Carta aberta à presidente do Supremo Tribunal Federal

Coluna Hildegard Angel – JORNAL DO BRASIL- www.jb.com.br – 

Carta aberta à presidente do Supremo Tribunal Federal

22/09/2018

Presidente Cármen Lúcia,

Pretendia fazer esse pleito pessoalmente, por ocasião da visita a Vossa Excelência do sr. Adolpho Perez Esquivel, na pequena comissão de representantes da sociedade brasileira. Mas isso não foi possível. Resta-me faze-lo por esta carta, animada por suas demonstrações de solidariedade à luta e à memória de minha mãe, já feitas publicamente e diretamente a mim. As mulheres mineiras, como são ambas vocês, têm tradição em nossa História de bravura e compaixão. Assim foram, na Inconfidência, Hipólita Jacinta Teixeira de Melo e, na Revolução de 1930, Tiburtina Alves, que, em suas épocas, na defesa de causa maior, desafiaram o medo e o senso comum. No momento, a causa extrema é a da nossa Democracia. Faz-nos aflição nos sentirmos na iminência de perde-la, abalada pela disseminação de um ódio que contamina e torna violenta a nossa sociedade, pela primeira vez na História republicana dividida radicalmente. Amigos rompem relação, parentes não se falam, vizinhos deixam de se cumprimentar. Não houve precedentes em nossa sociedade, a não ser nas ditaduras, quando o temor de retaliações e estigmas levava pessoas a evitarem umas às outras.

Felizmente, lá se vão mais de trinta anos do último período de exceção. Contudo, os ares da excepcionalidade voltam a nos sufocar, confundir e separar. Urge que a Constituição Brasileira volte a ser cumprida em sua integralidade o quanto antes, o tempo atropela o desenrolar dos fatos, e as consequências são imprevisíveis. Peço a Vossa Excelência e aos demais membros da Corte que ouçam as vozes, não as que lhes são mais próximas, mas as das ruas. Que atentem para o clamor popular, que se faz revolta pelo descrédito que agora inspiram ao povo as nossas instituições. Vemos manifestações em lugares públicos, marchas, movimentos, até greves de fome ocorrerem, na esperança de lhes atrair a atenção. De lhes merecerem um olhar ou até mesmo a preocupação.

Por favor, sra. Ministra, Deus lhe deu esta missão importante de apaziguar a Nação com seus atos, conduzindo este momento da História. Sei que o Supremo de nosso país tem sido capaz de atos de coragem que desafiam o próprio tempo. Como o do saudoso ministro Adauto Lúcio Cardoso, outro mineiro. Primo-irmão de minha mãe, em família divergiam no pensamento político, mas eram convergentes na causa comum das liberdades democráticas.

Ministra Carmen Lúcia, lhe rogo que paute as Ações Declaratórias de Constitucionalidade, que colocam em questão o entendimento firmado pela Corte de autorizar o cumprimento de pena após condenação em segunda instância. Esta é a reivindicação que temos percebido no clamor das ruas, levando até sete militantes de movimentos populares a completarem hoje 22 dias de greve de fome no Distrito Federal.

Vamos apascentar os corações deste país, antes que tenhamos que verter lágrimas por esse sacrifício em seu momento extremo, que parece estar próximo.

Sei de sua bravura, peço-lhe, também, a compaixão.

Muito respeitosamente,

Hildegard Angel

18 ideias sobre “Carta aberta à presidente do Supremo Tribunal Federal

  1. Chegamos no ápice de uma situação vexatória,assistindo ao surrealismo jurídico,ao descompromisso com a constituição e com o povo brasileiro,não há ares de liberdades,mas sim,uma grande nuvem negra que paira sobre os três poderes da republica,que por sinal corre grande risco.

  2. Bravissímo Hilde, agora é apelar para compaixão dos Ministros, espero que haja alguma ainda. A fonte dessa tragédia atual é que a nossa Constituição Federal deixou de ser aplicada, houve flexibilização exagerada, a Corte teima em não ouvir a voz da rua e corrigir os erros cometidos. Nós estamos clamando por democracia por respeito à nossa Lei Maior. Estamos diante, talvez, da última tentativa de consolidarmos a democracia no país antes de um desastre anunciado a vir com o pleito vindouro. Os acontecimentos recentes deram a deixa para o nosso Sistema Judiciário corrigir o trajeto, reafirmando nossa Constituição, e espero, do fundo da alma, que assim o façam em tempo.

  3. Como já o fez, brilhantemente, nessa carta, a Jornalista Hildegard Angel, apelo ao seu coração ministra Cármen Lúcia, para que a Constituição Federal seja aplicada. Para que sigamos novamente, o caminho da democracia.

  4. Uma carta que mostra a situação do povo brasileiro. É uma questão de soberania popular. O governo e provido do povo para o povo. A Democracia está em jogo. A alerta está feita, Presidente Carmem Lúcia.

  5. Passei a te amar alem do limite,do suportável ao meu humilde ,pequeno e pobre coração…
    um infindável bjo, querida Hildegard…

  6. O STF será o responsável se algum integrante da greve de fome vier a morrer! Nossa solidariedade a esses heróis nacionais, que entregam seus corpos por causas justas!

  7. Muito bem formulada sua revindicação, mas infelizmente essa Alta Corte da Justiça já está contaminada desde o afastamento da Presidente Dilma, onde deixaram o golpe acontecer sem nenhuma resistência. Essa Ministra não representa o povo Mineiro que tanto lutou pela Liberdade.

  8. Parabéns por descrever o momento tão bem e agir com a publicação dessa carta maravilhosa. Era criança nesse tempo mais obscuro do nosso país, mas li vários livros dessa época e sei bem a luta de sua mãe, de quem vc agora mostra que puxou a coragem, obrigada por representar a nossa voz.

  9. Realmente é de compaixão que tanto necessitamos. Em nome do combate à corrupção estão sendo violados direitos há muito obtidos, como a presunção de inocência. Em nome diversas religiões , pede -se a pena de morte e o porte indiscriminado de armas. Mas não permitem as mulheres tratarem de aborto ou de igualdade salarial.
    Sua carta, Hidelgard é um alento, um suspiro de clareza e um lindo posicionamento público pela justiça.
    Hoje o justicialismo está se sobrepondo ao perdão, ao simples fato de que todos erram e podem pagar sua pena de várias formas. E ao cumpri-las, estão aptos para viver como qualquer outro.
    A carta é linda, forte, sensível. Espero que minha conterrânea possa refletir e minimamente tomar a decisão de fazer justiça com complacência, tolerância, e dignidade. Um pouco de sentimento de gratidão também é importante, pois se ela alçou o mais alto grau do poder judiciário, foi escolhida exatamente por aquele que agora está injustamente privado da liberdade.
    Com carinho e admiração
    Andréa de Magalhães Matos

  10. Este apelo é um sinal da História, através da corajosa atitude de uma mulher brasileira que, na sua petição, representa o clamor das camadas médias e populares da população, ora desapropriadas de seu próprio país.

  11. Parabéns pela beleza do texto , oportunidade e verdades nele habilmente revela
    das.Conduta como a que vem sendo adotada pela Presidente Cármen Lúcia do
    STF, com relação as referidas ” Ações Declaratórias de Constitucionalidade, que colocam em questão o entendimento firmado pela Corte de autorizar o cumprimento de pena após condenação em segunda instância”, nas atuais circunstâncias, causa, no campo jurídico, perplexidade e. no político, estranheza e desconforto, fazendo-nos relembrar – com profunda preocupação – o episódio do afastamento do então Presidente da Câmara Federal – Eduardo Cunha – do cargo por ele então exercido ao invés de cassar-lhe o mandato. Tal atitude foi considerada por alguns ex membros do STF como sendo um ato de coragem (sic), sem considerar, que, naquele momento se estava restringindo – inexplicavelmente – o sentido e o alcance do poder assegurado ao STF pelo texto constitucional, que o declarou “Guardião da Constituição”. Jair T. Campos

  12. Hildegard! Sou relativamente jovem, tenho 35 anos e soube das dores e danos por você enfrentados por causa da ditadura. Preciso muito de seu empenho e ajuda: Vamos nos unir, não sei como, mas estou disposto a me juntar à sua história com a finalidade de restaurar nossa democracia. Pela memória dos seus, nos ajude!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *