BIA LOPES PARA NA MODA, BETH CARVALHO RETOMA NO PALCO E A SOBRINHA LU ALÇA VÔO EM TODAS AS DIREÇÕES

Depois de Santa Ephigênia, agora é a vez de Bia Lopes Chemises fechar as portas, após 12 anos causando em Ipanema com sua linha de camisas, as brancas sobretudo.

Uma série de fatores levaram Bia a tomar essa medida radical. O mais grave foi um problema neurológico que a impede de fazer viagens com a mesma frequência de antes, para garimpar acessórios para suas camisas que ninguém fazia igual. Além disso, o mercado de moda, com a concorrência chinesa, vai mal das pernas para o produtor brasileiro, com vendas difíceis e despesas muito altas.

Se Bia Lopes para na moda, Beth Carvalho recomeça na música. Ela volta aos palcos, depois de longa ausência por motivo de saúde, se apresentando hoje no Vivo Rio e, dia 18 de outubro, em São Paulo, no HSBC Brasil, ao lado da sobrinha, Lu Carvalho, que cantará duas músicas de seu CD O samba que eu sei

Beth Carvalho e Lu Carvalho-Tia e euBeth Carvalho com a sobrinha, Lu Carvalho, que na segunda-feira, dia 9, cantará em outro projeto em São Paulo, o LU AL do samba, com participação de Almir Guineto, no Bar Templo, na Móoca. O show se repete dia 23 de setembro, no mesmo palco, numa parceria com Almirzinho Serra, filho de Guineto…

2 ideias sobre “BIA LOPES PARA NA MODA, BETH CARVALHO RETOMA NO PALCO E A SOBRINHA LU ALÇA VÔO EM TODAS AS DIREÇÕES

  1. Olá hildegard , gostaria de saber se.a Bia Lopes ainda faz algumas camisas, obrigada pela atenção Cristina

  2. Hilde,

    Sobre a Bia Lopes, Sta. Ephigenia e muitos e muitos outros, que tombaram diante da entrada predatória dos chineses e seus seguidores, lembro-lhe que naquela festa maravilhosa que você fez para nos entregar o premio da mais bela vitrine do Natal, e a comemoração da criação do IZA, falei disto com o então Ministro da Ind. e Comercio, nosso conterrâneo Francisco Dornelles.
    Os coreanos já tinham dizimado nosso Parque Têxtil, as confecções de Belo Horizonte , Petrópolis, o comercio da Saara, 25 de Março, Barão do Bom Retiro etc. Já estavam começando a atacar nosso polo calçadista tão bom no Sul (e que veio quase a acabar tempos depois), sobrevivendo só mesmo os grandes tipo GRENDENE. Nossa exportação não pode nem chegar aos pés dos preços deles, embora na esquina o sapato já se desmanche.

    Falei a ele que corríamos o risco de um dia nossos netos virem a ser empregados destes amarelos, que não pagam impostos, não respeitam as leis trabalhistas (estive na China e em Taiwan – Formosa) e me horrorizei com os métodos de trabalho deles. Estamos caminhando para uma chinanização (desculpe o neologismo) global e ninguém está se dando conta. Nosso governo está encantado com a entrada do capital chinês mas se esquece de fazer leis que protejam o empregado brasileiro (mal qualificado, eu sei) nosso parque industrial etc. etc.
    É preciso criar cotas de reserva para a mão de obra nacional, criando em paralelo também, as respectivas escolas de profissionalização, não é?
    Não sou xenófoba mas alguém tem que lutar pela indústria nacional. Protecionismo é uma coisa, e o outro extremo (fronteiras abertas indiscriminadamente) é perigoso e predador. Onde eles chegam passam o rodo, vc. sabe.
    Esta conversa com o Dornelles e meu pedido de melhor atenção ao problema foi há quase 20 anos. Hoje estes chineses já estão “par tout”.
    No meu Flat temos uns 15 aptos. alugados a eles. Apesar de administrar vários aptos. aqui no LEBLON FLAT, me orgulho de não ter alugado nenhum para eles. Dizem aqui que quando saem tem-se que reconstruir tudo.
    No Colégio Teresiano, onde Giulia minha neta estuda, já tem vários alunos chineses também.
    Se vc. olhar em volta vai vê-los nos diversos segmentos de comercio e indústria, como formiguinhas. Sua capacidade de trabalho é a maior do mundo mas eu gostaria de ter o Brasil para os brasileiros em primeiro lugar.
    Desculpe o desabafo, mas vi tantas fábricas de tecidos, aviamentos, calçados, pequenas indústrias, colegas de profissão indo à falência por causa da concorrência desleal desses
    antigos tigres asiáticos (hoje já são leões, reis do pedaço) que me permito um pouquinho de xenofobia responsável.
    Boa noite.

Deixe um comentário para Cristina Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *