EVA WILMA, A VIVINHA, DIFÍCIL PASSAR POR ELA SEM SE TORNAR AMIGA

Eva Wilma festeja 80 anos de vida e 60 de carreira com o espetáculo “Azul resplendor”, que hoje estreia no Teatro Ginástico. Seu debut artístico na TV, em 1954, foi fazendo uma dupla amorosa com o Marido John Herbert, Alô doçura em São Paulo, Alô querida no Rio. Foi sucesso o tempo todo e em tudo. Na TV, no cinema e no teatro, em que começou antes, em 52.

Prendada, Eva Wilma, a Vivinha, também foi bailarina. Quis o destino que eu testemunhasse muito de perto o  momento teatral de Vivinha que foi, na minha singela interpretação, um divisor de águas teatrais da atriz…

Depois de espetáculos ligeiros, de estrondoso sucesso, como Boeing Boeing, no Teatro Copacabana (do Hotel Copacabana Palace), Eva Wilma aceitou o desafio de ser a protagonista da peça de conteúdo político, um texto denso, de Arthur Miller, As feiticeiras de Salém, The Crucible.

A direção era do mestre da carpintaria da montagem teatral João Bethencourt. A produção, de Reinaldo Loyo (mais tarde, Loy). O ano, 1965. Vivinha contracenava com Oswaldo Loureiro, Rodolpho Mayer, Italo Rossi, Cléa Simões, Grande Otelo, Rosita Thomáz Lopes, Liana Duval e outros grandes da época. E dava um banho em cena. UM show de verdade, Intérprete notável. E linda!

Foi minha estreia no teatro, aos 15 anos. No elenco havia outras estreantes, como Djenane Machado e Marieta Severo.

Vivinha, amorosa, recebia-nos em casa após alguns espetáculos. Eram reuniões agradáveis, alegres, familiares, das quais participavam o marido, John Herbert, e os filhos pequenos. Às vezes tinha cantoria. Vivinha cantava. Marieta também. Eu e minha irmã, também atuando na peça, íamos com minha mãe. Ficamos todas amigas. Aliás, acho que todos que passam pela vida de Eva Wilma ficam seus amigos. Não há como perder essa oportunidade.

Em seguida, ela fez um outro trabalho notável, em O santo inquérito, de Dias Gomes, no Teatro Jovem.

eva-feiticeirasCena de As feiticeiras de Salém, com Eva Wilma, Ana Maria Chiarelli, Cléa Simões, Lucia Marina Acioly e Marieta Severo

Não nos vemos muito, mas nos gostamos bastante. Foi uma companheira amiga, solidária, amorosa, extraordinária, para Carlos Zara. Na saúde e na doença.

Uma ideia sobre “EVA WILMA, A VIVINHA, DIFÍCIL PASSAR POR ELA SEM SE TORNAR AMIGA

  1. Amo está grandiosa atriz! É minha preferida entre todas as Divas das artes cênicas brasileira. Que Deus dê a Ela uma vida de muita saúde e de muita paz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *