A diva de Almodóvar, Marisa Paredes, abre Festival do Rio

O Cine Odeon mais uma vez foi escolhido para a noite de gala da abertura do Festival do Rio. A Cinelândia ficou lotada de repórteres, fotógrafos e curiosos para ver as estrelas do nosso cinema nacional e a estrela espanhola Marisa Paredes, que compareceu para a apresentação do filme A pele que habito, do cineasta espanhol Pedro Almodóvar, e do qual Marisa Paredes é uma das protagonistas…

Cruzaram o tapete vermelho, as celebridades da noite e também algumas figuras míticas do cinema nacional, como o casal Luis Carlos e Lucy Barreto, Antonio Pitanga, a atriz-cineasta Ana Maria Magalhães, o casal Steve Solot e Kate Lyra, ele presidente da Motion Picture Association, e o polivalente Caetano Veloso, que também já dirigiu filmes…

O prefeito Eduardo Paes passou batido e não parou para as fotos, deixando os repórteres indignados. Já Caetano Veloso estava numa noite de extrema simpatia, totalmente “podis crer amizade”, e falou com todos e deu autógrafos e comentou: “Vir ao cinema para assistir à prémière do filme de meu amigo Almodóvar no Rio de Janeiro, não existe programa melhor no Rio “. Assim que chegou a estrela Marisa Paredes, os dois se abraçaram e ela ficou radiante como qualquer fã de Caetano e ele dela. Marisa vestia um longo vermelho feito pela estilista espanhola Marie Lafayette e também posou para os fotógrafos. Muito simpática, ela e Letícia Sabatella, belas e chiques. Adoram um black-tie. Os homens, na maioria, não aderiram ao dress code

Dentro do cinema, burburinho geral. Claudio Amaral Peixoto, Ney Latorraca, Deborah Colker, Alessandra Negrini, Antonia Fontenelle e Marcos Paulo, Mauricio Andrade Ramos com Paula Medeiros. A mestre de cerimônias da noite foi Giulia Gam, em longo de tafetá vermelho, que apresentou as diretoras do festival, Valquiria Barbosa e Ilda Santiago, ambas de longo, comme il faut. Afinal, são elas que fazem questão da gala, na abertura do festival…

Eduardo Paes subiu no palco e declarou que, nos últimos três anos, investiu 60 milhões no cinema nacional, em salas, distribuição e produção, com a Rio Filmes. E no próximo ano mais 20 milhões. Mas, a grande sensação foi Marisa Paredes, muito emocionada com a recepção calorosa. Ela agradeceu e falou em nome de Amodóvar: “Este filme que iremos assistir só foi feito porque existe a democracia na Espanha e liberdade que é o maior direito do artista”

Valquiria Barbosa lembrou a morte de Steve Jobs e dedicou o festival ao público carioca, que assiste e participa envaidecido desses 13 dias de maratona cinematográfica. E ainda comemorou a exibição de filmes do festival nas comunidades ocupadas pelas UPPs, inclusive no Morro do Alemão. Em seguida, todos puderam se deliciar com a nova obra prima do diretor espanhol, que no final foi aplaudido de pé…

A festa no Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, foi um grande desfile promocional da marca L’Oréal. As musas da marca Luiza Brunet, Alinne Moraes, Grazi Massafera, Taís Araújo, Paola Oliveira e Ildi Silva deram uma pinta geral e logo foram para casa. Não foram as únicas dissidentes: naquele local longe de tudo, a festa estava vazia, não demorou muito. Bobagem de quem não foi! Existe coisa mais inspiradora do que uma festa na residência do Imperador do Brasil?…

 

Festival do Rio 3948 A diva de Almodóvar, Marisa Paredes, abre Festival do Rio Marisa Paredes, a diva de Pedro Almodóvar , no tapete vermelho do Festival do Rio

 

Fotos de Sebastião Marinho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *