O foco de Bolsonaro

Hildegard Angel

O foco de Bolsonaro não é a justiça social, não é favorecer o mercado, não é o neo-liberalismo, não é o conservadorismo, o evangelicismo, o neopentecostalismo, nada disso. Muito menos é um projeto, qualquer projeto, para o país. Seu único e obsessivo foco é se perpetuar no poder. E de preferência como déspota, sem obedecer a qualquer conjunto institucional. Regente único.

Ele já percebeu que o que o ajudará a atingir o objetivo é o assistencialismo barato. Sem planejamento, sem projeto, ao melhor estilo Silvio Santos de ser – “Quem quer dinheiro?”, e atira os tostões para o auditório, que se joga sobre ele como lobos famintos. E bate palmas.

Pois é. A grande lenda cultivada pela direita, de que o PT pretendia manter-se 20 anos no poder, e estaria fazendo assistencialismo barato com esse fim, revelou-se uma grande mentira. O PT agiu democraticamente durante todos os seus mandatos. Atuou tecnicamente, criou equipes, conselhos com participação de especialistas de todos os campos e da sociedade. Trabalhou a sério para melhorar o país e a vida dos brasileiros.

Quem na verdade pretendia poder perpétuo eram seus detratores, os tucanos, que engendraram esse folhetim novelesco de mau gosto chamado impeachment. Mas, ironia do golpe, levou a melhor quem correu por fora, comendo pelas beiradas, e com apoio de tucanos, com o Supremo com tudo. Pariram juntos esse monstruoso bebê de Rosemary, que pouco a pouco vai se ajustando a um modus operandi conveniente. Tirou o sebo dos cabelos, arrumou um alfaiate, volta e meia lhe colocam a focinheira, e aprendeu que, já que lhe falta criatividade, copiar não dói. E copia tudo. Os projetos dos governos anteriores, inaugura obras que não são suas, tenta imitar o estilo Lula de ser afetuoso com o povo (mesmo não havendo sinceridade alguma no afeto que quer demonstrar), e agora copia até discursos, declarações, tuítes de terceiros.

Na verdade, está se orientando, não pelos seus conselheiros, mas pelas críticas que lhe fazem. O que não deixa de ser uma esperteza de bom enganador. A última e mais recente evidência disso deu-se por ocasião do anúncio do adiamento do envio ao Congresso do plano Renda Brasil, que seria custeado graças ao fim do abono salarial. Para justificar sua decisão, criticou Paulo Guedes e declarou, em visita a Minas Gerais: “Não vou tirar dos pobres para dar aos paupérrimos”. Cópia de um comentário da véspera desta jornalista, no Twitter, sobre o plano aleijão que Guedes visava perpetrar, assim como tudo que ele engendra, com o propósito de ferrar os pobres e adular a riqueza.

Até as últimas pesquisas favoráveis ocorrerem, Bolsonaro acreditava que dependia de Guedes para garantir ao menos a conclusão do mandato. Com isso pensava que teria a proteção do ‘mercado’, que já começava a lhe torcer o nariz. Enfim, Bolsonaro percebeu que o apoio que busca pode estar mais embaixo. Embaixo mesmo, nas camadas populares, no X, Y, Z do abecedário.

Mas demagogia também custa dinheiro, ele há de descobrir isso. Na base do improviso, do “quem quer dinheiro?”, sem competência, sem projeto ou plano, não chegará a lugar algum, muito menos com Paulo Guedes.  O Brasil não é um programa de auditório. Ainda.

 

8 ideias sobre “O foco de Bolsonaro

  1. Infelizmente receio que chegue, exatamente pelos motivos apontados no ótimo texto. Populismo de conveniência e inépcia das instituições.

  2. Embora não concorde com elogios ao facínora Lula e ao PT, não deixas de ter razão. Não falaste da enganação onde quem saiu desgraçado e terá que levar atestado de óbito para se aposentar será o trabalhador da iniciativa privada.

  3. Excelente análise de quem é Bolsonaro. Um incompetente oportunista que não cria nada e não tem projeto para o país. Não sou psiquiatra, sou engenheiro, mas arrisco dizer que ele é um psicopata.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *