Fim de semana na Fazenda Guaritá como só dom Catito I e Único sabe (e pode) proporcionar

Fim de semana na Fazenda Guaritá, de Omar Resende Peres, em Rio das Flores, pra lá de Vassouras, é pra não se esquecer nunca mais. Até porque anfitrião com tal categoria não se improvisa, já nasce feito, está no sangue, é talento natural.

E nesse item Omar, chamado Catito pelos próximos, melhora a cada dia.

O final de semana foi programado com pelo menos dois meses de antecedência.

Hospedados na Guaritá, eram 80 amigos, que desde a noite de sexta-feira começaram a provar das maravilhas do notável estrategista de bons momentos, o Catito.

A fazenda tem uma infinidade de apartamentos de hóspedes, um ao lado do outro, próximos à sede. Todos decorados com bom gosto master, mega, hiper, super, plus.

Depois de um primeiro drink no salão de estar, dominado por um belo quadro à la Debret, pintado por Carlos Anesi, todos desceram para o “Cinema Sergio Rezende”, no subsolo, onde foi servido no foyer um coquetel deliciosamente inacreditável, regado a Moët et Chandon, quando travamos o primeiro contato com a cozinha delicada e especial da chef Silvia Brandão Carneiro, prêmio “Melhor Catering da Espanha 2013”, trazida com sua equipe de Madri, por Catito, especialmente para o week end.

Logo entendemos o motivo de sua premiação: Silvia é ótima!

Depois do coquetel, subimos para o jantar, lugares marcados. Dois salões ocupados por mesas longas, senhoriais. Uma presidida por Catito, outra por Paulo Emílio Carneiro. As demais mesas, no terceiro salão, menores.

Paulo Emílio Carneiro era quem promoveria no dia seguinte, junto com Catito, o “1º Leilão Guzerá Vale do Café, Guaritá-Palestina”.

Guaritá, a fazenda do Omar. Palestina, a do Paulo Emílio, que vem a ser um Carneiro do ramo dos “Bodes”. Explico: ele é irmão do Antonio José Carneiro, o mítico “Bode” do mercado de capitais.

A mesa do dono da casa era só História. E muita. A toalha que a forrava pertenceu a Dom Pedro I. De algodão adamascado, com coroa e brasão, branco sobre branco, muito elegante. Os porta talheres de Lalique traziam esculturas de Dom Pedro menino duplicadas. Talheres de vermeil. Não era um jantar, meus amores, era um acontecimento histórico!

Copos de cristal, vermelhos e verdes, delicados, com minúsculas flores de ouro aplicadas em relevo perto da borda, exigiam muita perícia para o tinto não pingar na toalha. Mas pingava. E eu só preocupada com a lavagem da peça digna de ser tombada pelo IPHAN – quem teria tamanha responsabilidade? No dia seguinte, soube que seria uma antiga lavadeira da Maria Cecília Geyer, altamente recomendada. Ah, bom!

Na parede da sala de jantar, o famoso quadro da Princesa Isabel, que Lily Marinho presenteou a dom Pedro de Orléans e Bragança e veio parar nas ótimas mãos do colecionador Omar Peres.

A peculiaridade do portrait é ser o único em que a princesa porta a faixa azul de Regente do Império. Ela é apresentada jovem e bonita. Na parede próxima, o retrato do proprietário original da fazenda, visconde de Ipiabas, milionário da época. Sério, ranzinza, sem um décimo do charme do proprietário atual.

Peregrino José de Américo Pinheiro, o visconde, dos maiores produtores de café, dado a requintes como encomendar na Europa seus aparelhos de jantar a cada ocasião festiva, conforme contou-nos ele próprio (!), que a horas tais surgiu a caráter no salão, incorporado no ator Thadeu Santos, parecidíssimo com o sujeito do retrato, dando voltas em torno da mesa e nos fazendo longos relatos sobre a fazenda, a vida de sua época e até os vizinhos…

Contou mexericos sobre sua poderosa vizinha, Eufrásia Teixeira Leite, brasileira milionária, “amante” de Joaquim Nabuco, primeira mulher a investir na Bolsa de Paris! Seu palacete até hoje está lá inteiraço em Vassouras, aberto à visitação pública, tal e qual ela deixou quando morreu (aproveitei e fui fazer uma visitinha no domingo). catito mesa dom pedro IO Visconde de Ipiabas apareceu, no jantar encarnado no ator Thadeu Santos, e volteou a mesa contando várias histórias dos idos de 1800

 

O jantar terminou ao som de fados, cantados à capela, a pedido do anfitrião, pela lindíssima Cristina Ribeiro, casada com o presidente da Generali de Seguros do Brasil, José Ribeiro, um belo e finíssimo português, habitué com Cristina dos fins de semana na Guaritá.

Uma sucessão de encantamentos, iniciados com os blinis de salmon com mascarpone y mostaza dulce, as anchoas del cantábrico com aceite de oliva esferificado, o mini steak tartar com polvo de oro, do cocktail no subsolo; passando pelo salmorelo con bogavante su helado y crujiente de albahaca, o turrón de foie, polvo de caco, praliné y espuma de almendras, bacalao confitado, verduras asiáticas, salsa de naranja amarga, cordero de patata al aroma de trufa, no jantar; e terminando aos olhos semicerrados e à voz, que pingava lágrimas, da linda fadista morena de sobrancelhas grossas, Cristina, intensa, vibrando emoções….

Zzn_web2k7388

A linda fadista Cristina Ribeiro, voz de veludo e sobrancelhas grossas

Zzn_web2k8320Os anfitriões Lenise Figueiredo e Omar Resende Peres.

Depois do jantar da chegada, lugares marcados para 80, eles promoveram almoço com feijoada, no sábado, quando, à noite, houve leilão com 200 convidados presentes, os maiores criadores de gado Guzerá do país, que vendiam e compravam, e depois confraternizavam na maior euforia, cumprimentando-se mutuamente pelos bons negócios, como se pertencessem a um mesmo clube. Muito bacana o companheirismo dessa turma dos bois!

Presente, a verdadeira elite brasileira da pecuária. De Uberaba, encontrei os irmãos Franco, Mario e Dulce. Também de Uberaba, Ana Claudia Mendes Souza e o marido, advogado, Marcelo Mendo. Ela representa já a terceira geração de criadores. Herdou o gosto da pecuária do avô, Laurentino Mendes. Do pai, Edilson Lamartine Mendes, ela herdou a paixão de selecionar gado zebu de pura origem para melhoramento genético. Pura tradição, isto sim!

De Curvelo, Minas, Antonio Pitanguy Salvo, o maior dos criadores da espécie Guzerá. O criador de gado naquela região da Guaritá, Alberico Souza Cruz, e Regina, que foram ao jantar e ao leilão, passando antes no leilão do ator Murilo Benício e de Felipe Picciani, em fazenda ali em Paraíba do Sul.

De Pirajuí, São Paulo, a franco-belga Nicole Medaets, criadora de Guzerá e grande produtora de bananas (das maiores do país) em suas fazendas de Goiás e de São Paulo.

Zzn_web2k6860

Francesa de origem belga, casada com um belga, Nicole (na foto acima com Chico Andrade) foi do mundo das finanças, onde atuou com o banqueiro Edmond Safra. Quando se aposentou, resolveu recolher-se na vida rural e ser feliz. E é. Transpira vivacidade. Parecia uma criança quando dava lance no leilão: “Este é meu, é meu”, dizia baixinho ao meu lado, como menina quando anuncia seu brinquedo.

No dia seguinte ao leilão, Nicole acordou e foi plantar bananeira. Pensei que iria fazer ginástica de cabeça pra baixo, mas não, ela ia era pegar na enxada mesmo!

Para Nicole, não basta ser uma das maiores produtoras de bananas do pais, parece querer ser também uma das maiores plantadoras, ela mesma, cavando na terra!

Uma mulher que vive e respira a natureza plenamente. Estão aí explicados o brilho dos seu olhos, o viço de sua pele, os cabelos luminosos.

Havia também os que não são criadores, mas são amigos do Catito. Como Josa Nascimento Brito e Lucia Guanabara (mesmo sem fazenda, se animou e queria fazer lance num embrião, bem da Lucia!), Angela e Ricardo Fernandes, o advogado príncipe Alberto (que representa no Brasil os interesses do mega empresário Carlos Slim!) e a princesa paisagista Maritza de Orléans e Bragança, o presidente da Embratel, José Formoso, e sra. O jogador de duas Copas, Alemão, e sua mulher, Claudia Loureiro.
Antonio e Catia Avillez. O fotógrafo Antonio Guerreiro, como sempre apaixonado, e como sempre por uma bela mulher, a dele.

catito 10Catito Peres cercado por Josa Nascimento Brito e Lucia Guanabara, o casal José Formoso (ele na extremidade direita), príncipe dom Alberto e Maritza de Orléans e Bragança

Sem esquecer todo o clã Resende Peres: os irmãos do Catito, Mario, Marcelão e Roberto (agora com um restaurante em São Paulo, o Parson’s, mas doido de saudades do Rio); os sobrinhos; o primo Zezinho Peres (autor destas fotos, filho do saudoso secretário estadual de Agricultura do RJ, José Resende Peres).

Zzn_web2k7269Os grandes criadores de Guzerá, no jantar na Fazenda Guaritá, na mesa presidida por Paulo Emílio Carneiro, no segundo salão.

Zzn_web2k7063Durante o cocktail antes do jantar, no foyer do Cinema Sergio Rezende, subsolo da sede da Fazenda Guaritá, a linda anfitriã Lenise Figueiredo, Francis, eu e Nicole Medaets, fazendeira de Pirajuí, cidade de Carmen Mayrink Veiga.

Zzn_web2k6997Omar Resende Peres com Lenise Figueiredo, que mora em Roma de onde vem frequentemente para vê-lo, numa paixão que permanece ardente há nove anos. Desta vez, ela trouxe os filhos que estão de férias, dois deslumbres, Chiara e Bernhard.

Catito estava com seu par de filhas capotantes, Duda e Clarinha – com o marido colombiano, Norman Delmas, e os filhinhos do casal, Rafael e José Eduardo, e prestes a se mudarem para a cidade de Barranquilla, onde ele vai dirigir um empreendimento turístico do pai.

Zzn_web2k6972Os fazendeiros criadores de Guzerá, Antonio Pitanguy de Salvo, Dulce Franco, Paulo Emílio de Almeida Carneiro com Marlise Figueiredo e o casal Fernando Maximiliano

Zzn_web2k6735Antonio Pitanguy de Salvo, que é primo do professor Ivo Pitanguy, a encantadora Nicole Medaets e Adriano Varela

Zzn_web2k6433Os três chefs madrilenhos vieram da Espanha trazidos por Catito para assinar os “comes” do fim de semana, com a chef premiada Silvia Brandão Carneiro, e deram um show de bola!

Zzn_web2k7418Chico Andrade, jornalista ex-militante da Aliança Libertadora Nacional

Zzn_web2k7858Claudio Pereira, sócio de Roberto D’Ávila na empresa de comunicação corporativa CDN, em que empregam 550 jornalistas, e José Ribeiro, presidente da Generali Seguros do Brasil

Zzn_web2k8631Regina e Alberico Souza Cruz, que foi o todo poderoso do jornalismo da Rede Globo ao tempo em que Boni era o todo poderoso da programação, Simone e Marcelão Resende Peres, administrador da Fazenda Guaritá

Zzn_web2k6567O touro campeão vendido no leilão para a fazendeira Débora Fontes, que inaugura com ele sua criação de Guzerá. Diz a lenda que esse touro é tão mimado que toma banho duas vezes por dia com xampu pra ficar bem cheirosinho, hummmm….

O leilão foi tudo. As vacas desfilaram como “misses” e os touros pareciam garotões sarados exibindo os bíceps. Todos os lances eram transmitidos ao vivo pelo canal Terra Viva, durante um coquetel requintadíssimo preparado pela equipe de chefs espanhóis, com garçons usando folhas de jiboia como bandejas para servirem petiscos. Mucho charmoso.

Zzn_web2k7378O trenzinho Maria Fumaça da menor ferrovia do mundo, circulando apenas dentro da Fazenda Guaritá

Zzn_web2k8330O concerto na programação do Festival do Vale do Café, com o piano de Gilson Peranzzetta e o sax de Mauro Senise, interpretando Caymmi e Guerra Peixe, um show à parte nos três dias de festança.

Ao fim do recital, a locomotiva Maria Fumaça, simpática, apitou fazendo coro aos aplausos e arrancando do publico gostosas gargalhadas. Catito pensa em tudo para agradar seus convidados!…

Zzn_web2k9096Depois dos lances do leilão, das emoções (duas vacas vendidas por 120 mil, uau!), houve os fogos de artifício capotantes, encerrando com a mensagem em letras brilhantes: “Parabéns, Catito!”, o aniversariante.

 E, por fim, o bailão! E todos dançaram e dançaram e dançaram, ao som do DJ Marcelo, levado do Rio, que abriu a pista com os hits “disco” dos anos 70 e 80, e adentrou pelas décadas seguintes… A horas tantas, lascou um “Catito mio”, causando sensação… Porém, quem provocou frenesi de fato na pista foi a linda Patrícia, loura e jovem mulher do empresário de comunicação Cláudio Pereira, sócio do Roberto D’Ávila.

 Em seguida ecoou nas pick ups a voz da Anitta: “ba-ban-do”. E as fazendeiras e os fazendeiros não negaram fogo. Ba-ba-ram direitinho na coreografia…

Agora é esperar sen-ta-dos por outra ocasião como esta…

Que venha de-pres-sa

Fotos de Zezinho Peres

catito e carlos anesi

Sobre a mesa-bar, o óleo de Carlos Anesi

catito e mesa de jantar

A longa mesa para 20 comensais, no jantar da véspera, foi coberta por toalha branca de algodão adamascado, com brasão de Dom Pedro I, que pertenceu ao próprio Imperador!

catito e gatinha manhosaO anfitrião Catito Peres assumiu o microfone e cantou “Gatinha Manhosa”, durante a feijoada de sábado na Destilaria Chico Andrade, que leva o nome de seu amigo, antigo militante da ALN. É naquele alambique, com imensos tonéis de madeira, que ele produz a cachaça famosa “Pinga do Catito”. Cada convidado partiu levando sua pinga, com o ar vitorioso de quem ostentava um troféu!

Durante a feijoada, em mesas armadas no entorno da Destilaria Chico Andrade, já tínhamos uma prévia do desfile dos Guzerás, assistindo à passagem dos touros e vacas, que já saíam do estábulo para passar pelo martelo à noite. Um show à parte, principalmente para a bem situada mesa da família dos “Bodes”, com Antonio José Carneiro, ao lado de Lucia e os muitos irmãos, todos igualmente simpáticos e praticando o mesmo apelido. “Eu sou o “Bodinho”, disse-me o caçula, em tom de brincadeira.

catrito lucia e leli

Quem também brilhou no microfone foi Lucia Guanabara, a amada do Josa Nascimento Brito, aqui com a princesa Leli de Orléans e Bragança. Uma temporada de brasões de todas as espécies: nobiliárquicos, financeiros, culturais, literários, ideológicos, culinários, pecuários…

catito e leniseLenise Figueiredo e Catito Peres, os hosts mais festejados

Sequência acima de fotos by Lucia Guanabara

catito muranoLustre de Murano cor de fogo lapidado, na sala de almoço da fazenda (quando descrevi para Carmen Mahyrink Veiga, ela disse: “E eu que não vi isso. É tudo que eu amo!”)

catito são roqueA placa foi colocada no altar da capela da Fazenda Guaritá, em fevereiro de 1856, pedindo proteção ao “glorioso São Roque” contra  a peste.

catito livingPlano geral da sala de estar, com a mesa de centro coberta por livros de sofisticação e de arte, evocando os tempos imperiais, inclusive um de receitas e menus das festas da Família Imperial Brasileira. Eram horas folheando e ainda se pedia “quero mais” – show!

catitp silvia brandão

A chef premiada Silvia Brandão Carneiro veio da Espanha com seu staff para fazer o coquetel seguido do grande jantar da abertura, lugares marcados para quase uma centena de convidados, com menu de capa dura, e preparar o coquetel-festa do leilão-baile, no sábado…

Silvia também é do ramo dos “Bodes”, sobrinha do Antonio José Carneiro, já animado em investir num restaurante dela no Rio de Janeiro.

Que os anjos digam amém!

Ah, que privilégio ter feito parte desse Rebu da vida real, sem-corpo-na-piscina e com happy end TO-TAL!

Fotos finais, por esta Hildegard

4 ideias sobre “Fim de semana na Fazenda Guaritá como só dom Catito I e Único sabe (e pode) proporcionar

  1. Parabens, linda a festa!!!

    Estou precisando do email do Dr. Omar Perez, eu moro em Juiz De Fora, e me desculpe usar este espaço para vir pedir o contato dele.

    Mas, se vc puder passar esse email para ele.
    Diga que e sobre a loja de Empadas que ele frequentava sempre em Juiz de Fora. Agradeço desde já.

  2. Gostaria de deixar aqui meus parabéns para vc Omar.
    Convivi muitos anos com sua mãe Maria Amália , pois eu era sua costureira e sempre ouvia as historias de vocês
    Eu morava no bairro bela vista em Leopoldina e sua mãe sempre uma pessoa linda gentil e educada
    Parabéns
    Jane

  3. Oi Hilde,que belo evento e que bela reportagem! Vc descreve tão bem os detalhes que eu me “senti” sentada numa daquelas mesas! Parabéns !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *