VEXAMES HISTÓRICOS DE NOSSOS JUÍZES – E DOS OUTROS – QUE NÃO SE REPITAM NESTE 11 DE SETEMBRO NEM NUNCA MAIS!

11 de Setembro de 2013 – zero hora

Dedico o advento deste 11 de setembro  – para os americanos, o fatídico September 11, para os chilenos o da morte do presidente Salvador Allende sob o cerco do Golpe militar – dia por predestinação aziago, para lembrar os VEXAMES HISTÓRICOS daqueles que ousaram julgar ao arrepio das leis e das provas. Vestiram suas togas como instrumento de sujeição, não de equilíbrio. Para inspirar prepotência e temor, não confiança e Justiça.

Deus nos poupe dos Vexames Históricos. Já colecionamos vários no Brasil, e eles são de bom tamanho. O julgamento de Tiradentes e sua sentença de “morte natural pela forca” foi um. Assim como foi o do Almirante Negro, o marinheiro João Cândido, da Revolta da Chibata, jamais reconduzido à Marinha, e que terminou seus dias como pescador, depois de todo o tipo de castigo e sofrimento. O episódio Olga Benário foi outro Vexame Histórico. Este, por parte de nosso STF*/**, que, à época do Estado Novo, negou-lhe o Habeas Corpus, condenando-a, em decorrência de seu ato, a morrer num campo de concentração nazista. Um julgamento político, certamente.

Os Vexames Históricos, os erros de julgamento, os equívocos de avaliação maculam para sempre. E não há pedidos de desculpas a posteriori que os absolvam. Restam os constrangimentos. Sobrevivem os heróis, os mártires desses erros.

E ficam enterrados, relegados ao esquecimento eterno, ao degredo da mediocridade de seus gestos, os julgadores infames, os que optam por desintegrar suas biografias, seduzidos por vaidades, favores, pressões e conveniências. Soterrados sob sua pusilanimidade, que os paralisa e impede de exercer a básica sabedoria de seu ofício. Sucumbem os protagonistas das farsas

Num 11 de Setembro um grande povo sofreu a perda trágica de pilares que representavam o poder de sua sociedade: as Torres Gêmeas. Que em novos 11 de Setembro outros povos não percam a confiança em pilares que os sustentam.

Dedico este 11 de Setembro ao elogio daqueles que, por vítimas de vilões condenadores, permanecem admirados e para sempre na História. Seja no Brasil, nos Estados Unidos, na França ou onde mais for…

TIRADENTES

Vocês não conhecem seus nomes, mas eles os inscreveram em grande estilo como protagonistas de um Vexame Histórico Brasileiro:

Sebastião Xavier de Vasconcellos Coutinho (Chanceler da Rainha); Antônio Gomes Ribeiro; Antônio Diniz da Cruz e Silva; José Antônio da Veiga; João de Figueiredo; João Manoel Guerreiro de Amorim Pereira; Antônio Rodrigues Gayoso e Tristão José Monteiro.

Eles são os oito juízes que sentenciaram à forca Joaquim José da Silva Xavier, “por alcunha de Tiradentes”, em 18 de abril de 1792, junto com mais 28 réus no julgamento da Inconfidência Mineira.

Eis o trecho principal de sua sentença para Tiradentes:

“Portanto condenam ao réu Joaquim José da Silva Xavier, por alcunha de Tiradentes, Alferes que foi da tropa paga da Capitania de Minas, a que com braço e pregação seja conduzido pelas ruas públicas ao lugar da forca e nela morra de morte natural para sempre, e que depois de morto lhe seja cortada a cabeça e levada a Vila Rica, onde em lugar mais público dela será pregada, em um poste alto até que o tempo a consuma e o seu corpo será dividido em quatro partes, e pregado em postes, pelos caminhos de Minas Gerais, no sítio de Varginha e das Cebolas, onde o réu teve suas infames práticas, e os mais nos sítios de maiores povoações até que o tempo também os consuma; declaram o réu infame, e seus filhos e netos, tendo-os os seus bens aplicam para o fisco e Câmara Real, e a casa em que vivia em Vila Rica será arrasada e salgada, para que nunca mais no chão se edifique, e, não sendo própria, será avaliada e paga a seu dono pelos bens confiscados, e no mesmo chão se levante um padrão, pelo qual se conserve a memória desse abominável réu”.

Não bastasse a ignomínia dos oito julgadores, o vexame se prolongou por mais dez décadas, com a memória de Tiradentes vagando no purgatório ao longo de quase 100 anos. Nem com a Independência, em 1822, sua luta e martírio foram reconhecidos!

Afinal, os imperadores Pedro I e Pedro II eram descendentes da rainha que mandou o Alferes à forca e preferiam “esquecer” o assunto, além de acharem inconveniente a veneração de alguém que defendeu ideais republicanos contrários à monarquia.

Tiradentes só foi reabilitado na História do Brasil com a Proclamação da República.

tiradentesO jovem Tiradentes teve “morte natural pela forca”, o corpo dividido em quatro partes, pregadas em postes pelos caminhos, bens confiscados, infames declarados os filhos e netos, casa arrasada e sua terra salgada, para jamais nada ali se edificar, e foram necessários mais de 100 anos até sua memória ser reabilitada – um mártir sem precedentes em nossa História.

A condenação de Tiradentes tem aspecto político exemplar. Ele e os 28 corréus do processo foram punidos pela “infâmia” contra a rainha imperialista, pelo movimento rebelde de Independência, que seria seguido pela Proclamação da República.

OLGA BENÁRIO

Em 1936, sob o Estado Novo de Getúlio Vargas, os ministros do STF, então sediado no Rio de Janeiro, não concederam o Habeas Corpus impetrado em favor de Maria Prestes, nome de casada de Olga Benário.

Grávida do líder comunista Luis Carlos Prestes, ela foi extraditada para a Alemanha nazista e morta num campo de concentração aos 34 anos, depois do nascimento de sua filha, a brasileira Anita Leocádia. Uma morte anunciada.

Proibida de comparecer ao julgamento, Olga era vista pelo governo como perigosa à ordem pública e nociva aos interesses nacionais.

Com base no Decreto 702, de 21 de março de 1936, o Supremo decidiu que em casos como o dela não era possível “invocar a garantia constitucional” do Habeas Corpus. Sua permanência no país comprometia a “segurança nacional” e não era necessário sequer fazer o exame médico para constatar “o seu alegado estado de gravidez”.

Os juízes que negaram o Habeas Corpus, dificilmente desconheciam que também estavam sentenciando Benário à morte, trágico fim natural daqueles judeus enviados aos campos de concentração nazistas.

Tais juízes que negaram o pedido de Olga foram os ministros do Supremo Tribunal Federal Bento de Faria (o relator), Edmundo Lins (presidente da Corte), Hermenegildo de Barros (vice-presidente), Plínio Casado, Laudo de Camargo, Costa Manso, Octávio Kelly e Ataulfo de Paiva.

Os ministros Carlos Maximiliano, Carvalho Mourão e Eduardo Espínola conheceram o pedido, mas o indeferiram.

Eles vieram se alinhar no alto da página dos Vexames Históricos Brasileiros, junto com os julgadores de Tiradentes.

Para o atual ministro do STF, Celso de Mello, a decisão hoje seria diversa. De acordo com ele, optou-se por uma fórmula simples de expulsão, que viabilizou a entrega de Olga a um regime estrangeiro totalitário. “O Supremo, na época, não deu a melhor interpretação ao caso e sim um tratamento injusto e trágico”, ele diz, lamentando a decisão por motivos políticos. O que não é permitido pela Constituição.

olga_1O juiz do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, lamenta que o julgamento de Olga Benário tenha sido político, com um resultado “injusto e trágico”

SACCO E VANZETTI

A história de Ferdinando Nicola Sacco e Bartolomeo Vanzetti foi contada no cinema, em 1971, pelo diretor Giuliano Montaldo. O caso dos dois irmãos italianos condenados à cadeira elétrica e executados sete anos depois, apesar da total inexistência de provas concludentes, ficou na história como exemplo de injustiça, xenofobia e perseguição política.

O caso Sacco e Vanzetti é emblemático das falhas da justiça humana.

Em 1920, os irmãos Sacco e Vanzetti foram acusados do assassinato de duas pessoas e do roubo de US$ 15 mil do pagamento dos salários dos empregados de uma fábrica de sapatos, em Massachusetts, nos Estados Unidos. Não houve testemunhas nem provas, apenas um boato de que dois italianos teriam cometido os delitos.

O suspeito inicial, Mike Boda, em cujo carro foram encontrados livros de conteúdo comunista e propaganda subversiva, foi logo deixado de lado e, em seu lugar, acusados os irmãos imigrantes, aos quais foi atribuída a posse do carro.

Sacco portava uma pistola calibre 32, com nove balas, e Vanzetti um revólver 38. Com Sacco se encontrou ainda uma nota pregando a resistência, escrita em italiano. Ele alegou que, no momento dos crimes, trabalhava em uma fábrica de sapatos. Vanzetti, que vendia peixes. Histérica, a acusação, usou de todos os artifícios para condenar os italianos, considerados anarquistas.

Para  defender Sacco e Vanzetti, foi organizado um Comitê Internacional, com protestos acontecendo diante das embaixadas americanas na França, na Bélgica, na Itália e na Suíça.

Atuando em sua defesa, os irmãos tiveram o advogado Felix Frankfurter (mais tarde membro da Suprema Corte dos EUA) e Karl Llewellyn, importante nome do realismo jurídico americano, que fez impressionante pronunciamento no rádio em favor dos réus.

Na outra direção, deixaram seus nomes inscritos no capítulo do Vexame Histórico do Judiciário Americano, o influente juiz Roscoe Pound, que preferiu se omitir durante o julgamento se mantendo em silêncio, e o juiz da Suprema Corte Oliver Wendell Holmes Jr., que votou pela condenação.

Sacco e Vanzetti foram executados em 23 de agosto de 1927.

O governador de Massachusetts, Michael Dukakis, reabilitou os dois italianos 50 anos depois de suas mortes.

Sacco & Vanzetti _dedhamSacco e Vanzetti, sete anos de prisão até a morte injusta na cadeira elétrica, por pura xenofobia, num julgamento político

CASO DREYFUS

O Caso Dreyfus tornou-se emblema de como, até no país da “liberdade, igualdade e fraternidade”, o desrespeito às regras do procedimento jurídico pode dividir uma sociedade e deixar cicatrizes perenes e indeléveis na imagem de uma instituição respeitada como o Exército da França. Mais um Vexame Histórico.

Em 1894, Alfred Dreyfus, jovem e brilhante capitão da artilharia do exército francês, foi acusado de alta traição, julgado a portas fechadas por uma corte marcial e condenado ao degredo perpétuo na Ilha do Diabo.

A base para a acusação foi um papel que enumerava segredos militares franceses entregues ao adido militar na embaixada alemã em Paris.

O Caso Dreyfus dividiu a sociedade francesa entre aqueles que exigiam um julgamento justo e os que não admitiam que se contestasse a palavra de membros da cúpula do exército francês para defender um judeu.

Três anos depois de promulgada a sentença, o irmão do réu descobre documentos que inocentavam Dreyfus e comprometem Charles-Ferdinand Esterhazy, nobre oficial de origem húngara, com o ato de espionagem. Um segundo julgamento é realizado, em 1898, mas os magistrados mantêm a decisão anterior, a despeito das novas provas.

Quanto a Dreyfus, anistiado em 1899, a verdade seria reposta por um tribunal apenas em 1906. Porém, jamais foi reincorporado ao exército ou compensado pela injustiça sofrida.

A condenação

Apesar do contraditório inicial em relação à caligrafia do borderô, o general Mercier (ministro da Guerra) ordenou a prisão de Dreyfus, em 15 de outubro de 1894. O comandante Du Paty conduziu o interrogatório de Dreyfus e depois vasculhou a casa do acusado, na presença de sua esposa, nada encontrando que sustentasse a tese de traição.

Durante os preparativos para a corte marcial, um perito chegou à esdrúxula teoria da autofalsificação (!) do borderô, para explicar ao mesmo tempo as semelhanças e as diferenças entre a caligrafia do capitão Dreyfus e a caligrafia do borderô.

No início de novembro, a corte marcial reuniu-se em Paris sob violenta e intensa pressão da imprensa nacionalista. O general Mercier colocou à disposição dos juízes militares “autos secretos”, organizados para provar a existência de relações entre Dreyfus e o adido militar alemão, mas a defesa não teve acesso àqueles autos, o que era claramente ilegal.

dreyfus-bigO julgamento Dreyfus, por injusto, maculou uma instituição e a imagem da França

STF* Acréscimo às 08:24 do mesmo dia 11/09: O leitor José Márcio Tavares pede-me que acrescente aqui o Vexame Histórico de, em 1964, o STF declarar vago o cargo de Presidente da República, com Jango ainda no Brasil.

STF** Às 08:35 de 11/09: O leitor João Paulo Lima lembra “o vexame dos assassinos da Dorothy Stang (PA). Mandante absolvido, depois condenado. Hoje tem deles em prisão domiciliar”.

18 ideias sobre “VEXAMES HISTÓRICOS DE NOSSOS JUÍZES – E DOS OUTROS – QUE NÃO SE REPITAM NESTE 11 DE SETEMBRO NEM NUNCA MAIS!

  1. Jesus Cristo foi julgado e condenado por um judiciário e executado por soldados. O judiciário é verdadeiramente a besta do apocalipse. Eles mataram Deus.

  2. ” muitos provavelmente ficarão estarrecidos com a notícia de que os mensaleiros serão julgados novamente e perguntarão o motivo.Receberão como resposta que isso foi possível devido aos ” embargos infringentes”. Não se preocupem em entender isso. Resumidamente foi a maneira mais sutil que o governo arrumou para chamar o povo brasileiro de OTÁRIO. Confirmando essa notícia amanhã, 12/09/2013, tenham a certeza de que o estado está realmente aparelhado a serviço de uma DEMOCRACIA DITATORIAL”.
    DEUS nos poupe do vexame de comparar o julgamento de Tiradentes e os demais Heróis e mártires da historias com o julgamento dos mensaleiros.
    O que resta a o povo e a revolta de mais uma derrota no tapetão. E um viva ao Habeas Corpus pro dantas e pro abdelmassih e nao esquecendo os ” embargos infringentes”, e a senhora Hildegard.

  3. Com pouco mais de meio Século, tive oportuniddes de assistir muitas tragédias, que comprometeram Vidas e Funcionamentos, tudo por meio de decisões indevidas , perseguidoras ou ainda pré estabelecidas. Se é verdade que existiu o Mensalão, e isso é possível sim, pergunto: Por que não julgam todos os casos igualmente? O que percebe é que para uns sim, outros não ! Digo ainda que com certeza esta eventual punição, cometerá muitos equívocos, jamais reparáveis, principalmente para os punidos indevidamente, assim como para seu Entes Queridos. Queremos Justiça, mas verdadeira !!!

  4. No Brasil há inúmeros erros jurídicos entre eles, o Habeas Corpus pro dantas e pro abdelmassih, o julgamento dos assassinos de Chico Mendes etc.

  5. Santo Deus, estou aqui para lhe dizer que ao lê-la, me deu engulhos, saco e nojo de texto. Como ousa defender o indefensável, defender o chefão de uma quadrilho que se instalou e ainda está lá em Brasília, hein? Só tenho uma explicação plausível, você é igual a seus pares, nao vale um real. Figuras como você me dão NOJO !!!!

    • Ataques pessoais são irrelevantes, não ofuscam a moral da vítima e desonram apenas quem a atacou sem fundamentos. Apresente argumentos racionais ou retire-se de uma discussão que é incapaz de sustentar.

      • Como assim ataque pessoal sr.Fábio? Tenho SIM total ASCO e NOJO de pessoas que defendem o que é errado moralmente e eticamente. Jose Dirceu é o demônio em pessoa, só de olhar seu rosto, já me dá um certo temor, é uma pessoas asquerosa, assim como o PT, partido antidemocrático. Como bem dizem por aí, comunista adora duas coisas: DINHEIRO e CARGO PÚBLICO !!! Infelizmente, caso o supremo aceite os tais embargos infringentes, aí sim, ninguém segura o PT, estará tudo dominado. Sinto pena do Brasil !!! Tenho pena de você sr.Fábio, assim como da sra.Hildegard Angel. Aquele velho ditado: “Diga-me com quem andas, que direi quem és”. Cabe perfeitamente para os defensores do sr.José Dirceu e o PT.

  6. Sou advogado há mais de 20 anos e poderia citar muitos outros julgamentos infames, mas não farei isto. Dedicarei meu comentário aos desdobramentos históricos das infâmias judiciárias.

    E começarei pelo julgamento, condenação e morte de Joana D’Arc, que não impediu a derrota dos ingleses e sua expulsão da França. Pouco tempo depois, o próprio julgamento foi anulado e até os dias de hoje ela é considerada uma figura mítica entre os franceses. La-Pucelle é admirada “ad urbe et orbe” enquanto seu carrasco de toga, Pierre Cauchon, é considerado o mais perfeito protótipo de Juiz infame medieval. Alguns séculos depois de sua morte toda a cultura jurídica e penal medieval seria varrida da História através da Revolução Francesa.

    Todos estes julgamentos citados por você Hilde, como aquele que por mim foi evocado acima, resultam sempre da mesma disputa: “poder x justiça”. As tentações daqueles que estão encarregados de distribuir Justiça sempre foram grandes. Ao proferir uma condenação muito desejada, ao deixar de fazer justiça para se submeter às demandas do poder, um Juiz infame pode ganhar dinheiro (caso de Pierre Cauchon), gratidão real (caso daqueles que condenaram Tiradentes) ou mesmo notoriedade e capa de revista (O menino pobre que mudou o Brasil).

    A justiça (um valor perene e eterno) sempre tende a se impor ao poder porque este é um fenômeno temporário (como vimos no caso de Joana D’Arc; idem no de Tiradentes, que é hoje considerado um herói brasileiro). É por isto que a infâmia praticada por um Juiz é duradoura, adere inevitavelmente à sua imagem e geralmente sobrevive ao seu poder (ou ao poder daquele a quem ele serviu) entrando para a História.

    Um Juiz deve temer mais a História do que o poder! No caso de José Dirceu não foi o que ocorreu e por isto mesmo o réu-vítima deve ficar tranquilo. Sua condenação pode ser a porta por onde a justiça reentrará na História brasileira, removendo do poder (midiático, econômico, político e judiciário) a fonte mesma da infâmia que contra ele foi praticada.

    • Excelente o post da Hildegard. O ultimo parágrafo do seu comentário, se me permite, mostra que é necessário o afastamento temporal para o julgamento do mais alto tribunal: a história.

      • Você compreendeu perfeitamente o que eu disse. E sumariou a questão de maneira correta. Parabéns.

  7. Matéria linda. Excelente. Que Deus ilumine você sempre com os atributos do sentimento, inteligência e coragem.

  8. Parabéns pelo texto. Como sempre, preciso, inteligente e duro, mas sem perder a ternura jamais.

  9. Estou fora do Rio, local com acesso quase zero na Internet, computador antigo, quase parando! Levei umas duas horas pra ler o seu texto sobre o Ze Dirceu e hoje, desde cedo, finalmente acabei de ler este!! Como a dificuldade continua, tomarei emprestado e farei meu todos os comentários positivos sobre os dois excelentes e esclarecedores textos, que saem de sua mente brilhante, inteligente, politizada (sou pouco, já que mais da metade de minha vida vivi fora do Brasil) e verdadeira, sem temor algum das “patrulhas” que podem aparecer, como as do Facebook, que hoje em dia não respeita uma opinião contrária, seja lá de que assunto for; somos “linchadas” literalmente! Total ditadura, de alguns (não todos) “amigos virtuais”! Há décadas SEMPRE com você, te acompanho, sigo e aprendo muito ainda do que não sabia, ou vivenciei pelos motivos acima alegados! Tiro meu “chapéu virtual” pra sua coragem!

  10. A excelência do seu post merecia um comentário mais refinado. Como é tarde, o sono teima e ainda pretendo deliciar-me por uma meia-horinha com Falker, só tenho uma coisa a dizer prezada e ilustre, Hildegard: esses juízes, sem exceções, ESTÃO TODOS NO MAIS PROFUNDO E LODOSO DOS INFERNOS. Pior é constatar que Ataulfo de Paiva dá nome há uma das avenidas mais importantes da Zona Sul da Cidade.
    Beijo e sucesso sempre.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *