Ministro que tirou o Canadá de crise fala no Rio sobre como o país superou o mau momento

Ele é “o Cara”, aquele que tirou o Canadá de crise tão grande que já estava sendo comparado aos países do Terceiro Mundo. E John  Manley veio ao Rio de Janeiro discorrer sobre como seu país conseguiu superar a fase negra e retomar patamar de uma das mais importantes economias do mundo.

O cônsul-geral Sanjeev Chowdhury recebe amanhã, no Cebri, na Associação Comercial do Rio de Janeiro para evento especial, com a presença de John Manley, ex-vice-Primeiro Ministro e ex-Ministro da Fazenda do Canadá, e do novo Embaixador do Canadá, Rick Savone.

John Manley vem discorrer, para uma plateia com número limitado de participantes, e todos com perfeita compreensão do inglês, sobre como o Canadá conseguiu enfrentar e superar o mau momento vivido nos anos 90, quando, em 1995 seu déficit público e as dívidas alcançaram níveis tão altos que o Wall Street Journey o classificou como “membro honorário do Terceiro Mundo”.

Manley foi “o cara” que conduziu o Canadá à retomada do desenvolvimento e ao sucesso de sua economia.

Uma lição de experiência e know how sob medida para o atual momento brasileiro. Uma palestra para ser escutada com atenção por nossas autoridades e que pode ser bastante proveitosa, esperamos.

Resta saber se, na década de 1990, o Governo do Canadá contava com uma pressão negativa de sua mídia e de outros setores tão forte quanto a que o Governo Brasileiro enfrenta nos dias de hoje.

canadá palestrante

 

 

3 ideias sobre “Ministro que tirou o Canadá de crise fala no Rio sobre como o país superou o mau momento

  1. Querida Sra. Hildegard. Sem maiores estudos e conhecimentos é possível afirmar que as condições enfrentadas pelo ex-vice-Primeiro Ministro e ex-Ministro da Fazenda do Canadá nas suas ações para restabelecimento do equilíbrio econômico das contas do seu país nem de longe poderiam se parecer com a completa condição de ingovernabilidade que assola hoje o nosso país. Certamente lá, e em nenhum outro país civilizado do planeta há um sistema de comunicações dominado por empresas privadas organizado em forma de cartel em todo o território nacional fazendo sistematicamente política partidária e ideológica 24 horas por dia contra o governo central do país, negando-lhe legitimidade para exercer o mandato popular que lhe foi outorgado e estimulando o sentimento golpista na população diariamente. Mas esse é apenas um dos aspectos peculiares que aflige e empareda o governo de plantão eleito há dois anos e impedido de tomar posse até hoje. O que agrava o quadro tornando-o absolutamente diferenciado de qualquer país civilizado é que as instituições como judiciário, MP e outros órgãos de controle, até a PF, em tese subordinada ao Governo, estão contaminadas pela atuação de agentes PÚBLICOS corruptos que estabeleceram parceria com o permanente movimento golpista dos empresários PRIVADOS das comunicações e, para completar, os tradicionais políticos que deveriam fazer oposição ao governo e nunca desempenharam esse papel, recusaram o resultado das eleições e aderiram ao movimento golpista. Desta feita foram inviabilizadas a frágil governabilidade outrora existente baseada em alianças com partidos da base governista historicamente fisiológicos e derreteram-se os pilares de sustentação do Estado. Construíram sistematicamente a ingovernabilidade e juntos com o aparato midiático acusam o Governo de ser incapaz de governar. Nesse quadro de tamanhas adversidades sem as mínimas condições de governabilidade não haveria nem há John Manley que resolvesse ou resolva o que quer que seja. A grande mídia sempre foi contra o Brasil, vide:

    “Uma breve história da luta da grande mídia contra os interesses nacionais”

    Por Leandro Severo em Carta Maior
    http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Uma-breve-historia-da-luta-da-grande-midia-contra-os-interesses-nacionais/4/28103

    mas nunca tivera antes a adesão massiva de servidores públicos corruptos que subverteram as suas funções nas instituições do Estado em favor de interesses comerciais privados.

  2. “Resta saber se, na década de 1990, o Governo do Canadá contava com uma pressão negativa de sua mídia e de outros setores tão forte quanto a que o Governo Brasileiro enfrenta nos dias de hoje.”
    Nao, claro que nao. Ate hoje a Faux “news” nao e permitida operar naquele pais maravilhoso! 95% de minha familia sao cidadaos “canucks” outros ja nasceram la.
    POREM, querida Hilde, nao e possivel comparar o alto nivel de educacao e intelectualidade do povo canadense, com o brasileiro.Canada INVESTE NA SAUDE E EDUCACAO DE SEU POVO! Ja o Brasil……Abcs cordiais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *