Prefeito Eduardo Paes, seguem embrulhadas para presente: as Arenas Cariocas do Futuro

Prefeito-Eduardo-Paes-Ricardo-Ramos_LANIMA20110329_0040_26Prefeito Eduardo Paes (Foto Google – Ricardo Ramos – Lanima)

Sociólogos opinam, psicólogas, antropólogos, naturólogos, futurólogos. Eu também quero opinar sobre a crise das praias da Zona Sul carioca nos fins de semana de sol.

O prefeito Eduardo Paes, como bem lhe cabe e a ocasião pede, reagiu com apropriada energia, dizendo que vai abordar o problema como de segurança e não social.

É uma postura estratégica para o momento, que pede ações rápidas e eficazes, em nome da sobrevivência, não do lazer dos cariocas, mas da própria Cidade do Rio de Janeiro, seu conceito turístico nacional e internacional, suas possibilidades econômicas. O próximo final de semana será decisivo para a imagem do Rio e, caso as imagens do fim de semana anterior se repitam, desastroso.

Mas não podemos conceber como eterna a solução de um lazer restritivo ou com praias de segurança máxima, armadas até os dentes, carros patrulha com fuzis apontando janelas afora em direção aos passantes, PMs pra lá e pra cá, policiais civis em torres de observação fincadas a cada 10 metros, como se estivéssemos numa Guantánamo a céu aberto. Isso tira o rebolado e a graça de qualquer coisa mais linda que vem e que passa… seja de que gênero for.

Agora, vamos projetar a médio e a longo prazo…

A Prefeitura do Rio de Janeiro precisa urgentemente pensar um projeto social inclusivo para as praias cariocas, abrangendo a todos indiscriminadamente, que poderia consistir em:

  • A própria Prefeitura, nos finais de semana e feriados, providenciaria o transporte, em ônibus especiais, dos jovens das regiões sem praia para a Zona Sul e a Zona Oeste (Barra / Recreio).
  • Nas praias lhes seriam proporcionadas atividades de lazer com foco de interesse muito bem pesquisado e elaborado de acordo com o universo dos envolvidos.
  • A finalidade seria não só entretê-los, como trabalhar sua auto estima, através de ações culturais, lúdicas e esportivas, e abrir-lhes perspectivas para um futuro profissional.

Falo em criação, nas praias, das:

  • Arenas Cariocas do Futuro, com arquibancadas, realizando-se algo como “torneio da dança do passinho”, “jogos do rolêzinho” (com regras, nos limites da arena, óbvio), “copa de futebol de praia das comunidades”, “moda praia criativa”, “garota milgrau*”, “garoto milgrau”, “improvisações de jovens atores e atrizes” (orientadas por algum diretor famoso ou ator de TV)  e outras atividades lúdicas, artísticas, recreativas, que canalizariam a energia, a adrenalina dessa juventude sem orientação, premiando com bolsas em cursos técnicos, formação profissional e, até, viagens de estudo.
  • Para isso, poderia-se buscar apoio em grupos de comunicação, universidades e fundações (a Cesgranrio, por exemplo), que ofereçam também formação técnica, cursos vários, moda inclusive, aprendizado de idiomas, formação de guias turísticos para as praias e pontos turísticos do Rio com noções básicas de inglês, espanhol, italiano etc.
  • Em tempo: as Arenas Cariocas do Futuro não seriam discriminatórias. Estariam abertas para todos os jovens do Rio, mas a premiação poderia obedecer a critérios de prioridade a oriundos de comunidades carentes, não obrigatoriamente de outras regiões da cidade, pois temos muitas também na Zona Sul e na Zona Oeste (este item precisaria ser melhor pensado e elaborado por quem entende do assunto).
  • (Falei ao portal UOL a respeito, está no ar desde hoje, acessem aqui:  Contra arrastão, colunista muda de ideia e sugere passinho em praias do Rio )

Buscar promover a harmonia entre as classes e as diferentes comunidades do Rio.

Dar uma oportunidade àquela juventude, que só recebeu da sociedade, até agora, rejeição, preconceito, medo, repúdio. Procurar inseri-la numa perspectiva construtiva de futuro.

Não é só o jovem descalço e de bermudas das comunidades pobres, que protagoniza arrastões, que precisa mudar. A sociedade também precisa mudar seu modo de encará-lo como um vilão em formação, inimigo da sociedade.

E que os banhistas cedam, de bom grado, espaços em suas praias para as Arenas Cariocas do Futuro.

A sociedade precisa fazer um esforço coletivo, prestigiando o poder público em suas ações para dar a este jovem a chance de ser melhor. Aquela oportunidade que nós, os ‘benditos’, tivemos naturalmente.

Fazer do “limão” uma grande e saborosa limonada gelada, que sob o sol abrasador da maravilhosa – sim – Cidade do Rio de Janeiro cai bem, desce redondinha.

*Milgrau. Tá calor demais? Tá “milgrau”.

18 ideias sobre “Prefeito Eduardo Paes, seguem embrulhadas para presente: as Arenas Cariocas do Futuro

  1. Prefeito Eduardo Paes, mande pregar na testa dos desavisados, dos oportunistas, dos cretinos e dos hipócritas, que nunca ergueram um tijolo em beneficio do futebol brasileiro, que o nome oficial do Estádio do Botafogo é João Havelange, e não Nilton Santos. Embora, claro, o saudoso cidadão e eterno e verdadeiro craque mereça homenagens.

  2. Estou com o Fernando. O tal “piscinao” etc..Nao tem praia em Ramos ou nos suburbios? Ou voce acha que eles gastam duas horas para ir outras duas para voltar , porque querem curtir o “Arpoador”?

    It is not only by dint of lying to others, but also of lying to ourselves, that we cease to notice that we are lying. – Marcel Proust

    Hypocrisy can afford to be magnificent in its promises, for never intending to go beyond promise, it costs nothing. ~Edmund Burke

    E gracas a vida dada a estes vagabundos, esta pobraiada continua a reproduzir feito coelhos.

  3. O governo federal vai criar o Bolsa Arrastão. Será assim: o cara recebe um cartão do bolsa arrastão no valor de R$ 990 mensais e fica proibido de roubar, assaltar ou agredir banhistas nas praias do Rio e do restante do País. O PT é mesmo um gênio com o dinheiro público. Que o digam o mensalão e o interminável petrolão.

    • Jurandir, ja levanto esta minha bandeira ha anos.Enquanto nao existir uma politica de rigoroso controle de natalidade, esta caais emmada hiper pobre da sociedade continuara a produzir irresponsavelmente. Jamais lhes ensinaram a pescar – o que esta bem definido na biblia. Acostumaram-se com o peixe oferecido, “gratis”.Agora, esperam que o mar pegue fogo para comer peixe frito.O planeta nao tem mais sustentabilidade a curto prazo, para alimentar bilhoes de miseraveis que so sugam , sugam, sugam.Ha pouco tempo vi um filme brasileiro, onde mostra-se de onde esta “gurizada” provem. Familias desestruturadas, filhos fora do casamento, maes com varios parceiros……..Nao sejamos hipocritas.Abcs.

  4. Apoiadissima!
    Como sou sua fã em tudo que eu leio a seu respeito e principalmente sobre tudo que vc escreve, já ficou caracterizado mesmice de minha parte né?
    Voltando ao texto a que me refiro, o das praias, e o assunto prefeito do Rio de Janeiro, quero te parabenizar pois tenho certezas de que as suas opiniões sobre os assuntos sociais estão corretas .
    Obrigada por assim fazer. Vc é uma cidadã muito conciente e humana. Bjs,
    Conceição.

  5. Muito bem, Hildegard. Acho que o caminho é esse. Enquanto a sociedade brasileira persistir em excluir ferozmente, ela continuara sendo devorada pelos excluidos.

  6. EXCELENTE IDEIA.
    MAS PREFIRO Á MÁXIMA: NÃO ADIANTA PASSAR BATON NO PORCO.
    ELE SEMPRE SERÁ PORCO.

  7. Bolsa de estudo seria um ótimo premio também. Ou seja premios culturais. Bolsas de estudo (inclsive para o exterior, para outros estados, etc) para varios cursos. Distribuicao de livros, entradas de cine. As possibilidades sao infinitas. E esses joves que (temos de reconhecer) tem sido muito maltratados pela nossa sociedade merecem: Inclusive deles deve ser a prioridade das políticas de toda índole. É hora de fazer isso por eles. É hora de reconhecer que eles o merecem e que nós todos nós devemos apoiar algo assim. Obrigado de novo. Um abraco

  8. Hildegard, parabéns. Obviamente o caminho é esse: o do abraco entre todos nós. Oxalá o sua sugestao seja ou cemece a ser debatida e rápido. Talvez devamos aportar alguns ingredientes mais a sua grande sacada. Desculpa o meu atrevimento, mas sugiro uma maior (muito maior) participacao da empresa privada. É hora que a nossa empresa privada faca algo, pois ela tem todas as possibilidades de fazê-lo, desde a criacao de estímulos e prêmios (que inclusive pode ser contratacao de particiantes) até na participacao efetiva de programas, cursos, divulgacao, panejamento, otimizacao dos gastos (e aportes), etc, etc, etc. Obrigado e oxalá o carioca (e o brasileiro em geral) volte a se abracar e cada vez mais.

  9. Que fim deram ao piscinão, que inicialmente parece que atendeu aos desejos de consumo de praia pela população mais sofrida…

  10. A sugestão é boa pena que não irá atingir o objetivo almejado, as pessoas que utilizariam a “Arenas Cariocas do Futuro” seriam aquelas que não têm condições financeiras para buscar tais cursos, jogos, etc. Agora, os bandidos continuariam a ser bandidos, não da pra acreditar que estes, sejam de que idade for, iriam desistir do que tinha planejado (fazer arrastões, roubar, furtar) para ir jogar bola na praia. Vejo a Historia passar por meus olhos e não consigo afastar a ideia de que tudo piorou muito com o evento do ECA, (Estatuto da Criança e Adolescente – nome sugestivo por sinal ), as “crianças” hoje já não são tão ingênuas quanto a 30 anos atrás, a facilidade de informação na internet e na TV ensina a estes jovens que já tem uma tendência a ir para o lado do crime que eles estão assegurados, a Lei está do lado deles, sendo assim o melhor seria termos Deputados e Senadores mais interessados em reformular o Código Penal (que é de 1946) reformular ou repensar o ECA, ai sim teríamos uma chance de melhorarmos nosso amado Brasil, mas tudo isso também depende de nos, quando formos colocar nossos representantes na Câmara e no Senado.

    • Não sei se vc quer que mudemos a idade penal , aqui não ficou bem claro o seu incomodo sobre o estatuto do menor e do adolescente.
      Porém se for isto eu repudio.
      Acho sim que os nossos jovens que não tiveram chances de ocuparem um melhor lugar ao sol, terão que serem assistidos com políticas publicas, e muito jogo de cintura para serem de fato atingidos positivamente.
      Bandidos não vêem só das classes desfavorecidas.
      Pelo contrário.
      Muitos deles são inteligentes bem articulados,protegidos, por castas e teem o aval social.
      Só não vê que não conhece a nossa historia.

    • Não e a toa que a invassão vem no momento da discussão do ECA. E da minoridade, ora povo ingénuo! Obvio que esta tudo montado! de aqui a pouco com o evento das olimpiadas sera instalada a força contra – digamos a “violencia” crianças desapareceram para Japeri, e o Rio tera a melhor olimpíada de america latina …se até ganhamos as Argentinos! ( rsrssr) PARECE PIADA!)Muito curioso se não diria patético é essa violencia toda feito por vândalos! serão os mesmos que nos reclamos contra as copas insuflaram a juventude e fizeram acreditar que eram esses jovens vândalos quando os verdadeiros INFILTRADOS não aparecem até hoje? é tão patético é tudo que pelas ruas de Copacabana crculam aqueles mendigs com as pernas feridas expostas…….vejam eles quando “acabam o serviço” estão ao mando de QUEM? de uma policia pararela, ou serão pagos pelos politicos que só pensam no bolso?Ou pelos atravesadores que depois vendem as bicilcetas e relogios e celulares para os “playboizinhos “que pagam mixaria para lucir entre seus amigotes, os produtos que jamais poderiam comprar de tão caros que são? Quem é mais criminoso, o ladrão ou o que compra dos atarvesadores! Vai entender! O verdadeiro vandalismo no Rio de Janeiro é por conta de unidades de politicas pacificadores que não cumprem com seus objetivos. Algugem tem ideia de como funcionam as escolas em comunidades carentes. Cidade de Deus, Gardenia Azul Rocinha? quando funcionam!!A propaganda masiva de uma televissão me lembra ao filme a ditadura perfeita, filme mexicano, ali a gente vai saber a resposta Hilde SOMOS TÃO INGENUOS! Uma sociedade onde os meninos de rua sçao traados pior que cachorros, é isso eu vejo desde 1974 quando cheguei no Brasil até hoje na Tijuca, onde pedem apenas para ir ao banheiro dos baros e sçao chutados aos socos, nçao adianta nçao, é uma sociedade de faz de conta, e os culpados SOMOS TODOS!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *