lotando o Teatro do Sesc Bom Retiro, como um dos highlights desta temporada.

BORBULHANTES

SoHo Comprido. O Rio de Janeiro vai ganhar o seu SoHo. Uma região destinada às artes, consistindo em além dos dois teatros já existentes (um, para 350 pessoas, o Teatro Cesgranrio; o outro, para 100, no antigo Le Buffet, o Teatro Beth Serpa), um terceiro para 800 pessoas, em vários níveis, totalmente equipado para grandes espetáculos, o maior do Rio de Janeiro… Um quarto teatro, dentro do Le Buffet, além de estúdio de TV, estúdio de edição de filmes… Tudo isso ocupando três prédios a serem construídos em tempo recorde, projetos já aprovados, integrando o grande complexo cultural que terá como sede o Centro Cultural Cesgranrio, em vistoso palacete histórico do século XIX… Isso é só a ponta do iceberg. Ou melhor, do vulcão cultural que se prepara para fazer fumegar com cultura, arte e entretenimento toda a região histórica do Rio Comprido, cenário dos romances de Machado de Assis… Concepção do empreendedor cultural e do ensino, professor Carlos Alberto Serpa, que não chamo de visionário, pois seus sonhos não ficam na imaginação nem no papel. Ele os concretiza todos. Para a glória e a graça de São Sebastião do Rio de Janeiro… Nossa grande dame do ballet, Dalal Achcar, voltou de Portugal, onde ganhou, ao lado da irmã Aniela Jordan, festa-homenagem do praticamente irmão André Jordan (o pai dele, o empresário Spitzman Jordan, era casado com a mãe dela, Josefina Jordan, com quem tiveram Aniela)… André é um dos grandes empreendedores do setor de resorts de Portugal, quiçá da Europa inteira, e agora faz seu empreendimento “Belas” bombar com brasileiros que migram para Lisboa. Uma família de sucesso… Dalal voltou com fôlego, e faz jantar para o conde Ernesto Azzalim, no Satyricon… Perfeita para nós, brasileiras gulosas, a última coleção de alta costura para festas lançada pela marca Schiaparelli (fotos). Ela traz bolsões enormes na frente de todos os vestidos e casacos, permitindo que, assim, acumulem muitos docinhos dos casamentos, de maneira prática, confortável e discretíssima he he he he…Ciro Gomes defende mudanças na legislação da radiodifusão, mas disse que a regulação é o controle remoto. Não é pela intervenção militar no Rio, mas a ela também não se opõe… Ciro é estranho. Falava grosso, voz de tenor profundo, logo que se apresentou candidato. Entusiasmou muita gente… Mas, na medida que a eleição se aproxima, seu timbre vai modulando pra barítono, até sondando Marina Silva pra sua vice… Receio que breve suavize pra contralto, no ponto para os ouvidos aveludados do mercado, da mídia amiga e dos manifestoches…

Carta ao Futuro Em Tempos de Horror

Este é o título do prefácio de Maria Inês Nassif, no segundo volume da Enciclopédia do Golpe, organizado por ela, juntamente com Miguel do Rosário, Giovanni Alves, Wilson Ramos Filho.

Maria Inês acredita que serão necessários muitos anos para que os brasileiros se deem conta da complexidade do golpe de Estado “iniciado em agosto de 2016, quando a presidenta eleita foi levada à lona pelo Senado num processo de Impeachment autorizado ela Câmara no 17 de abril anterior”.

A jornalista, por várias vezes, prismas e às minúcias, aponta os efeitos danosos do golpe e a ação coordenada da propaganda que disseminou este “horror”.

Ela sobretudo focaliza e responsabiliza a ação da mídia na desestabilização do regime democrático e no acirramento do reacionarismo entre os jornalistas.

Concluindo: “Nunca a prática do mau jornalismo foi tão comum no país”.

ERRATA

Vocês sabem, coluna de estréia, jornal novo, equipe ainda sendo apresentada uns aos outros, todo mundo nervoso, e – pimba! – alguma coisa tinha que dar ruim. Foi sobrar pra quem? Pro Lulu da Pomerania, ora essa! Era a foto dele que tinha que sair ontem. Então fechem os olhinhos e pensem nas Borbulhantes de ontem, pois é. Este é o Lulu chamado Gucci, que a namorada do filho da Beth Winstom está disputando com ela na Justiça. Fechem os olhinhos de novo e lembrem da foto de ontem. Aquela é a Maria Inês Nassif, jornalista sobre a qual falo na nota aqui ao lado.
Perdão, queridos. Podem considerar erro meu.

Íntegra de minha coluna desta segunda-feira, 26/02/2018, no Jornal do Brasil

O embaixador José Viegas Filho, ex-ministro da Defesa de Lula, é exemplo vivo de que dentro do peito da ministra Carmen Lúcia também bate um coração.

***

Pra quem é rico e está de saco cheio desta vida, morrer no Rio será grande pedida a partir de março com o novo Crematório da Penitência no Caju. Leia aqui.

Plano B, de Bagner

Esta é a hora dos nomes fakes de candidatos em todas as direções. Bastou Lula ter um encontro com Guilherme Boulos, que já há quem diga que ele é seu plano B para candidato a presidente. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad nem esconde suas certezas de será ele, até articulando alianças. Haddad encontra rejeição entre os PT puro-sangue, que, à boca miúda, identificam nele sintomas latentes de SDE – Síndrome de Coxinhismo Enrustido.

O único nome que cintila no horizonte da estrela petista é o de Jacques Wagner, ou melhor, Bagner, com B, de plano B.

Enfim um Rio de Paz

Músicos permanentemente no local, transmissão online, columbário, chuva de pétalas de rosa e transformação das cinzas do(a) finado(a) em diamante, são alguns dos atrativos do novo crematório high tech, que será inaugurado, em março, no Caju, investimento de R$ 100 milhões. Quem quiser morrer em grande estilo, melhor esperar até lá (humor negro).

Trata-se do Crematório e (também) Cemitério da Penitência, no Caju, que, além de jazigos tradicionais em terra firme, terá 22 mil outros (até especiais pra obesos) em prédio de oito andares, com capelas ecumênicas para 150 pessoas.

A ideia é tirar do carioca a impressão de que a última morada é um lugar cheio de moscas, calor infernal, tropeços em ossadas e mau cheiro.

Herança genética

Diante da crise fiscal, econômica, política, moral e cívica do município, o PMDB pensa em lançar o vereador Jairinho para líder do partido na Câmara Municipal.

Seu pai, o ex-deputado estadual coronel Jairo, foi apontado como miliciano na CPI das Milícias, e teve o nome envolvido em investigações sobre tortura de equipe de jornal na favela do Batan.

Espera-se que Jairinho tenha herdado os dotes da mãe.

Me tira dessa!

Intervenção militar no Rio parece que só agradou a Pezão. Todos reclamam. Amanhã, os líderes de partidos da Alerj se reúnem para debater o impacto da presença militar no Rio e discutir meios de deixar a Alerj fora da esteira de poderes concedidos aos militares. Mesmo a base do Governo Pezão se preocupa com a despolitização que os militares podem causar. Ninguém quer ter o poder diminuído e, com isso, os votos decrescidos, em ano de eleição, ora, bolas!…

A NOVA FAMÍLIA BRASILEIRA

A Nova Família Brasileira aqui representada pelo bebê Rafael Soares Sampaio Araújo, Thaís Araujo e Maria Soares Sampaio Geyer (Foto Álbum de Família)

A Nova Família Brasileira é mais feliz. Ela se assume e, por se assumir, não patrulha o próximo. E quando olha ao redor esparrama compreensão. Seus valores se refinam, na busca da própria essência. A coragem de desafiar preconceitos e antigos padrões faz dela, mesmo que assim não deseje, referência. Assim ela é, ainda nesta segunda década do Terceiro Milênio, mas, nas próximas, será motivo de incredulidade contar que em nossos dias era grande audácia haver duas mulheres determinadas como Thaís Araújo e Maria Soares Sampaio Geyer, aqui vistas com seu bebê de três meses, Rafael Soares Sampaio Araújo.

Acompanhei essa amizade, o amor, o casamento e a decisão de terem um fruto da união bem sucedida. Modernas, recorreram aos serviços do médico obstetra dr. Carlos Dale, especialista em fertilização. Lá, tiveram acesso aos catálogos de doadores de um laboratório americano. Levaram os catálogos para casa com todo o tempo do mundo para escolher, folheando páginas e páginas de fotos de doadores, desde seu nascimento até a idade atual. O pai biológico de Rafael tem 18 anos e olhos azuis. Talvez tenha feito Maria se lembrar dos olhos azuis de seu pai, Paulo Geyer, fundador do Grupo Unipar. Mas a cor dos olhos não importa, quando se sabe que, na formação de uma criança, prevalecem a dedicação, o carinho e os valores transmitidos a ela.

Thaís é nutróloga, sabe tudo sobre alimentação de seu bebê. Maria descende do que poderia ser uma aristocracia brasileira, desde os Proença, que bateram com os costados no Rio de Janeiro por volta dos 1500. Tem também os Machado Coelho, os Halfeld… Retratos de família para pendurar na sala e contar histórias bonitas ao menino Rafael não faltarão.

O que mais me toca, porém, é o lado piedoso dos Soares Sampaio, da mãe de Maria, Maria Cecília. Por muitas gerações eles mantêm vínculos com a Venerável Ordem Terceira de São Francisco de Paula dos Mínimos, e por isso estão todos sepultados no modesto Cemitério do Catumbi. Este é o São Francisco que o Papa homenageia com seu nome, de tal forma exemplar foi Francisco de Paula dos Mínimos.

BORBULHANTES

Apesar de Brasília ser o epicentro, há crise por toda a parte. Na Barra da Tijuca, por exemplo, a generosa Beth Winstom está sendo processada na Vara de Família pela cidadã Kelly Corrêa, que, a título de indenização por suposta união estável, exige a casa de Búzios, o carro Audi, o Lulu da Pomerania (são três pets), e uma pensão de 10 mil reais… Só que a cara metade (aliás, caríssima), não é a Beth, é o filho dela, Kid, ainda estudante, que mora com a mãe, e em cujo quarto Kelly se instalou há seis anos e meio. Louco amor… Beth, obediente à decisão provisória da Justiça, vinha regularmente pagando 5 mil por mês à ex-norinha, que amava como filha. Tanto que, tendo chegado ao lar dos Winstom com pequena maleta plástica, ao partir levava 16 valises grifadas e de grande porte, contendo um guarda-roupa espetacular, que fez a festa das vendedoras do Village Mall: Gucci, Dolce&Gabbana, Valentino, Fendi, algumas das notáveis marcas que as recheavam… Sem esquecer os 32 pares de sapato que trouxe da última viagem a Los Angeles… Kelly é linda, doce, e sua paixão por Kid foi instantânea… Tendo conhecido Beth numa festa e a reencontrado em outro evento, elas trocaram telefones… Ato contínuo Kelly ligou para Beth querendo passar um fim de semana em sua casa (hollywoodiana)… Foi. Lá, perguntou: “Seu filho está? Queria conhecer”. Beth: “Está, mas não sai do quarto para confraternizar com visitas”. Ela: “Vou lá”. Toc, toc, toc. Bateu na porta. Kid abriu. Kelly entrou...Love at first sight E assim se passaram seis anos e meio até chegar à 10ª Vara de Família da Barra da Tijuca, onde semana passada Beth Winstom teve sua vitória em Primeira Instância… A juíza Eunice Bittencourt Haddad negou a pretensão de Kelly Nataly Corrêa de obter pensão mensal da “sogra”… O que mais aflige Beth não são as coisas materiais. É perder o Lulu da Pomerânia, Gucci (os outros dois cãezinhos são Hermès e Louis Vuitton), pet que dorme com ela, cabe na mão, e faz de sua cabeça ninho… É uma questão de afeto, não de dinheiro. Apesar de ter pago por Gucci quase 20 mil reais…

QUE TIRO FOI ESSE, NÉLIDA PIÑON?

Flagrante exemplar da Nova Pet-Família Brasileira, que (estatísticas) cada vez mais ama e cuida de seu pet: a grande escritora Nélida Piñon e a grande sedutora Suzy Piñon, em momento de total entrega ao afeto mútuo

Nélida Piñon, mulher dada a encantamentos, tem hoje um especial. Ele tem nome e sobrenome: Suzy Piñon. A grade dama das letras brasileira, imortal das palavras, acadêmica de muitos tomos, agora se derrete feito manteiguinha aquecida diante de Suzy, que chegou assim assim, meio de coadjuvante da casa, apenas para namorar o rei do lar de Nélida, o Gravetinho.

Uma amiga, a Marina Pires, trouxe Suzy da mesma raça, lá do Morro do Tiro, em Teresópolis. Que tiro foi esse, meu Deus! Foi um tiro poderoso. Um fuzil AK47 de puro amor. Aos 7 de idade, os jogos de sedução de Miss Piñon, como alguns amigos de Nélida a chamam, são de deixar sua dona totalmente dominada. É, está tudo dominado lá naquele apartamento da Lagoa. Que tiro foi esse? – eu repito. Nélida reconhece: “Tão logo a vi, senti um “Assombro” amoroso”.

E vai discorrendo sobre as peculiaridades de sua menina: “Suzy é uma sobrevivente. Suas atitudes iniciais lutando por afeto e por direitos iguais aos de Gravetinho, senhor da casa, não só demonstram que é uma feminista nata, mas revelam seu difícil passado. Tem singularidades: um paladar exigente (adora foie gras e queijo Manchego), uma sensibilidade aguçada, um olhar perscrutador. É destemida, impetuosa e delicada ao mesmo tempo. Não suporta ficar sozinha. Na rua, desafia todo mundo, late para me proteger e impedir qualquer aproximação, comporta-se como uma gigante”.

Mas o encantamento mesmo se deu por “sua capacidade de se comunicar vivamente sem ter que dizer uma única palavra. Sua amorosidade. Suas lindas orelhas, enormes, mas que esteticamente se equiparam à perfeição do homem de Vitruvius”, diz a intelectual, que jamais imaginou, com toda aquela paixão que tinha por Gravetinho Piñon, com quem conviveu por 11 anos, e por quem até hoje chora a morte, reencontrar outra alma gêmea canina.

Quando lhe peço para lembrar mais alguma coisa sobre a “donzelinha”, ela diminui o volume da voz e me corrige: “Uma confissão familiar: Suzy não é uma donzela, foi namorada sim de Gravetinho. E segundo consta teve outros amores no Morro do Tiro. Pergunto-lhe como foram, ela só mexe as orelhas como se a memória lhe provocasse frêmitos.”

Foto de José Peres