O “case” fashion que foi sem nunca ter sido…

Está aí o que poderia ser um “case” fashion da atual bolsa de negócios na Marina da Glória, se eu hoje tivesse conseguido falar ao telefone com Eloysa Simão. Mas Eloysa está “inencontrável”, na correria deste Fashion Business, desdobrando-se entre 310 expositores, o que não deve ser nada fácil…

Foi assim: ontem, quando recebi a visita de Cristina Franco (embrulhada num Issey Miyake maravilhoso, como sempre) em meu lounge, notei a presença interessante da moça da limpeza em plena ação, alta, magra, negra, look totalmente andrógino e com olhos de uma tristeza comovente. Comentei com Cristina que sucesso ela não faria se encerrasse o evento sobre a passarela (em vez de limpando stands), desfilando para uma das grifes, como um grande lançamento desta edição do evento. Uma Cinderela fashion

Cristina imediatamente apoiou: “Ela poderia ser uma nova Alek Wek, tem muito a ver com ela”. Alek é aquela modelo africana que causou furor ao ser lançada, imediatamdente ganhando as capas de todas as revistas de moda, vocês sabem…

Então, com vocês, a Daniele Silva Pinto, que poderia ser um “case” deste FB (se eu tivesse encontrado a Simão)! E quem sabe ainda dá tempo de ser, hein?…

modelo negra Daniele Silva Pinto O case fashion que foi sem nunca ter sido...

Daniele Silva Pinto, a da faxina, que poderia estar na passarela do FB

model negra e1306430085355 O case fashion que foi sem nunca ter sido...

O olhar triste e o look andrógino, Daniele poderia ser um “case” deste 18º Fashion Business

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *