Intervenção militar no Rio é fim, não é consequência

Sabendo dessa súbita decisão de se intervir militarmente no Rio, temos que dar o devido crédito à Globo, que fomentou, através de seus veículos, esse clima de horror e insegurança na população do Rio de Janeiro, onde não parece que houve carnaval. Só crimes.

No último mês todos os telejornais da emissora iniciaram com crianças mortas em tiroteios no Rio. Todos. E flagrantes de assaltos. Três ou quatro imagens de celulares, que eles repetiam à exaustão. Carnaval do Recife só tinha frevo. Da Bahia, só axé. Do Rio, só destacaram violência, o carnaval vinha depois. Vergonha. Como os jornalistas da emissora se prestam a isso? Vão arder no mármore do inferno dos comunicadores.

Repetiram com requintes a campanha feita pela emissora contra o governo de Brizola, quando conseguiram satanizar os CIEPS com seu ensino em tempo integral. Projeto do visionário Darcy Ribeiro, que Brizola concretizou, e os jornalões, com grande eco da elite e da classe média, detonaram o que puderam. Findo o governo Brizola, cresceu mato nos Cieps. Foram abandonados, junto com o sonho de uma juventude carente salva das ruas e do crime, através do tempo integral na escola, até sua profissão. Hoje temos aqueles menores – abandonados pela sociedade – feitos bandidos. E ninguém se lembra. E todos reclamam disso, reclamam daquilo, mas não assumem as próprias responsabilidades, quer como mídia, quer como cidadãos. Reclamar é bom, né? Distancia a imagem de quem reclama do problema e exibe apenas seu dedo acusador. Mas não custa lembrar que, no local do primeiro CIEP, o CIEP modelo, no Panorama Palace Hotel, no Morro do Cantagalo, em Ipanema, o que há hoje é a sede do Criança Esperança. E o que se disse quando lá se instalou a escola para crianças pobres, em local nobre, de grande visibilidade e bem perto da favela do Cantagalo? “Que absurdo! Vão enfiar um monte de pivetes ao lado da casa da gente em Ipanema pra assaltar todo mundo”. Pois é. Parece que “pivete” de Criança Esperança é mais bem-vindo do que os de escola pública. E assim caminhou a hipocrisia nacional, até…. esta segunda campanha massiva e obsessiva contra o Rio, com fins e endereço certos: intervenção militar.
Ela serve bem ao propósito de muitos, que gostam de brincar de guerra, de metralhar cidadãos (pobres e pretos, sobretudo), de matar sem ter que dar satisfação. Afinal, foi aberta a alta temporada de caça, com soldadinhos de chumbo já em marcha em direção à Venezuela…

40 ideias sobre “Intervenção militar no Rio é fim, não é consequência

  1. Wilde, eu não sei quem é o culpado, só sei quem são as vitimas: nós trabalhadores honestos do Rio de Janeiro.
    A situação está insustentável.

      • Hilde, você é você, que é mais importante – sem desmerecer o Oscar Wilde…
        Lembrando que o Darcy Ribeiro já dizia que não investir em escolas implicaria em futuramente construir mais presídios.
        Convenhamos, a situação há meses vem recrudescendo e, ao que tudo vinha indicando, o Roberto Sá estava tentando uma melhor conexão entre as forças de segurança, de forma a melhorar o operação – e estava dando certo – mas falta recursos etc. De minha humble opinion , vejo que o Frankenstemer se sentiu “tuiutizado” com o Vampiro Neoliberal e resolveu dar uma de bom moço com essa intervenção (pero no mucho…) midiática para demonstrar força.e, se melhorar alguma coisa, dourar a pílula para ser o salvador do Rio. Ele é extremamente velhaco.
        Pode ser algo mais grave a acontecer, não se sabe, mas o Gen. Braga Netto não me parece aquele militar linha dura com ânsia de poder. Tomara que aja com sapiência.

  2. Lúcida e precisa! Na verdade, percebo essa ação como uma resposta a faixa colocada na entrada da Rocinha! É o medo do povo levar sua revolta para as ruas. Mais um sinal do estado de exceção que o Golpe nos apresenta!

    • INTERVENÇÃO MILITAR

      São várias páginas.

      Combate-se o tráfico de drogas eliminando a distribuição e não submetendo a população. O papel da investigação e apreensão e repressão cabem à polícia. E ai é que a coisa fica estranha, são tonelada de drogas capturadas em rotas pré-estabelecidas e em propriedades conhecidas.

      O Ministério Público e o Poder Judiciário se fazem de rogados cujos objetivos desse ato são pouquíssimo claros já que como é fato notório uma grande quantidade de drogas sempre estão ligadas aos membros de um partido e de seus aliados.

      Quando o jogo do “bicho” controlava o morro não existia “bala perdida” (criação publicitária encomendada para justificar o assassinato por imperícia realizado por policiais de civis inocentes) e geralmente a maioria das mortes ocorridas se dava na disputa entre bandidos e os traficantes eram submissos a essa cadeia de comando. Não se mexiam com as famílias e os “bicheiros” circulavam livremente e como qualquer empresário, frequentavam festas, compareciam a missa, a cultos, financiavam creches etc. Na década de 80 do século passado houve um “racha”, um parte dos contraventores (a maior), se contentava com o lucro obtido na jogatina outra parcela ampliava seus “negócios” incluído o estelionato e a extorsão, que era tolerada pela maioria e um grupo minoritário queria associar os pontos de lenocínio (que davam proteção em razão de futuros clientes) com a distribuição de drogas. A disputa era a bala e não envolviam civis.

      O tráfico de drogas já existia e evoluía, porém restrito a guerra entre quadrilhas e sempre sob a vigilância mesmo que distante dos bicheiros que ainda mantinham o “controle” nas comunidades.

      Uma década depois mesmo com o tráfico se intensificando de maneira independente e se alastrando a Promotoria de Justiça do Estado do Rio de Janeiro procedeu a uma estranhíssima caçada aos contraventores, por fim condenando a elite da “máfia do poste” ao todo 14 bicheiros a prisão. Nesse mesmo processo o Ministério Público retirou a acusação da prática de tráfico de drogas pelos condenados, porque simplesmente elas não existiam. O espantoso é que naquela ocasião já era sabido pela Mídia, pelo Ministério Publico, pela Polícia Civil e Militar, que o tráfico de drogas se expandia nos morros sendo comandadas inclusive da cadeia pela Falange Vermelha.

      O que ocorreu posteriormente a esses fatos é que com a “limpada de área” proporcionada pelo Poder Judiciário (diga-se estritamente seguindo a lei, tenho minhas diferenças com Denise Frossard, mas não sou canalha), o poder do “bicho” entrou em colapso e logo a seguir em decadência e o tráfico ocupou o espaço vazio dificultando as ações que vinham sendo realizadas pelo Poder Público comandada por Leonel Brizola e submetendo a população de maneira brutal, que naquele momento havia perdido o “protetor”.

      Essa exposição está longe de ser uma apologia ao crime organizado pelo “bicho” (sou contra qualquer máfia seja ela de bicheiro, traficante ou maçonaria), mas mostrar de maneira precisa e clara o que ocorre quando de modo obscuro, se combate uma causa sem prever as consequências desses atos. Esse é o meu trabalho.

      Agora com a patética Intervenção Militar no Rio de Janeiro volta “à baila” análises patéticas e explanações ridículas oriundas de uma camada de “entendidos” que se aproveitam da desgraça alheia para alcançar alguns minutos de fama. Nenhum deles se aproxima da causa que é o caos estabelecido e promovido pela mídia, quem mais se aproximou em uma narração sintética foi Hildergard Angel.

      Eu estranho o fato de uma Intervenção Militar ocorrer APÓS o maior evento popular contínuo do Mundo.
      Se existisse algum “perigo” deveria ter sido tomada providências antes com o que aconteceu em 1992 em pleno governo Brizola, na ECO 92, na Copa do Mundo no governo Dilma, ou mesmo nas olimpíadas quando estava indevidamente presente o usurpador homenageado pela Paraíso do TUIUTI. Quantas mortes por “bala perdida” ocorreram nesses eventos se comparado as que acontecem nas ações policiais que estão se tornando corriqueiras nos morros cariocas? A porcentagem a beira a 0,1%.

      Não vou nem me aprofundar no tema do papel das forças armadas hoje é “comandada” (sic) por um corrupto idiota chamado Raul Jungmann, só vou destacar que a “arma” só intervém para conter tumulto, baderna e desordem que não é o que está ocorrendo no Rio de Janeiro. Nenhuma das três forças que compõe a denominada “arma” brasileira tem treinamento especifico (técnico ou psicológico), para impor a ordem social. São treinados para a guerra e no caso de “forças de paz”, para conter distúrbios. Se o ministro soubesse disso evitaria o vexame, mas sua prepotência e ignorância não permitem.

      Finalizando meus “estranhamentos” é que esta intervenção vem logo depois de um dos desfiles mais impactantes que se tem notícia e que destruiu o governo que ai está obrigando o usurpador Michel Temer em claro e absoluto estado de desespero a comprar uma contracapa e essa ser publicada de maneira CRIMINOSA pela revista “Veja”, ora NÃO SE PODE ASSOCIAR PROPAGANDA COM O LOGOTIPO DA EMPRESA JORNALÍSTICA, pois dá a falsa impressão de tratar-se de notícia. Possuo uma agência d de publicidade e sei disso, qualquer um do ramo sabe.

      Esse é o Brasil escabroso em que estamos vivendo culpando inocente e protegendo culpado, com os legalistas divididos em causa “mixas” a procura de vingança para ao menos por um pequeno momento satisfazer a sua ira do que lhe foi furtado.

      Estou extremamente tranquilo nesse ponto, pois nunca trai ninguém (embora já tenha sido apunhalado por gente que defendi e protegi por mais de quinze anos demonstrando que ninguém está imune a uma traição e isso dói), mas o meu compromisso é com os fatos.

      Vivemos hoje um caos imposto e institucionalizado pelos golpistas financiado pela “máfia maçônica” (lamento pela redundância), através da Mídia, dos seus membros no Congresso Nacional, catapultado para o Executivo, e os seus comparsas no Poder Judiciário e no Ministério Público.

      Esse é o GOLPE.

      Concluindo se não tomarmos providências em busca de um objetivo comum, após esse ano eleitoral os mesmos elementos infiltrados em entidades de classe, organizações religiosas, e afins retornam retirando o pouco que restou dos direitos adquiridos e transferindo aos detentores do Poder Judiciário infestado de golpistas a decisão sobre o nosso destino.

      Esse é o FATO!

      CãRiùá TaTaRaNa
      Jornalista, Nomólogo, Escritor.

  3. O morro não teve vez e ainda não tem. Somente quando o povo acordar e entender que a Globo é projeto norte-americano de dominação e fizer o que deve ser feito. Expulsar a bandida a pontapés!

  4. Verdade !!!! Acabaram de forma melancólica e criminosa, contra nossa juventude e educação….Acabaram com os Cieps do governo Brizola e dos educadores Darcy Ribeiro e Anisio Teixeira…Deu no que deu…Triste, MUITO TRISTE !!!

  5. Elementar minha cara Hilde.

    Há mais de um ano ocorreu um golpe “com o STF com tudo”.

    A deterioração econômica – programática e realizada em benefício dos gringos – empobreceu a população.

    Mas a população – estou me referindo aqui aos brasileiros empobrecidos que são descendentes dos índios e dos negros – não tem o direito de reagir.

    O golpe necessariamente terá que tirar o terno e vestir fardas para massacrar as vítimas do desgoverno neoliberal.

    Qualquer reação real ou imaginária obrigará as tropas militares a intervir, justamente como as tropas de jagunços colonias interviam para massacrar os índios hostis e os negros fugidos (ou seja, os antepassados dos brasileiros empobrecidos).

    Os juízes legitimarão os assassinatos e torturas hoje como legitimaram após o golpe de 1964.

    De fato, creio que os juízes (superlativo para ladrões de toga) já estão elaborando listas de cidadãos indesejados que devem morrer.

    Ficarei honrado ao ver meu nome numa delas.

    • Todos os comentarios que vi ate agora, inclusive a matéria escrita pela autora remete a um total desligamento da realidade com teorias da conspiração estaparfudias, sem reconhecer que os governantes do pt se mostraram tão canalhas quanto os que eles criticavam. Concordo sim que meios de comunicação deveriam ter tamanho maximo para existir ou pertencer a apenas um grupo. Acabar com verbas de publicidade dos governos as quais mobilizam interesses e censuram muitas coisa, E nunca exista midia estatal, porque ai seria para acabar.

  6. Relembrar faz bem. Mas o que fazer AGORA? Como deter a ação dos bandidos? Com flores e mensagens de paz e amor? Bandido tem que ser tratado como tal. Intervenção Militar não significa sair por aí matando cidadão de bem.

    Ações devem ser tomadas nas bases, principalmente na Edução, para que daqui 20 ou 30 anos começamos a colher os frutos.

    Mas e o AGORA? isso é tão preocupante quanto.

  7. Claro que foi a Globo, não é? Na linha amarela, há um tempo atrás, altura Cidade de Deus, eu me escondi do lado de fora do carro porque estavam gravando uma novela, só pode ser. Rio não é violento nao. E ontem foi tudo de novo. O Globo, vamos parar um pouco as gravações de novela, né? Ta assustando a população.
    A senhora mora aqui no Rio? Tem certeza?

    • Sérgio, eu não disse que não há violência, eu afirmei que não é apenas o Rio de Janeiro que tem violência, ela existe em todo o país, indiscriminadamente, e é injusta essa campanha contínua contra a cidade, omitindo os fatos violentos das demais cidades do país.

      • Aqui em Sampa a gente sabe que a PM não entra em muitas comunidades. Ultragás só com a permissão dos chefões. NET? O técnico um dia me narrou que o carrinho da NET só entra em alguns lugares com permissão. “Vai tentar desmanchar o gato pra ver o que acontece?” … Mas Sampa é um paraíso. O carnaval daqui é maravilhoso. Né? Tudo correu maravilhosamente bem, segundo nossa proba e isenta mídia. Mas aí no Rio? ‘Crendopadre’, como disse uma tia que assistia o Jornal da Globo. Aqui no meu prédio o assunto é o “clima terrível do Rio”. “Aquilo acabou como disse o motorista do Uber. Tem que ter intervenção. O Sr viu no JN ontem”. Essa mídia é nosso câncer!

        • Tem certeza que a mídia é o câncer? O que dizer dos políticos e a forma como se faz política? O que dizer do crime organizado?
          O Estado falhou. Falhou, no que diz respeito às políticas sociais. E agora (agora?) os marginais estão aí, com AR-15 nas mãos. Passe por uma blitz de bandidos e veja se você e quem estiver contigo sair ileso.
          São Paulo: já morei aí na capital por 5 anos. Muito diferente a realidade daí, se comparada com a nossa – e não foi ” mídia” quem me contou. Vivenciei. Claro, é uma das maiores cidades do planeta, tem todo o problema das grandes capitais. Violência, inclusive. Porém, nunca ouvi o relato de um colega paulista sequer de já ter dado de frente com um “bonde” de marginais armados com fuzis. Aqui no Rio tenho vários relatos de inúmeros colegas (eu, inclusive) que passaram poe essa situação.

    • É isso aí Sérgio. A pobre Hidegard vive num mundo paralelo; só dela e dos restante dos esquerdopatas . Para eles , Sérgio Cabral , e demais políticos , não tem nada a ver com a situação em que o Rio chegou. É tudo culpa da Globo. Esquerdistas e a eterna mania de atribuir a terceiros as causas do próprio fracasso.

  8. vinha falando tudo que esta escrito ai com as pessoas, apenas acrescentei que a ancora do RJTV tem orgasmo quando fala mal do RIO, chega a virar os olhos, uma destruidora, não sabe que em loteamento tem que ser entregue a infraestrutura e que nosso povo não tem educação, pois ela ajudou a acabar com os CIEPS.

  9. Perfeito Hilde, estão mais uma vez massacrando o Rio de Janeiro de forma covarde. É claro que todos queremos segurança pública, sabemos as nossas dores, mas que venha acompanhada da verdade e que seja um projeto de futuro. EDUCAÇÃO E NÃO INTERVENÇÃO!

  10. Até quando o Brasil vai suportar distorções plantadas para satisfazer o mercado do mal? Este que tem representantes fortíssimos nos meios de comunicação e na turma que atualmente, e na marra, está no poder. O que vc relata sobre os soldadinhos a caminho da Venezuela é fato real. A presença de MT em Roraima não tem nada com socorro aos venezuelanos e sim, planejamento para atuar no país vizinho. Só falta uma Proconsult 2018 para surrupiar o desejo do brasileiro expresso no voto. A urna eletrônica do Brasil é um poço de vulnerabilidade. Ninguém se iluda, a turma do mal já está em atividade nessa direção. Auditar urnas brasileiras é conversa para ludibriar os idiotas do mal (de novo!).

  11. Ridículo isso… Vem aqui pra zona oeste e ser assaltado enquanto está lanchando com sua família, anda de ônibus sempre que precisar ir e vir do trabalho e compartilhe da insegurança que sentimos. Intervenção militar, alienígena ou seja lá de quem for só vai adiantar se os armamentos se compararem aos dos traficantes. RJ está um caos sim! Não sei como está no resto do Brasil, mas aqui no estado onde eu moro está insustentável viver.

  12. Esse é o retrato de nossa gente fina. Covardes, preconceituosas e indiferentes. Marcelo Alencar, um canalha, matou (usando a pm/civil) milhares de pessoas, o crime não foi resolvido. Sabotaram o projeto de Darcy para encurralar as pessoas para duas opções: OU ACEITA SER UM SACO DE PANCADAS OU VAI PRO SACO — Gabriel o Pensador
    Enfim é triste e deprimente assistir a essa falta de amor ao próximo que a tal sociedade brasileira nutre diariamente.
    Orai e Vigiai…

  13. De fato, o fuzil não pode consertar o que o estado deixa de fazer.
    Serve para matar, aterrorizar, calar.
    Nunca promoverá o que é de responsabilidade dos governos; políticas públicas nos segmentos essenciais da cidadania – vida,educação, saúde, segurança, oportunidade de trabalho, transporte e etc…
    Estamos em ano eleitoral, surgem lideranças lúcidas como o Nildo do PSOL, professor da Universidade de Santa Catarina.
    O momento exige propostas de solução dos problemas.
    É perda de energia ficar citando fatos e acusações, por mais que sejam verdadeiras.
    Todos os políticos corruptos e incompetentes se limitarão a repetir esse mantra.
    Gosto muito da premissa do Nildo, ele afirma em entrevista ao Francisco Soriano, presidente da TVC – Rio que o Brasil precisa de um líder que, pela nota da verdade, seja capaz de mobilizar o povo para governar livre das amarras e da corrupção do congresso, da pressão criminosa do poder econômico e da mídia. Um presidente que governe com o povo, através de referendos populares para a tomada de decisões cruciais para o bem dele – povo. Concordo com ele, não há força que se oponha a vontade popular canalizada por um líder que a represente. Disse ele, “…não governarei para todos os brasileiros, governarei para a maioria, o povo que necessita de um Estado que pense a vida do cidadão do ventre a morte…”.
    Que venham mais candidatos nessa linha!!!!
    Abs

  14. Cara, HILDEGARD
    E, até pensei…que HOJE a sexta feira poderia chegar com melhores ENERGIAS, até lhe enviei e-mail, logo cedo.
    ESPETÁCULO? ESPETACULOSO!
    Vale sua COERÊNCIA! Uma BANDEIRA para ser HONRADA, lembranças.. ações e palavras que EMOCIONAM!
    VC …escreve sobre o ECO , dos q pensam.. ser ELITE…Classe média…..?
    Será que sabem quem eram DARCY RIBEIRO? BRIZOLA?
    Será que conheceram algum dêles? Os CIEPS?
    EVIDENTE!
    Fingir…que nem lembram…é bem a CARA da maioria!
    DARCY RIBEIRO com LEONEL BRIZOLA, fizeram uma parceria do que seria da maior importância para um NOVO BRASIL,! Levaram às CRIANÇAS, além da EDUCAÇÃO, ALIMENTAÇÃO, SAÚDE, SEGURANÇA, total possibilidade à um FUTURO BRILHANTE!
    Mas, isso ASSUSTOU.. ASSUSTA….e, continuará ASSUSTANDO…os que frequentam as PARTICULARES, com aquele desfile de quem tem mais..?
    Pensam…se tornaram ELITES….quando nem essa designação CLASSE.. média…foram!
    MEDIOCRIDADES, esbanjadas dos que vieram , exatamente, dos excelentes Colégios Públicos….anos…40..50..mas, são páginas viradas…queimadas…pois faz mal….terem lembranças….de quem SÃO! Afinal, nunca NADA FORAM nem tampouco SERÃO, com suas butijas…como CARTÕES DE VISITAS…..”MOFADOS”!
    “DESMONTAR”, forasteiros… dos mais ILUSTRES… criados na
    ESPERTEZA, é quase que OBRIGATÓRIO para novas e futuras gerações, pois não há como melhorar os INTERMEDIÁRIOS, que são os mais PERIGOSOS, e, das lágrimas…surgem até gargalhadas….diante da PRETENSÃO!
    Nossa CIDADE sempre MARAVILHOSA !
    Faz lembrar…”PERDIDOS NUMA NOITE SUJA”
    Quem tem medo de VIRGINIA WOLF?
    Não seremos NÓS!

  15. A violência existe e num grau assustador. Não é só a Globo que explora notícias sensacionalistas.A grande maioria dos canais de tv tem em sua grade programas sobre crimes, verdadeiros circos de horrores. Não podemos imputar à mídia culpa por esse caos.Culpados em grande parte são os governantes incompetentes , corruptos que dão uma banana para o povo assim que chegam ao poder. A outra parte culpada é o povo que não pensa na hora de votar e não vai para às ruas para reivindicar educação, saúde pública e segurança. Aliás só tem multidão na rua para o oba-oba do carnaval ou essas passeatas tipo Fora Temer,Fica Temer,Fora Lula, Fica Lula, Foi Golpe. Para finalizar façam como eu quando em qualquer canal de tv aparece um programa que me desagrada, faço uso de um objeto chamado controle remoto.Torcendo pela volta da paz no Rio.

  16. Querem acabar com a violência no Rio? Sufoquem o crime organizado. Fechem as fronteiras do Rio nos próximos 6 meses; terra, ar e mar. O Rio não fabrica armamentos nem tem produção de entorpecentes. Drogas e armas entram ´pelas fronteiras do Estado. Fiscalizem aeroportos particulares. Os narcotraficantes não moram nas favelas, moram na zona sul carioca e usam a favela para impor seus desejos. Querem acabar com a violência no Rio? Prendam o Pezão, os Deputados Federais e Estadual comprometidos com o crime organizado, desembargadores e juízes que soltam bandidos com discurso de “presunção da inocência”. Uma intervenção em que cuja reunião para definição tem um marqueteiro como participante, não merece respeito. Lamentavelmente vão usar eleitoralmente as forças armadas. Uma intervenção que é anunciada por um presidente que deveria estar preso, pelo seu secretário Gato Angorá, que deveria estar preso (o grande destruidor dos CIEPS), e por um governador que deveria estar preso e tendo ainda no palanque o Ministro Meirelles (se a intervenção era na segurança o que ele estava fazendo lá?), e ainda, anunciada com intensidade pela Globo (que aproveitou a deixa e colocou o Crivella também como culpado – pqp-) não merece respeito. Tanto é assim, que da própria boca, Temer disse que a intervenção seria interrompida quando da votação da reforma da previdência. Temer (ajudado pela Globo) viu uma grande oportunidade de marketing. A droga que financia o crime no Rio é a mesma que entra em Minas, em SP, no Nordeste, no Sul. Só que o Rio dá visibilidade. O próprio interventor, em entrevista hj disse “que tem muita mídia”. O resto do pais é resto. Como falar numa intervenção séria mantendo um governador corrupto no poder? O pmdb age protegendo os seus. Hj a noite, o investigado presidente Temer, assessorado pelo marketing e pela Globo (que só sabe culpar o Crivella por tudo ), fará mais um “pronunciamento show eleitoral” à nação. Nos falta uma imprensa séria e responsável que tenha coragem de questionar as mazelas do governo Estadual do Rio e do governo Federal na cara desses elementos e não ficar frente a frente de beijinhos e abraços fraternos por conta das verbas publicitárias.

  17. Aonde você vive Hildegard?
    Aqui onde moro, Santa Teresa, tem tiroteio direto, balas entrando dentro das casas, assaltos em serie…Em outros muitos bairros, idem…

  18. Grande Hildegard!!
    Cada vez que leio um texto tão lúcido como este me convenço de que nem tudo está perdido! Ainda existe consciência!
    Parabéns!

  19. Pobre Rio de Janeiro. Muita proteção ao seu povo. Muita, mesmo. Amigos e amigas, protejam-se. A intervenção alardeada é do tipo: “Bandidos, por favor, saiam do morro que nós estamos chegando.” Portanto, não há intervenção. Há um acordo. Um clichê midiático. Coisa pra inglês ver e não acreditar.

    Tempos atrás aconteceu algo semelhante e Fernandinho Beira-mar veio morar na Paraíba. Até filho fez por aqui. Fez aliados na Polícia e adquiriu um patrimônio invejável. Não tenho dúvidas que as falanges que comandam os morros cariocas irão transferir seus lucrativos negócios para outros territórios e tudo continuará como antes no quartel de Abrantes.

    A bandidagem mais perigosa não mora nos morros, mas nos condomínios de luxo e nas coberturas suntuosas. Representam o Brasil no Congresso Nacional. Os que pedem intervenção militar para combater o tráfico esquecem que na ditadura um tal de Sergio Fleury, delegado do DOPS, assassino frio, era associado ao tráfico e até iates possuía.

    O Brasil vai viver mais um capítulo da tragicomédia instalada com a criação das Capitanias Hereditárias e que hoje se sustenta num pós-impeachment golpista. Somos o país do “me engana que eu gosto”. Cada vez mais sufocante a cortina de fumaça que Michel, o vampiro, cria para alugar o Brasil. Mas, esse é só um detalhe. Nosso desastre é bem anterior.

    As multidões silenciosas, de uma forma ou de outra, deverão responder nas urnas. Mas, a resposta continuará sendo o silêncio. Estamos sem voz. A República Federativa dos Patos Amarelos caminha para o abismo com os passos medidos em pesquisas de opinião.

    Enquanto isso, escondem um helicóptero carregado de cocaína e seus donos, reduzem penas e fazem acordos indecentes com delatores da Lava-Jato. Em contrapartida jogam numa cela um bebê de três dias, cuja jovem mãe traficava para sobreviver. Oh pátria amada, idolatrada salvem-se salvem-se…

    Nossa solidariedade ao povo pobre e trabalhador dos morros cariocas. Serão as vítimas prioritárias da canalhice federativa do Brasil. Firmeza, irmão, firmeza… mesmo em lágrimas.

  20. Quanto preconceito com os chamados pivetinhos do Rio, a jornalista que parece viver em uma redoma de vidro no qual só sai para cobrir casamentos dos chiques acha que o Rio ainda é o mesmo daquela época dos Mayrinks Veiga entre outros nomes coroados……uma pena!

  21. O Brasil precisa definir: ou continua governado – de fato – ditatorialmente pela família Marinho, oficializando-os como príncipes, e dando as responsabilidades de um governante de fato e de direito… ou acaba com as Organizações Globo. Do jeito que está é que não dá: mandar sem se responsabilizar.
    Há 44 anos que os Marinho mandam no país, desde a militância do patriarca pelo Golpe de 1964, sua intervenção contra as eleições de 1966 – vê documentos do Departamento de Estado americano – a mão invisível nos Governos Militares e até escárnio público, no caso da “escândalo das jóias”, ação direta nos governos Sarney, Collor, FHC e até nos petistas. Como disse Chico Buarque à BBC (Muito Além do Cidadão Kane, 58″ aos 1’06”), 1992, “Nada se faz no país sem consultar o Roberto Marinho. Isso é assustador!”.
    Então que se oficialize a tetarquia, ou acabe com esse Besta do Apocalipse (Apo, 13, 5).

    • “Então que se oficialize a tetarquia…”
      Perdão, quis dizer “triarquia” ou triunvirato.
      Mantenho o resto.

Deixe uma resposta para Sergio Caldieri Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *