O Brasil das ruas não é feito só de desmiolados do golpe, há também os corajosos meninos Vítors

Em 1954, a bala atravessou o algodão do pijama de Getúlio, cravando-lhe o peito. E o povo foi pra rua, cobrindo o chão com gritos, molhando o ar com lágrimas. Em 1968, a vítima foi o jovem estudante do Calabouço. E os estudantes fomos pra Cinelândia, desnorteados na estranheza, com o caixão de Edson Luiz cruzando sobre nossas cabeças e forçando as portas do inferno, que ali iniciaria um novo ato, o da reação, das torturas, desaparecimentos sem rastro, dos longos silêncios, gritos parados no ar.

Em 2016, não, não teremos cadáveres, a História há de nos trazer a sabedoria vista no episódio do menino Vítor, quando quem tem que proteger cumpriu a correta missão, em vez de espancar.

Adolescente, 17 anos, uniforme de colégio, meia soquete, mochila nas costas, Vítor não se intimidou, diante dos celerados do impeachment, que se lançaram contra ele ao ouvi-lo bradar sua voz imberbe: “Não vai ter golpe!”.

Foi acossado pelos hooligans truculentos, tentando espancá-lo, aos palavrões, ofensas, fdaps, bicha e outras baixarias. Mas não perdeu a postura e a compostura, cara corajoso. Espremido contra o muro, foi salvo pelos PMs, que o escoltaram até local seguro. Durante todo o trajeto, mesmo sob a perseguição de brutamontes que poderiam ser seus avós, pais, tios, o menino manteve o enfrentamento. Alento.

O Brasil não é feito só dos desmiolados, fascistas e descerebrados que vemos, agora, bailar e cantar nas ruas, saudando as trevas que se aproximam. Há também os meninos Vítors.

https://www.facebook.com/politicanoface2/videos/551219141713093/

 

 

38 ideias sobre “O Brasil das ruas não é feito só de desmiolados do golpe, há também os corajosos meninos Vítors

  1. Eu era uma meninota, mas lembro desse tempo negro da ditadura. Me lembro da indignação do meu pai ao Golpe Militar. Ele era pedreiro, e hoje vejo o quanto estudo ou PHDS…não fazem uma pessoa justa.O motivo dessas palavras é que lí aos 20 anos o livro BRASIL NUNCA MAIS.Desde que lí esse livro queria tinha interesse em conhecer melhor aquelas pessoas que soferram barbaramente nas maos dos Ustras e ect.Hoje ví as fotos de seu irmão…da sua mae… e chorei por vc,,, chorei por estarmos nessa situação caótica onde pessoas ainda tem coragem de defender essa barbarie.Mais triste ainda é vermos que esse Brasil quando alguem quer mudar essa realidade brutal de diferenças sociais vemos as mesmas pessoas lutando ´para continuar com seus privilégios. Bjs. Obrigada.

  2. Menino danado 17 anos promete
    Fiquei fã do Vitor
    E vc obrigada Hilde por dar visibilidade a esse garoto super corajoso.

  3. Entendendo o impeachment e a “crise”
    HAVERÁ CRISE EM 2016 ?

    No esforço para reconstrução do ocidente, após a II Guerra Mundial, 44 países enviaram representantes à reunião ocorrida em julho de 1944, no Hotel Mount Washington, em Bretton Woods, New Hampshire, Estados Unidos da América (EUA), que resultou nos Acordos de Bretton Woods ou no Sistema de Bretton Woods.
    Fundamentalmente este sistema atrelava as moedas nacionais ao dólar norteamericano (USD) e este ao ouro, na relação USD 35 por onça Troy (28,35 gramas). Era o Padrão Ouro. Esperava-se, assim, uma estabilidade nas relações econômicas internacionais e a possibilidade de garantia financeira para os investimentos.
    Três anos após é constituído o GATT – Acordo Geral de Tarifas e Comércio – regulador das transações comerciais, sempre no intuito de dar proteção aos negócios. Durante quase 30 anos este modelo prevaleceu e o mundo conheceu um período de desenvolvimento econômico, alguns ganhos sociais e relativa estabilidade financeira.
    Não seria absolutamente correto fixar uma data para o início da situação econômica e financeira que vivemos hoje. Entendo que ela se formou de diferentes vertentes ou questões que surgiram do próprio progresso do pós guerra: preservação ambiental, distribuição de riqueza, guerras ideológicas, novos países etc.
    Mas é possível estabelecer um marco em 1971/1973 quando, unilateralmente, os EUA rompeu com o Padrão Ouro e promoveu duas desvalorizações cambiais para o dólar (USD). Extinguia-se um sistema e era iniciado outro: o câmbio flutuante. Parodiando o Samba do Crioulo Doido de Sérgio Porto: “foi proclamada a” especulação.
    Diversas práticas, como o hedge – seguro de risco, deram origem a procedimentos especulativos, neste caso com os derivativos. Verificou-se que a distância entre os bens físicos e suas expressões em papéis financeiros era cada vez maior. Exemplificando, para um barril de petróleo o mercado negociava papéis equivalentes a cem barris, ou seja, 99 sem lastro real. Mas, além da evidente voracidade pelo ganho, este sistema embutia uma crise. E ela já acontece em 1987 e por todo restante do século XX e neste século XXI. É necessário ter nítida a diferença entre ativos físicos e suas expressões monetárias e as diferentes ações geradoras de riqueza: produção industrial, construção imobiliária, prestação de serviços de transporte público, entrega de correspondências e operações financeiras, entre outras.
    Uma das características desta crise será a transferência de ganhos e ativos de outras áreas econômicas para cobrir a diferença entre o valor em papéis e o valor em ativos efetivamente existentes. Outra será a concentração de renda que se seguirá a cada uma delas. Em 2014, 0,7% da população mundial já detinha 45,2% da riqueza global.
    Dois eventos dos anos 1980 muito ajudaram ao sistema financeiro internacional. O mais relevante foi a condução, por políticos aliados deste sistema, de duas importantes nações desenvolvidas: o Reino Unido com Margaret Thatcher e Ronald Reagan nos EUA. Todos os sistemas de controles e restrições aos projetos e programas especulativos foram desarticulados ou extintos. Criou-se um mito da eficácia neoliberal e o sistema financeiro reinou soberano, podendo incorporar toda economia ilícita e marginal. O outro evento foi a derrocada da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), em 1989, abrindo a possibilidade de restringir conquistas e direitos sociais, principalmente nos países europeus.
    Passaremos a listar as crises, formadas com objetivo de transferir valores para o sistema financeiro internacional, e suas principais características, até a que prevemos eclodir neste ano ou em 2017.
    Crise de 1987 – “Segunda-feira Negra”. A Bolsa de New York despenca e os ativos são depreciados em 22,6%. Atinge também a Europa e a Ásia. Penso que foi um teste para o mecanismo que transferiria bens públicos para cobrir os déficits especulativos pela via das privatizações. As consequências não cabem neste artigo mas merecem uma cuidadosa análise as falhas e os erros que vem sendo cometidos neste novo gerenciamento voltado primordialmente para distribuição de lucros. O caso Mariana, em Minas Gerais, poderia ser incluído como exemplar.
    Crise de 1990 – A bolha japonesa. O sistema financeiro vive das dívidas. A liquidez para os bancos é um pavor. Ele precisa estar com 100% dos depósitos, ou até mais, emprestados ou aplicados (palavra de múltiplos significados). O Japão tinha depósitos que representavam quase o PIB do país. Para se ter uma comparação, nos EUA os depósitos representavam, na mesma época, cerca de um terço do PIB. É óbvio que era uma situação explosiva. Num país de grande população voltada para poupança e pouca terra, a criação de uma bolha imobiliária, grande quantidade de imóveis sem comprador, foi quase uma consequência natural da disponibilidade financeira. E foi assim que a área imobiliária pagou seu tributo ao capital financeiro.
    Crise de 1992 – Sistema Monetário Europeu. Em 1992, o Índice da Taxa de Câmbio Nominal do USD, determinado pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), estava no mais baixo patamar desde 1957. Logo estava pronto para um “ataque especulativo” das finanças internacionais. Foi o que ocorreu, em 16 de setembro de 1992, com a decisão do Governo Inglês de retirar a libra esterlina do Mecanismo de Taxas Cambiais Europeu. Estima-se em 3,5 bilhões de libras esterlinas a perda desta crise, ou seja, foram transferido alguns bilhões de libras, de diversos ativos, para o sistema financeiro internacional. Sempre que alguém perde alguém ganha, mas não necessariamente o mesmo valor.
    Crise de 1994 – “El Horror de Diciembre” no México. O México inadimplente, sempre por dívida contraída no mercado internacional, resolveu desvalorizar o peso. Os organismos financeiros internacionais, mediantes diversas contrapartidas, aportaram recursos para “acalmar os investidores e restaurar a confiança no país”, ou seja para transferir recursos a serem pagos pelo México para o sistema financeiro internacional. A repercussão desta crise, “Efeito Tequila”, espalhou-se pela América Latina, incluindo o Brasil. Este modelo de geração de dívida que se avoluma até criar a bolha ou a crise que será paga por outros atores – ativos públicos e privados, rendas de outros setores econômicos, orçamentos públicos etc – é fundamental na análise destas crises pós 1980/1990, as chamadas décadas perdidas.
    Crise de 1997 – Crise Asiática ou do Sudeste Asiático. Mais um exemplo clássico com desvalorizações cambiais, neste caso iniciada pelo Baht tailandês, e as consequentes “crises bancárias” que levam governos nacionais a contraírem empréstimos de bancos ou instituições internacionais tendo como consequência a transferência de ativos ou ganhos nacionais para as finanças internacionais.
    Crise de 1998 – Finanças da Rússia. Em vários aspectos semelhantes à crise de 1994, do México. Em 10 de julho de 1991, assume a presidência da Rússia Bóris Iéltsin, candidato do sistema financeiro internacional. Sua gestão, denominada “terapia de choque”, tratou de privatizar e alienar ativos nacionais e liberalizar as finanças para a especulação internacional. Poderíamos dizer que ele cumpriu os compromissos com os financiadores da campanha. Em 1998 explode a economia, parte preponderante pelas dívidas, parte pela ascensão da economia marginal a segmentos do poder. Campeia a corrupção e a Rússia “desvaloriza a moeda, procura ganhar a confiança dos investidores etc etc”. Nova transferência de recursos e ativos para o sistema financeiro internacional.
    Crise de 1999 – Crise da reeleição de FHC. Há um trabalho de ficção econômica, de autor ou autores por mim não identificados, postado na internet, denominado “Crise Monetária Brasileira de 1999: uma análise econométrica realizada com base em elementos teóricos de modelos de crises monetárias de primeira e segunda geração”. Não se lhe tire o mérito de ignorar todo entorno político que conduziu esta crise, a começar pela âncora cambial, criadora de enorme déficit nas contas nacionais, para manter a inflação reduzida até a reeleição de FHC. Também as açodadas privatizações e restrições aos direitos dos trabalhadores e dos aposentados e pensionistas, favorecendo o capital em detrimento do trabalho e ganho particular em prejuízo do público. No fim, tudo igual: aumento da transferência de recursos para o sistema financeiro internacional e aumento da concentração de renda.
    Crise de 2000 – Ponto com ou da Bolha da Internet. As empresas de software cresceram com base no conhecimento de uma geração criada no novo ambiente virtual. Alguns com preparo acadêmico, outros com extraordinário talento, mas poucos com recursos econômicos e financeiros. Mas suas criações rapidamente tomavam conta deste mundo em rápida e desgovernada expansão. Muitas empresas foram criadas, em especial no âmbito da Nasdaq (Associação Nacional de Corretores de Títulos de Cotação Automática), um mercado de ações que reúne empresas de informática, eletrônica, biotecnologia, comunicações e outras áreas de ponta tecnológica. Não eram majoritariamente empresas de ativos, mas de uma ou duas pessoas de invulgar talento. Não tinham muito ou até nada para responder a qualquer insucesso. A especulativa alta destas ações já fazia antever a queda. Mas uma transferência de recursos aos que financiaram estas ações especulativas.
    Crise de 2001 – Argentina. Sabemos que até 2002 a Argentina foi dirigida por políticas econômicas neoliberais de Carlos Menem e Domingo Cavallo. Quando Fernando de la Rúa é obrigado a renunciar, instaura-se um caos político, social e econômico na Argentina, que só com a eleição de Néstor Kirchner (2003) voltará à normalidade. Pode-se afirmar que esta crise foi a consequência das orientações de 12 anos do FMI naquele país.
    Crise de 2008 – O subprime americano ou o terrorismo econômico em Washington. As melhores descrições desta “crise” estão no filme Inside Job (Trabalho Interno), documentário de 2010 de Charles H. Ferguson, e nas reportagens de Mike Whitney, jornalista residente em Washington, em especial a que considera a quebra do Lehmann Brothers um “terrorismo financeiro” no Congresso Norteamericano. Em síntese tratou-se de uma armação de bancos, empresas de avaliação de risco e de pessoas das áreas financeiras do Governo, em 2008, para transferir recursos do Tesouro Americano para bancos, seguradoras e algumas empresas industriais.
    Como pudemos observar as transferências para o sistema financeiro internacional foram feitas com ativos públicos, mediante as privatizações, e com recursos diretos do Tesouro Nacional, como ocorreu após 2008 não só nos EUA mas em países europeus e de outros continentes. No entanto, as bases destas transferências continuam intocadas, quais sejam a emissão de títulos sem lastro, as isenções e privilégios aos grandes detentores de riqueza e os programas de “austeridade” ou “ajuste fiscal” para transferir rendas de outros setores econômicos para o financeiro.
    Sem controle, as emissões vem superando em muito as possibilidades de serem cobertas por valores do próprio sistema financeiro e a bolha cresce constantemente. Já temos oito anos deste crescimento. A relação dívida/PIB dos EUA que era 55%, em 2001, passou a 111%, em 2014. Se contarmos o início de circulação do euro, a “crise” de 2008 aconteceu após seis anos do uso de uma nova moeda.
    E agora? Qual será o ativo mais atingido na próxima crise? Estarão os governos dispostos a dar um não ao sistema financeiro ou continuarão submissos e serviçais a ele?
    Pedro Augusto Pinho, avô, administrador aposentado (22/02/2016)

    • Obrigado pela aula, Professor Pinho. A a sua pergunta, a resposta é que os governos que se dispuserem a, ao menos sinalizar, de forma muito discreta, para uma política de adoção de medidas estruturais institucionalizantes de preservação dos interesses nacionais, serão alvo de campanhas de destruição, como a que está em curso no Brasil.

  4. Uma pergunta para o Delegado Sérgio Fleury, aliás, para o Dr. Sérgio Moro: “se esta Telenovela chamada Vaza-Jato, aliás, Lava-Jato, realmente tem como objetivo combater a corrupção porquê ela, periodicamente, abastece com “lances cinematográficos” o processo de impeachment conduzido por um dos maiores corruptos da política brasileira da atualiadade, o Deputado Eduardo Cunha?”

  5. Não se fala em outra coisa hoje no Rio. É a matéria da revista VEJA mostrando que Lula pretende fugir para a Itália para não ser preso aqui. Que vá e não volte. E que leve na bagagem aqueles e aquelas que viviam bajulando José Dirceu e outros mensaleiros antes de serem merecidamente presos.

  6. A Coragem desse menino nos lembra de outros que perderam a vida lutando pela DEMOCRACIA. Estarei nas ruas por ele, por minhas filhas, por meus netos , por meus amigos , POR TODOS OS JOVENS QUE MORRERAM PARA CONQUISTARMOS O DIREITO AO VOTO E A LIBERDADE DO ESTADO DEMOCRÁTICO. NÃO VAI TER GOLPE .

  7. Achei a ação da polícia muito débil. E isso pode? a criança ser agredida na rua por não fazer nada? ser linchada com palavrões perversos, e preconceituosos? Tudo bem, deram proteção ao menino, mas e os agressores? estavam se sentindo no direito de fazer tudo o que fizeram. Acho que deviam ter sido reprimidos. A proteção ao menino não me convenceu.

  8. Há 4 ou 5 décadas atrás, na época da ditadura militar, assassinavam-se as pessoas democráticas acabamdo-lhes com a vida; Hoje, na ditadura midiática-judicial, acabam-se com as pessoas democráticas assassinando suas reputações. Fizeram isso com José Genoíno e José Dirceu, e estão fazendo isso com o ex-presidente Lula, com a presidenta Dilma e e com o Partido dos Trabalhores. Ora, Dr. Sérgio Moro, seria muito interessante para o povo, e para a Democracia, se V. Exma. também grampeasse e vazasse para a imprensa os telefonemas do Deputado Eduardo Cunha, do Senador Aécio Neves, do Senador Ronaldo Caiado, do Ministro Gilmar Mendes, entre muitos outros! Mas, reconheço, seria pedir demais.

  9. Hilde , será que também não houve violência e arrogância da parte dos manifestantes pró Lula e pró Dilma nos protestos ? Claro que sim! Não se trata de querer justificar a agressão. A senhora coloca este caso isolado para se auto-afirmar, mas esquece dos milhares e milhares de brasileiros que protestaram pacificamente em todo o Brasil no domingo passado. Famílias inteiras, pobres e ricos, anônimos e famosos, inclusive a elite, que a senhora é tão próxima, mostrou que não aguenta mais um governo tão obtuso e corrupto, e todos os seus desdobramentos.É de fato um acontecimento sem precedentes na história do país. Será que a culpa é da “imprensa venal” ? Da PF ? Do juiz Sérgio Moro ? Do judiciário ? Do STF ? Da elite ? Dos ” coxinhas ” ? e por aí vai… Não! A culpa, na verdade, é de um governo e de seus aliados que não passam de timoneiros do atraso. Não querer enxergar isto é pura insensatez.

  10. CHOCADA, ainda mais, que postei este Vídeo na minha página do Facebook, e os super corretos e honestos, religiosos, cidadãos de bem, pais e mães de famílias, irmãos, primos, tios etc.. NINGUÉM falou NADA! Como se no seu calado dissesse “Bem feito! Deveriam ter matado este aí” ! Pessoas que eu sempre considerei ACIMA de qualquer suspeita! MÃES e PAIS e AVÓS que postam situações perigosas que seus filhos foram ou poderão ser vítimas! De cidadãos corretos, cumpridores da Lei(eu acho) que nesta hora, se recusam à se horrorizar com a quase barbárie, se esquecendo que “Vitor” de amanhã, poderá ser um dos seus….

  11. Hilde, quando postei essas imagens, ontem aqui, como comentário vi, educadora que sou, alguém arriscando-se, arriscando a vida por aquilo em que acredita. Por isso, me trouxe de volta o seu/nosso brasileiro STUART ANGEL. De verdade, me emocionou muito.

  12. Quem acha isso correto, não viveu a ditadura, não teve um parente morto, não conhece a história, não vê que isso é manipulação pesada, imaginávei. Pelo amor de Deus gente acorda, senão vai ser tarde demais.

  13. O leitor Luiz Pereira mostra ser um democrata que não se vende aos dotes do dinheiro fácil vindo de um tal José Dirceu, Vacari, Delúbio e outros petistas que, merecidamente, estão presos. Outros já deixaram as prisões. Quem incita o ódio é um ex-metalúrgico que hoje deve estar milionário. Quem o defende o faz por má-fé ou alienação. O mal que o PT produz ao Brasil terá efeitos mais nefastos que os produzidos pela ditadura de Vargas e a dos militares. A esquerda society que apoia Lulla em algum momento mamou nas tetas de estatais, cujos cofres foram dilapidados pela camarilha, repleta de pelegos. É fácil se dizer petista e jantar e almoçar em bocas-livres no Copacabana Palace. Ou se vestir de forma elegante (nada contra as elegantes do tal society) em bailes carnavalescos do mesmo hotel. Roma, digo, o Brasil….está em chamas e poucos dão importância histórica à roubalheira perpetrada pelos que ainda estão no poder, bajulados por ex-colunistas sociais de jornais. O fim do PT revelará o caráter político de muitos brasileiros. Do society e fora dele.

    • Prezado Sr. Reginaldo Correa Pimentel.

      O fascinante da discussão política é que nos deparamos com visões expressas por pessoas que enxergam uma realidade absolutamente oposta aquela que outros observam e também a consideram como realidade. Por exemplo: a minha visão da realidade dos fatos que observamos é diametralmente oposta ao que afirma o nobre comentarista Reginaldo Corrêa Pimentel. Embora ele, certamente seja uma pessoa bem informada, é perfeitamente possível que ele não saiba dizer uma única palavra sequer que possa dar sustentação a essa sua afirmação:

      “O leitor Luiz Pereira mostra ser um democrata que não se vende aos dotes do dinheiro fácil vindo de um tal José Dirceu, Vacari, Delúbio e outros petistas que, merecidamente, estão presos.”

      Primeiro porque pode-se afirmar, sem nenhum receio de ser confrontado com fatos, que o Sr. Reginaldo Corrêa Pimentel não saberia dizer uma linha para descrever o que seria esse “dinheiro fácil vindo de um tal José Dirceu, Vacari, Delúbio e outros petistas”.

      Tampouco saberia dissertar sobre os motivos que o levam a afirmar que “merecidamente, estão presos.”

      Porque se pode afirmar, sem maiores e mais profundas análises, que essas afirmações são insustentáveis? Porque essas afirmações inserem-se num contexto de uma espécie de senso comum, uma lenda urbana, habilidosamente criada e fortemente consolidada em grande parte de um determinado extrato da sociedade brasileira por uma formidável e caríssima campanha midiática bombardeada diariamente sobre as cabeças dos cidadãos incautos desde 2005, até os dias de hoje. Não se trata apenas, é bom que se diga, de uma poderosa campanha midiática de manipulação de fatos, linchamento de reputações veiculadas em jogral por um sistema oligopolizado de empresas privadas de comunicação, lideradas pela rede chantagista e sonegadora de televisão GLOBO. O que, por si só, já não seria pouco. Trata-se de uma campanha midiática amplamente apoiada por uma imensa concertação de forças coordenadas com a abjeta participação de significativas parcelas de grupos de servidores públicos dos órgãos de controle cooptados (ou corruptos), do judiciário, MP, PF e tantos outros importantes aparelhos das instituições do Estado.

      Trata-se, portanto, de uma grande farsa transformada em realidade que milhares repetem, convencidos do que afirmam, mas são incapazes de detalhar os fatos que poderiam fundamentá-la.

      Por que pode ser tão forte a consolidação de uma falsa realidade construída a partir de uma farsa? Deve-se essa construção ao avassalador poder de manipulação de um sistema oligopolizado de comunicações que teve sustentação na construção da verossimilhança e credibilidade da realidade fantástica em, nada mais nada menos, que a mais alta corte de justiça do país. O Supremo Tribunal Federal. O STF julgou e produziu as condenações encomendadas pelos agentes do Mercado, na dimensão e nas datas, conforme lhes foram exigidas, no julgamento da AP 470, em 2012. Isso também é inacreditável, mas é a conclusão a que se chega da leitura da fraudulenta denúncia do, então, Procurador Geral da República, Antonio Fernando de Souza, muito bem estruturada mas nenhuma sustentação em provas. Provas essas que o seu infame sucessor, o, então, PGR, Roberto Gurgel, chamou de “provas tênues” que, portanto, deveriam ser habilidosamente trabalhadas, com muita boa vontade e criatividade, para que pudesses produzir as necessárias condenações inapeláveis.

      E claro que o cidadão comum não se daria ao trabalho de ler o volumoso processo que se formou a partir daquela fraudulenta denúncia. Mas pode-se contar aos milhares o número de estudantes e especialistas de Direito que o fizeram, muito atentamente, nas suas minúcias e detalhes chocantes. Para quem se abeberou nas interpretações do Merval Pereira, da Lo Prete, Gerson Camatotti e tantos outros “especialistas” escalados pela GLOBO, tudo pareceu perfeitamente consistente com os fatos alegados, tudo dentro da dialética do Direito e não no livrinho da “…literatura do direito (com letras minúsculas)…” da Ministra Rosa Weber.
      Por incrível que pareça, entre tantos especialistas e juristas conceituados que se dedicaram ao estudo da fabulosa e inacreditável patranha jurídico/midiática, quem fez a melhor definição daquela fraude chamada e consagrada pela imprensa pelo apelido de “mensalão” foi uma jornalista, que golpeou mortalmente a credibilidade do processo denominando-o, apropriadamente, de “…MENTIRÃO…”!! Essa “sentença” da notável guerreira Hildegard Angel teve, sozinha, o poder de abalar severamente e por a nocaute a credibilidade que tantos marionetes togados e jornalistas mercenários esforçaram-se tanto no empenho de construir.

      Mas, deixemos um pouco o MENTIRÃO de lado, e passemos a outra “lenda” que o nobre comentarista afirma com a convicção daqueles que encontraram a verdade absoluta. Que não admite dúvidas.

      Ele trata em seus comentários de outra lenda urbana consistente na “fortuna” do Lula. Essa também outra crença compartilhada com milhões de seguidores da seita criada e fomentada pelo consórcio ilegal e espúrio Judiciário X Midia. Por um simples exercício de raciocínio lógico simples, poder-se-ia desmontar essa falácia transformada em crença em expressivos segmentos da nossa sociedade atormentada e aturdida, merce da ação deletéria de um cartel de manipulação de informações instalado em todos os rincões desse grande país.

      Ora, o citado maior suspeito de todas as tramas do abjeto consórcio citado, teve sob o poder de influencia a destinação de trilhões de reais do orçamento federal durante oito anos. Se fosse o seu objetivo amealhar uma fortuna incontável e inimaginável, como é a praxis dominante nos meios SOCIAIS HUMANOS (note-se que não é exclusividade de políticos) ele seria um bilionário e não um visionário idealista apaixonado e quase doentio. Teria, então, forçosamente dezenas ou centenas de contas espalhada pelos tais “paraísos fiscais”, que também é a característica comum das nossas ZELITES habitantes das operações ZELOTES da vida e correntistas endinheirados do HSBC. O nosso judiciário parece sofrer de uma extraordinária timidez em investigar e processar os titulares bilionários dessas contas ilegais. Mas as autoridades estrangeiras investigam, denunciam, processam julgam e condenam (em alguns poucos casos) os praticantes desse tipo de crime de ocultação de patrimônio e lavagem de dinheiro ilegal. Os processos só param quando chegam em nossa terra pátria e caem nas gavetas do Dr. De Grandis, ou outros seus colegas solidários na prática de proteção de “bandidos de estimação”.
      Ora, meus caros navegantes desse conceituado espaço que nos cede a generosa democrata Hildegard, onde estariam os bilhões e bilhões de dólares, euros e o que sejam, depositados em contas fantasmas controladas por aquele imigrante pau-de-arara que foi Presidente da República em dois mandatos e permanece sendo a maior personalidade política nacional e internacional de todos os tempos? Será que os agentes do Deus Mercado que controlam, fomentam e coordenam todos os movimentos para desestabilização de governos não alinhados ao Consenso de Washington em todo o planeta e controlam também as instituições financeiras hospedeiras dessas contas fantasmas se recusariam a apresentar essas tais contas espontaneamente, sem sequer haver a necessidade de intimação de autoridade competente, para ajudar a destruir o seu maior inimigo? Evidentemente que não. Não apresentam porque não existem tais contas.

      Quanto a preconceito e ódio de classes não há necessidade de falar porque estão expressos no texto do próprio prezado comentarista.

      • Reginaldo, bom dia,

        Agradeço suas palavras. Reciproco-as.

        No mais, os piores cegos são aqueles que enxergam – geralmente pela ótica do João Santana.
        Aos fanáticos a realidade sempre é distorcida para que caiba em seus campos de visão, tolhidos por antolhos.

        Só que não adianta teimar contra a situação quase falimentar da Petrobras; não adianta fazer comparações com outros governos (em que sim, houve corrupção, mas nada que se compare a essa metástase atual), etc.
        Essas pedaladas, enquanto praticadas alegre e compulsivamente, eram noticiadas na imprensa. O Mantega dizia apenas que nada havia de anormal.
        Esse descalabro vai afetar direitos de gerações futuras.

        Eu tenho minhas convicções. Outros podem ter outras. Direito do contraditório. Ninguém é dono da verdade – só o Lula (a Dima é apenas uma sociopata) – mas os números mostram que o país está numa pindaíba. Quem o colocou aí?
        Não foi a Globo nem os banqueiros.

        Na verdade postei aqui a 1a vez pq não concordo com a posição da colunista que, ressalte-se é uma democrata na medida que permite aqui o contraditório.
        Disse que não é apenas um menino de 17 anos defendendo seu ponto de vista que nao merece ser linchado por uma turba.
        Afirmo que ninguém em defesa de seus pontos de vista pode ser linchado por uma turba. Pouco importando ambas as opiniões políticas.
        Em sua resposta a colunista citou a “midia venal”.
        Pedi a nominação da mesma, já que leio O Globo, Estadão, Folha, Correio Brasiliense, Veja, Carta Capital. No carro alterno entre BandNews e CBN.

        Se isso tudo for venal, cada um a seu modo, sobra quem?

        Abs

  14. É o ódio fascista nas ruas…. Dos ricos e da classe média branca…. Exatamente como Lula falou em seu discurso na manifestação de hoje na Av. Paulista. Sorte que contra esse ódio todo ainda temos Vitor e tantos outros!
    NÃO VAI TER GOLPE!!!!!

    • Golpe realmente não haverá, Mira. O Impeachment é previsto na Constituição, e o apoio da OAB confirma o que digo.

        • Pois, é. Eu creio que vcs estão enganados. Mas, talvez, fosse até bom que estivessem certos. Porque, daí, o país finalmente passaria por uma revolução de verdade, no sentido clássico das lutas de classes e, talvez, emergisse melhor do outro lado depois de bem lavado com muito sangue e lágrimas, como tem que se o processo de depuração de qualquer sociedade civilizada. Vcs parecem muito felizes enquanto pensam que o sangue que escorre é só o nosso. Vão pensando.

  15. Quem dividiu o pais entre “nós” e “eles”, e marginalizou quem não estava com o “nós”?
    Quem promoveu pedaladas para sustentar um estelionato eleitoral?
    Quem manda aqueles que não estão com “nós” tomar no c* (experimente mudar de lado, “nega”, como diz Jacques Wagner)?
    O rapaz foi vítima de exaltados, e a turba exaltada sempre promove justiçamentos regado a destemperos.
    Mas a sra deve saber disso, sendo tão “close to” Lula. Como é que a sra acha que os MST´s, as CUT´s, os MSTU´s, dentre outras organizações “democráticas” e potáveis” que tais, fazem? Distribuem flores?
    A sra atrela a sua biografia a uma quadrilha que rouba como nunca se roubou no Brasil; destrói estatais como nunca se fez por aqui (é o maior escândalo corporativo do mundo, em todos os tempos!); obstrui a justiça e tem grande desapreço por instituições.
    Justificar tais atos dizendo que Lula tirou 20, 30 milhões da pobreza é apenas turbinar o famosos “rouba mas faz” (e como se roubou!!!)
    Direito seu.
    Só não pode dizer depois que a cigana lhe enganou.
    Att

    • O senhor quer justificar o injustificável: espancar uma criança. O senhor me dá até o direito de especular se não seria também um dos espancadores, o que eu não faria, mas o senhor especula a meu respeito. Não estou atrelando nada a nada, o senhor é que está precisando desatrelar sua inteligência do que lê numa mídia venal que manipula a sua cabeça. E se o que eu escrevo o incomoda não é obrigado a me ler.

      • Ao contrário, sra, não justifico a bestialidade. Apenas coloco que esse clima foi iniciado lá atrás, quando os poucos que ousavam contestar Lula eram os “eles”, e eram marginalizados por isso.
        Um garoto não tem a noção dos riscos que corre ao enfrentar uma turba.
        Mas uma turba é sempre covarde ao emparedar seja lá quem for.
        Ontem uns desmiolados apoiadores de Lula quiseram dar com pau em uns desavisados que foram na Paulista exibir faixa contra Lula.
        Disso, certamente a sra certamente não vai se ocupar.
        O que me leva a especular que se uma criança gritar “fora Lula” em meio ao MST e for espancada a sra achará que será uma medida corretiva apenas.
        Quanto a minha inteligência, não se preocupe. Ela está ao lado daqueles que estão sofrendo com o desemprego, e malefícios causados pelo desgoverno que assola esse país. Também está ao lado de entidades tais como a OAB, do Juiz Moro, dos bravos procuradores que ousaram lancetar esse tumor que está se esvaindo.
        Estou em boa compania. A sra certamente não está do meu lado, nem da deles.
        Quanto a “mídia venal”… Francamente… Seja mais corajosa, a nomine.
        Caí no seu site por acaso, não tenho o hábito de lhe ler.
        Mas é espantosa a sua última linha!
        O site é seu, expressa a sua opinião, decerto. No entanto, se há espaço para comentários licito supor que haja espaço para o contraditório. A não ser que a sra deseje apenas aplausos em forma de linhas.
        Continuo esperando a sra nominar as “mídias golpistas”.
        E também quais não são.
        Quem sabe não fico ainda mais inteligente?
        Mas, sabe, acho que a sra vai dar um jeito de me ofender mais ainda e passará ao largo.
        Sds

        • Se é por falta de denominação, para que fique mais claro para o seu entendimento que não lhe permite enxergar os “…bois…”, não seja por isso. A voz do Golpe chama-se Rede Globo de Televisão. E o dono da voz que ecoa pelos seus canais chama-se Mercado. Quem são os operadores do Mercado? Também para facilitar o seu entendimento que imprescinde de denominações simplificadoras, posto que trata-se de uma entidade de complexas constituições e ramificações em todo o planeta, pode-se chamá-lo Bancos Itau (Roberto Setubal), Bradesco (Trabuco) e outros agentes autorizados a praticar no Brasil a agiotagem legalizada, mas imoral. Ao fundo de toda essa corrupção está o sistema capitalista que permite a acumulação de riquezas e poder na mão de poucos, em detrimento da míséria de milhões e corrompe a tudo e a todos. Pronto. Estão aí os nomes para o inteligente comentarista.

          • A Globo… Oh! Estava mesmo alguém falar nela.
            Todo orgão de imprensa tem o direito, e o dever, de se posicionar.
            Assim fazem o Le Monde, de viés socialista; o NYT, sempre apoiando os Democratas, p. ex.
            A Rede Globo tem aberto espaço equânime para que ambos os lados se manisfestem.
            Não assisto a outras redes de tv. Amigos que o fazem me diziam que a emissora de um sr., dono de tv, que dizia Lula ter parte com o capeta o apoiava incontinente.
            O sr. talvez goste dessa postura republicana.
            O sr, que vive no fantástico mundo de Dilma, criado pelo encarcerado João Santana, se refere pejorativamente ao Setúbal e Trabuco.
            Cuidado! Se o fizer na presença do Lula vai tomar um passa-fora deste.
            A simbiose bancos-PT nunca foi tão profícua quanto nesses anos de lulopetismo.
            Esses cidadãos são mais petistas que o sr.
            Ou o sr. é um “psolista”, bando formado por petistas envergonhados?
            Dê-se o direito de ficar um pouco mais inteligente: reflita.
            Quem vem com conversa mole de “lucros legais mas imorais” não tem inteligencia para ver que, se são imorais, o são pq o governo os paga. Voluntariamente.
            Não fique com velhos chavões carcomidos na cabeça.
            Poucos governos tiveram tanta força na história brasileira qto os lulopetistas.
            Usaram a maior parte desta força para satisfazer seus apetites fisiológicos.
            E continuam a fazer.

      • Hilde, este Sr., me parece coxão: especulo também, deve ter mamado vinte anos nas tetas da ditadura militar, agora defende outro golpe – ou pensa que não houve corrupção na época dos militares, momento de trevas, nada podia ser apontado, o Estado Terrorista: sequestrava, torturava, matava, ocultava a vítima e cometia fraude processual – repito: não sou petista, sou filiado ao P-SOL, mas temos que respeitar o estado democrático, Dilma foi eleita, não queremos terceiro turno. A jornalista, sempre demonstrou serenidade, sentimento que eu confesso não teria, pelo que a família viveu, desaparecimento de irmão e falecimento de mãe em desastre estranho, operação criminosa, Zuzu era mulher de coragem e indignada. Parabéns Hilde, reflexo da mãe,
        uma das poucas vozes do Jornalismo da Legalidade.

        • Meu chapa, como dizia Confúcio, a invectiva só desonra o autor.
          Vc fala em tortura, em “mamadas” na época da ditadura e sandices conexas.
          Nasci 3 anos antes de 64. Não tive nada a ver com aquilo. Não tenho familiares militares, ninguém pegou dinheiro em banco público.
          Vc é do PSOL? Bom pra vc, apenas um petista envergonhado. Os petistas com coragem seguem no partido.
          Se eu fosse mais condescendente contigo, diria que se os fatos mudam, lícito mudar-se de opinião.
          Não é seu caso, que julga os que de vc discordam “coxões” .
          Muito democrático de sua parte, grande respeito a divergência de opiniões vc manisfesta.
          É de se imaginar um bate papo entre vc e da. Marisa Leticía mandando todo mundo tomar… Enfim, vc deve ter se deleitado com que ela disse.

          O que eu disse a jornalista dona do blog é que condeno TODA MANIFESTAÇÃO DE UMA TURBA CONTRA QQ PESSOA, seja ela que credo político ou religioso comungue.
          A jornalista teceu “especulações” a meu respeito, e eu teço as minhas sobre ela.
          Não especulo que ela ache normal uma turba emparedar algum jovem que diga “abaixo Dilma” em um comício po-Lula. Tenho certeza.
          O que desejo saber da jornalista é que ela nomine a “mídia venal” aludida em sua resposta a mim.
          Para isso é preciso coragem.

          • Vale dizer: as torturas e as mamadas na época da ditadura não foram sandice, obviamente.
            Sandice do contedor é fazer conexão entre o que comentei com o momento atual.

          • Caro Luiz Pereira. Já que vc tem certeza que sob provocação a manifestação organizada e voltada a uma causa comum reage da mesma forma que a manada dos que são do contra, por que será que só ha registro de aberrações desse tipo naquela que os manifestantes dizem-se bem informados e sem interesse em política?

            Vc faz crítica a alguém que classifica o outro de rótulos, mas também não o chamou de psolista, segundo suas palavras, um petista arrependido? Quanto a mídia venal, corrupta, corruptora, chantagista e golpista compulsiva, não há necessidade de nominá-la porque todo mundo bem informado sabe que é o CArtel Midiático liderado pela GLOBO.

            O Sr. disse que a Dona Marisa mandou alguém ir tomar alguma coisa em algum lugar. Vc evidentemente não considera mais importante do que o xingamento revelado, o fato dele ter sido divulgado a partir de uma interpretação ilegal, invasiva da privacidade e dos direitos da cidadã que parece ter chocado as “pessoas boas” com o que disse. Não foram essas pessoas boas que em público e em conjunto, em coro, mandara a Presidenta da REpública para o mesmo lugar, para ir tomar no itauuuuuuuu? Isso é bonito para os hipócritas fascistas, mas é muito mais grave e revelador do padrão de civilidade que vc parece defender.

            Voltando à Dona Marisa, eu acredito que muita gente em privado ou em público teriam desejo de mandar os analfabetos políticos paneleiros que pretender destruir um projeto de país, sem ter a menor ideia do que se pretenderia colocar no lugar, para um lugar bem mais desconfortável do que o itauuuuuuu!! Eles não sabem a história e parecem desconhecer que quem planta vento colhe tempestade.

    • Não adianta discutir com PTralhas ,eles não querem ver o obvio,claro que não justifica o que fizeram com o garoto,e vamos combinar uma coisa gritar “Não vai ter golpe “no meio daquele povo ,só foi para provocar,é mesma coisa de gritar Palmeiras na meio da torcida do Corinthians ,esse quer respeito ,mas não respeita o direito do outro? Vivemos dias difíceis ,onde pessoas ainda tem a mente comunista,não adiantou de nada o que já´sofreu

  16. Debate é lutar por uma causa justa, não é bater um no outro, a dialética nos ensina que os conflitos originados pela contradição entre princípios teóricos devem ser resolvidos pelo processo de diálogo em busca da verdade e não de violência, portanto hoje todos que amam a legalidade e a democracia devem se manifestar nas ruas como Victor, e o momento é agora – Hilde fez um retrocesso histórico perfeito foi do Estadista Getúlio Vargas, passou pelo estudante mártir Edson Luís, morto em 68 e depois os jovens de minha geração que desapareceram na década de 70; junto a voz do jovem adolescente com a minha de 70 anos de idade e gritarei, hoje nas ruas de minha cidade : NÃO AO GOLPE ! Abraços a jornalista lúcida de Sérgio Rubem Coutinho Corrêa. 051841 OAB

  17. São os novos DONOS da VERDADE SUPREMA !Mas que não tem este mesmo C………..quando um Pivete Bandido, lhes aponta uma faca e lhes rouba o Celular!!! Pra mim, assassinos em potencial, pois teriam matado o garoto se a PM não estivesse lá ! Meu Porteiro, 10 anos no prédio, ia pra casa na Favela da Mangueira, vestindo camisa surrada, Polo VERMELHA, que ganhou do Desembargador que mora na Cobertura e lhe dá todas suas roupas usadas. Foi obrigado a descer do ônibus no meio do Aterro,e quase apanhou de uns 5 COXÕES de Academia, por causa da cor da cor da camisa !! Indo tomar injeção na Farmácia do Leme, ontem, uma senhora idosa, lá pra tirar pressão, reclamava dos abusos e ofensas que sofre no Prédio,onde mora só, por saberem que votou na Dilma !! Dejá vú? Que sorte a minha que sou tb Cidadão Americana !!!

  18. Corajoso menino…. mas poderia ter perdido a vida nisso. O povo está insano! Confesso q estou com medo da situação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *