*FUDIDOS DE VERDE E AMARELO

 

Hildegard Angel

Vendo o Brasil seguir escoando pelo bueiro. Vai, Brasil, diluído em sangue, água suja, chorume e vômitos dos doentes. Sentada no meio fio da História, acompanho com os olhos e um nó no peito o caminho célere da Nação, dissolvida em óleo de cloroquina, até o ralo dos infernos. Segue, altiva, e por vontade própria.

O Brasil se encaminha de peito inflado e cabeça erguida na direção do cadafalso. Hipnotizado por inverdades, abduzido pelas falsas versões, lá vai ele, em inocente ignorância, com o pescoço já azeitado para facilitar a lâmina da guilhotina. Vai de verde e amarelo, dançando funk no tik tok, alegre, risonho, espalhafatoso, como é de sua ingênua natureza, bradando hinos e palavras de ordem. “Fora STF”, “Fora Congresso”, “Pela intervenção militar”, “Queremos nosso Brasil de volta”.

Não bastou o Mensalão encarcerar os sobreviventes combativos de 68. Não bastou o golpe interromper o mandato da presidenta honesta. Não bastou a Lava Jato destruir nossa indústria da construção, a indústria naval, nosso projeto nuclear, nossa indústria de óleo e gás. Não bastou a prisão ilegal de Lula. Não bastou a retirada dos direitos do trabalhador brasileiro. Não bastou o massacre de nossas pensões e aposentadorias. Não bastou o rolo compressor no ensino básico. Não bastou a precarização máxima das universidades públicas. Não bastou o corte de nossos programas de bolsas de estudo e incentivo à Ciência. Não bastou a satanização da Cultura, através do falseamento da Lei Rouanet. Não bastou o projeto de destruição do SUS, a redução drástica dos leitos, os cortes de verbas.

Não adiantou a devastação recorde de nossas florestas, a liberação de invasões pelos grileiros do grande capital, o assassinato dos indígenas pelos bandidos do garimpo. Não bastou o desmonte dos órgãos de controle de tudo. Não bastou a liberação de armamento pesado para bandidos e milicianos. Não bastou o aparelhamento da AGU, da PGR, da Polícia Federal, da Receita Federal, do Judiciário. Não bastaram os três bilhões para o Centrão. Não bastou a venda fatiada da Petrobrás. Não bastou a entrega de nossos aquíferos ao projeto da privatização.

Não bastou o sufocamento dos programas sociais. Não bastou a volta dos pratos vazios, a epidemia da fome. Não bastaram as latas de lixo revirando restos, os esquálidos de mãos estendidas nas calçadas, crianças chorando nas ruas porque têm fome. Não bastou faltar leitos nos hospitais para os doentes e covas nos cemitérios para os mortos. Não bastou meio milhão de brasileiros exterminados pelo descaso, a inépcia, o projeto de morte de um genocida, que se compraz com o sangue derramado, pois sua especialidade – declarou –  “é matar”.

Agora, a horda ensandecida, que capturou nossa Bandeira, quer uma ditadura, grita por ela, implora, discursa. Quer a repressão dos diferentes. Quer o pensamento enclausurado, bocas caladas, línguas arrancadas.

E já nos furam os olhos à bala. Já nos prendem por nos manifestarmos. Já exigem o porte de documentos. Já nos incriminam se estamos em grupo. Já censuram a mídia independente através de ações judiciais, com sentenças espúrias e multas, que ninguém pode pagar. Jornalistas oprimidos já se reúnem em vaquinhas solidárias, para poder continuar a falar, a denunciar, a ser.

E continuam a achar pouco.

*Considerem a palavra chula grafada ‘no popular’ uma licença poética de quem cresceu e viveu evitando dizer e escrever palavrões, mas meu copo, até aqui de mágoa, apreensão, tristeza,  transbordou.

15 ideias sobre “*FUDIDOS DE VERDE E AMARELO

  1. Fantástico artigo, merece ser emoldurado e incluído nos livros didáticos para ensinar e alertar as futuras gerações sobre os momentos sombrios de nossa história.

  2. Excelente texto como sempre! Infelizmente sempre tem um gado escroto sem educação e sem escrúpulos, um verme inepto que ganhou voz na rede pra zoar o conteúdo. Dia 19/06, seu lixo ambulante, você vai sentir novamente a nossa força e a nossa verdade. Seu covarde! Vai ler “Tio Patinhas” que é do teu nível. A hora de vocês, inconsequentes irresponsáveis e criminosos, vai chegar!

  3. Há exatos dois anos eu estava em São João del Rey, atracado com um Kindle para o qual eu tinha baixado o velho e famoso “Ascenção e Queda do Terceiro Reich” (Wiliam Shirer). Não é um livro analítico, como os que hoje fazem sucesso. É um livro factual. Nas primeiras duzentas páginas do primeiro volume ele descreve a evolução de um Hitler soldado, passando pela tomada de um partido (o NSDAP_ para chamar de seu, seguindo por um rota sanguinária dentro do partido ate um Hitler que, intimidando e cooptando, foi calando toda a opósição.

    A leitura era tão aflitiva, tão prenunciadora do que estava por vir, que eu perdia a respiração e tinha que parar de ler. O que a Hildegard descreve é, pari-passu, o que o Shirer descreve no livro dele (que é do início dos anos 60).

    Por causa disso que eu conto na postagem anterior é que eu me impaciento quando leio o texto queixoso da Hildegard. Me impaciento porque ela é mais uma que descreve o horror em um quadro preciso e doloroso, mas sem apontar O PROJETO que é a fonte geradora do horror. Se bem que ela já dá dicas do que está por vir, o que é uma forma, ainda que indireta, de fazer o diagnóstico.

  4. Viramos um povo de dar dó…
    Há pouco tempo, quando contávamos pra alguém que somos brasileiros a reação positiva era imediata. Hoje, a reação é de pena… “Meus pêsames “. Que ruína! Creideuspai!

  5. Quanta verdade que nos esquecemos de ver e denunciar.
    Mas há uma voz que se levanta e nos desperta.
    É demais! Suportaremos mais ainda?

  6. Parabéns, Hilde! Você herdou de seu irmão a coragem e os ideais de justiça e solidariedade e de sua mãe, o talento, a força e a ternura – mesmo quando escreve palavras duras e chulas. Tem minha admiração eterna. Um beijo.

  7. Você é uma vagabunda, não vale nada, estou na torcida para que o vírus te encontre, peso na terra !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *